27 abril 2007

Carta secreta de Soror Mariana ao cavaleiro de Chamilly - V



Escreveu Soror Mariana na sua cela:
Quão aflita estou, meu amado cavaleiro!
Noticias de vós não tenho, desde antes da Quaresma.
Dizei-me,
Que pensais? Que fazeis? Por onde andais?
Temo mil desgraças, calamidades, desventuras:
Que do cavalo tenhais caído,
Que estejais moribundo e ferido
Sozinho sofrendo torturas e horrores.
Ou então, que de mim vos tenhais esquecido,
E que de vós eu tenha perdido:
O bem-querer, a amizade e os favores.
Meu amado mandai-me novas! Porque de vós nada me dizeis?
Será que alguma dama, visita de vossa tia a Viscondessa,
Ao ver-vos na recepção, em que por minha causa, vossa espada ficou tesa,
Me roubou, meu cavaleiro, vosso querer, vosso coração?
Choro, meu amado, um amor que já não existe?...
Ou morrestes?
E viúva de vós fiquei, e sem saber de luto por vós já estou?
Dai-me noticias cavaleiro, eu vos imploro,
Meu coração por vós sangra e tanto dói que no convento
A Madre Superiora, de castigo e a pão e água já me pôs,
E minhas irmãs na fé, colocaram algodão nos ouvidos,
já não suportando de mim ouvir,
Tanto ai, tanto lamento...

Resposta do cavaleiro de Chamilly:

Perdoai-me, meu amor! Perdoai-me a falta de notícias.
Não vos quis meus males contar para não vos apoquentar,
E para que não sofresseis com meus males e minhas desditas.
Foi nos jardins de minha tia, a Viscondessa,
Quando envergonhado fugia da recepção
Tentando esconder o meu rubor e o meu tesão,
Que uma dama que, vos juro desconheço,
Me perseguiu, sem que de tal facto eu desse conta.
No meio do roseiral apanhando-me desprevenido,
Traiçoeiramente pelos braços me agarrou.
Por terra caí sem poder me defender,
De mim, a roupa, a pérfida arrancou
E desvairada só tentava meu sexo pegar
E violar-me!...
Violar-me meu amor,
Foi o que essa dama libertina intentou.
Quando ouvi gritos lancinantes e aflitos, julguei serem os meus,
Por outras mãos, que não as vossas, me estarem a tocar.
Mas era o esposo da dama que procurando-a, ali chegara,
E ao ver-me nu, deitado na terra naqueles preceitos,
A esposa quasi nua me cobrindo,
Julgou-me, a mim! A mim! O causador da situação.
De espada ao léu fugi do esposo furioso,
Que de espada na mão querendo vingança me perseguia,
Chamando-me devasso, verme infame, celerado imoral.
Eu imoral, Mariana...
Sobrevivi, minha amada, ao vil ataque do casal,
Mas meus males se mantêm e ainda me atormentam.
Do sexo, uns duzentos picos de rosas já tirei,
Deitado estou, meu amor, tentando tirar mais uns oitenta.

Foto: Rafal Bednarz

Encandescente
Blog Erotismo na Cidade
Três livros de poesia publicados («Encandescente», «Erotismo na Cidade» e «Palavras Mutantes») pelas edições Polvo (para já...).
Crica aqui para leres a carta IV e a III. Ou aqui para relembrares as cartas I e II, bem como a nossa ida memorável a Beja, ouvir a leitura da carta III da Soror Mariana, pela Gisela Cañamero, em frente à janela do convento.

11 comentários:

  1. Devia processar-te, Centinha, por retransmitires a crença de que todas as Rosas picam...

    ResponderEliminar
  2. hehehehehe
    processa-a Rosa Sã, processa-a.
    Nomeia o Zé teu procurador e exijam reparo pelos espinhosos danos morais, difamadores dos predicados de tão bela flor.

    ResponderEliminar
  3. Já que se fala aqui de mulheres, lembrei-me de vos convidar a todos para celebrarmos juntos o dia 6 de Maio em Carcavelos. Eu vou estar lá :-)

    LolaViola

    http://www.corridasempremulher.com/main.htm

    ResponderEliminar
  4. E as que não picam com os espinhos, picam com a dentuça afiada...!

    ResponderEliminar
  5. Para ti, a mulher ideal tem dentes postiços?

    ResponderEliminar
  6. Não ! Sabe como usá-los ...

    ResponderEliminar
  7. Muito tu gostas de me estragar as teorias...

    ResponderEliminar
  8. Só com a pura intenSão de te levar às práticas...

    ResponderEliminar
  9. Excelente blog.
    No Erotismo na cidade a gente não pode comentar?

    ResponderEliminar
  10. Não, Dourado. A Encandescente prefere dar-nos a ler o que ela escreve...

    ResponderEliminar

Uma por dia tira a azia