31 agosto 2008

Senhor Multiópticas


Usar teledisco ou videoclip define logo a idade de quem o diz e por esta ordem de ideias ele era velho até já com direito a toque rectal.

Mas até conseguíamos ouvir as mesmas músicas desde que a escolha pendesse para os lados dos fados e como ele continuava a picar o ponto lá seguia a orquestração. Prometia invariavelmente da próxima aguentar mais como se cada pranchada fosse uma partida de xadrez cronometrada. E com a mesma frieza era capaz de me beijar apenas com os lábios como se o resto do corpo fosse um acessório dispensável para a ocasião. Quando o encostava à parede com o peso do meu corpo, uma mão entre o pescoço e a nuca, outra a cravar-se-lhe nas nádegas e as ancas a dançarem-me ostensivamente de encontro aos seus galões masculinos ele chupava-me a boca com o cu de galinha dos lábios em riste e esforçadamente lá fazia cinco dedos borboletarem-me pelo traseiro como se temesse o voyeurismo das paredes ou a culpa da luxúria escorresse desalmadamente por si e lhe congelasse os movimentos.

Até que lhe podia fazer um desconto de acordo com a idade mas temo que não existam dioptrias para corrigir a ignorância de não se saber dar a alguém.

Saíu o número 2 da Com'Out

Informámos aqui a saída do primeiro número da Com'Out, dedicada a temas relacionados com a comunidade LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgéneros). Mereceu muitos comentários interessantes dos nossos membros e membranas.
Pois agora aí está o número 2, que já comprei, li e recomendo. Com a devida vénia, transcrevo aqui o editorial «It’s the economy, stupid»:
"Chueca, dez anos atrás. O bairro madrileno não passava de um pardieiro, interdito a quem prezava pela sua segurança. Situado no coração da capital espanhola, começou a ganhar vida à medida que a comunidade LGBT ia mudando com armas e bagagens. Abriram lojas, cafés, bares e a zona revitalizou-se em poucos anos. Hoje, é um dos locais mais estimulantes da cidade, onde praticamente todos os madrilenos – e não só – se sentem à vontade. E assim renasceu das cinzas um bairro inteiro.
A indústria relacionada com o segmento LGBT em Espanha movimenta muitos milhões por ano. Simplesmente porque o mercado começou a perceber que o dinheiro vindo da comunidade tinha o mesmo valor do que o da “outra” comunidade. Os pruridos e os preconceitos desapareceram. Um grupo economicamente forte é sinónimo de voz forte. E o que os anos de manifestações não fizeram, fez a economia. O poder político vergou-se. E agora não há partido que não tenha o chamado candidato G.
Tudo isto para chegar aonde? Mesmo aqui ao cantinho da Península Ibérica: nós.
É inacreditável o atraso de certas mentes lusas. Não é fácil ouvir das empresas que obtêm grande parte dos seus lucros à custa da população LGBT a frase: “Lamentamos, mas a nossa política é não nos associarmos a revistas destinadas a gays e lésbicas”. Para não ficarem “conotados”. Como se um produto ou serviço que interessa a toda a sociedade perdesse o seu valor simplesmente por ser publicado num órgão de informação LGBT. Moral da história: Gostamos muito do vosso dinheiro, mas de vocês nem por isso. Bonito, não acham?
Vai já sendo altura de estes espíritos abrirem bem a pestana e olharem para o vizinho, onde por exemplo nesta gay pride não houve marca que não quisesse associar-se à parada. Sob o risco de qualquer dia ouvirem a frase: “It’s the economy, stupid”."



E a citação que fizeram do meu post sobre a revista deixa-me toda molhadinha:


crica para visitares a página John & John de d!o

30 agosto 2008

Soy una célula



Soy una célula
miendo mi ataúd
cada día,
dentro de un cuerpo
que desconozco.

Sin vida.
Soy una puta,
una presa fácil
travestida
por una mente
masculina.
Incomprendida.

Me nutro de heces
fluidos y palizas.
Y nunca consigo:
penetrar.

¡Oh, Dios mío!
dame una metamorfosis
genital.


El artista desnudo

«Citius, Altius, Fodius» - Uuuuh que fixe!

Vocês que viram os Jogos Olímpicos são uma cambada de pussys. É isso que vocês são. Vão lá ao dicionário e procurem PUSSY. Tá lá uma fotografia vossa ao lado. Tá ou não tá? Mas tenho a salvação para os que pensam como eu. Wrestling Feminino nos Jogos Olímpicos. Tão a imaginar? Gajas boas à porrada? Dividido em várias categorias. Imaginem... "Na Lama", "Em Pudim de Chocolate", "Tudo ao Molho", "Como Vieram ao Mundo" e finalmente "À Minha Volta"... ganda cena meu. Isso sim é que era bonito de se ver...

E claro que... BONITO, BONITO... é melhor eu não dizer senão depois levo no focinho.

... é de mim ou aquela... aquela senhora tá com a cara na... na PATCHÁ... na PATCHÁTCHA... da outra menina? (que por acaso não parece muito incomodada)

Aaaaaaaaah! Que festim para as vistas.

Orangina - naturellement pulpeuse

Notícia do IOL Diário - O anúncio à bebida Orangina no Reino Unido, a tradicional Fanta de Laranja, agitou o mercado com o anúncio sexy à bebida e depressa se fizeram ouvir críticas por parte das organizações que defendem os direitos das crianças.

29 agosto 2008

Copos num BAR e Conversas improváveis

por Charlie

... a morte é a nossa última queca em que só um lado é que goza...

Estive há dias novamente com ela.
À roda dum copo numa conversa em tom baixo, música suave e olhos nos olhos, lendo para além das palavras em cada pequeno jeito nos traços do rosto, cada pequeno sorriso, cada inflexão de voz.
- A vida não é apenas o intervalo entre umas quecas? - Disse ela após termos abordado, entre duas taças, diversos aspectos do eterno tema – Desde a queca a partir de onde foste feito até à tua última ?
- Bem, é um ponto de vista.- Respondi. - mas dito assim posso discordar. Há gente que nunca passou por uma experiência sequer em toda a vida, olha os místicos. Eremitas e sacrossantos que passam a vida em êxtase contemplativo....
- Desculpa mas estás enganado, Carlos. – Interrompeu. – As experiências místicas não mais são que uma forma intensa de sublimação da sexualidade. É sabido, e até guardado nas gavetas do desconforto da Igreja, as situações de orgasmo sentido por todo o corpo pelas noviças e interpretadas por elas como transe divino, de comunicação com o Senhor, com o transcendente. Elas em profunda paixão por esse figura quase nua, crucificada, Jesus filho de Deus, de olhos fechados entregues a quê? Diz-me, Carlos; entregues ao amor. E o que é o amar senão o gostar muito consubstanciado nessa entrega e posse mais intensa que nos está nos genes e nos vem ao cimo, mesmo que inconscientemente?: O sexo!
Olhei para ela e esperei um pouco.
- Tens razão nesse pormenor, - continuei já no uso da palavra enquanto, pegando-lhe na mão, brincava com os seus dedos - e até é sabido os castigos que as Madres Superiores infligiam às pobres desgraçadas quando elas numa pura ingenuidade lhes confiavam e descreviam, exultantes, as suas primeiras experiências de êxtase. Sabemos o que lhes acontecia depois dum enorme raspanete: Mortificação da carne, flagelação e jejum, oração para afastar os pensamentos pecaminosos que o Demónio habilmente lhes induzia disfarçados de prazer na adoração a Deus. Fechadas depois em celas de castigo, perdidas entre uma adoração abstracta e assexuada por um Senhor, que sendo homem não podia ter sexo nem ser Icon de prazer, e a verdade natural de ser-se mulher atirada pela lógica da razão irracional, passe o paradoxo, para os confins dos campos do mal.
- Bem, - interrompeu ela, - mas os conventos não eram só isso. Estás a esquecer-te dessas outras, noutras fases da História, que faziam das celas autênticos bordéis.
Acenei positivamente embora respondesse num tom de meia discordância.
- Bem, bordéis não diria tanto, mas lá que faziam as suas orações em ambiente privado e bem mais animado do que as desgraçadas de que falei agora, isso acredito. Mas quando discordava de ti quanto à vida ser o intervalo entre duas quecas, queria dizer além do que falámos sobre os místicos, que a última queca da vida, não quer dizer o fim dela. Há imensa gente que vive imenso tempo depois de que o corpo tenha deixado de sentir qualquer apelo.
- Acreditas nisso, Carlos? É o corpo que seca ou são os braços que baixam, presos a relações que há muito deixaram de ser nascente? Quantas vezes após um divórcio, gente com uma certa idade redescobre a vida, outros até descobrem-na verdadeiramente... Seja como for, repara, a morte é a nossa última queca em que só um lado é que goza. Quando morremos estamos feitos, fodidos...
Rimo-nos, e pegando-lhe nas mãos beijei-lhe as falanges, os polegares, à medida que ela encolhia os braços fazendo aproximar-nos os lábios. Detivemo-nos um instante, bocas frente a frente a um mero gesto do encontro, guardando o momento naquele limbo fantástico do cai-não-cai do caminhante a atravessar uma ponte de cordas suspensas e que de repente olha para baixo, a dezenas de metros onde corre mais rápido que o olhar, um portentoso rio por entre pedras e restos de troncos, sequiosos por dilacerar as carnes suspensas em vertigem. Afastámo-nos.
- Porque andas nesta vida, perguntei-lhe? Sabes falar de tantos assuntos, és inteligente e culta. Pergunto-me que tipo de conversas terás com certos tipos que apenas procuram Lolitas estúpidas e dar umas quecas...-
- Olha para mim. - Interrompeu. – O que te atraiu em mim? Não foi o corpo? Tal como eles. Mas meu querido, sou eu quem escolhe. Tenho os meus clientes certos que só são certos enquanto eu quiser. Uns conversam duas horas sobre os filhos, outros sobre pormenores dos negócios. Outros levam-me a sítios extraordinários, reservados só a alguns e que passei a conhecer e a incorporar na minha experiência pessoal... Na verdade ando nisto porque gosto, entendes? Gosto de conhecer gente, homens diferentes, rasgar fronteiras. Mete-me horror saber que teria de passar toda a vida com um deles embora me saibam bem os momentos em que eles me tratam nas palmas das mãos, das prendas e do dinheiro que generosamente me pagam para que eu seja só deles. Se queres saber sou como tu: gosto de foder, gosto de ti, falar contigo, rir-me contigo, levar-te para a minha cama, acordar ao teu lado e mandar-te embora, de preferência depressa, para que mais depressa sinta saudades tuas depois de estar com eles... Sou assim, entendes?

- Sim entendo, claro que entendo, - disse olhando para ela horas depois enquanto sem ruído calçava os sapatos e abotoava a camisa para que sem a acordar saísse depois porta fora rumo à minha casa. Para o duche tomado a sós...

Cinema Jugoslavo - 1960's



Do que eles se lembram!...

«The Wizard of Ass»

28 agosto 2008

Out-of-Body Experience


Oleg_Korisev


E por entre gemidos e quase soluços, ela disse que não aguentava mais. Porque não aguentaria mesmo. Não que tivesse atingido o seu limiar de resistência física... Não, não era a energia que lhe faltava. Mas estava absolutamente convicta de que o seu corpo não suportaria mais prazer. Mais um movimento que fosse, dele dentro dela, e os danos cerebrais teriam sido, certamente, irreversíveis. Então, quase à beira das lágrimas, deu por encerrada a conversa que estava a ter com Deus e desceu à Terra. Quando os corpos se separaram, a alma voltou-lhe à carne e a consciência ao seu lugar de sempre. Tinha acabado de chegar do Paraíso e do Inferno, ao mesmo tempo.

(Crimes Perfeitos)

a alcova e a funda São apoiam e divulgam


O funcionário do jardim zoológico


Uma parceria com The Perry Bible Fellowship

27 agosto 2008

Em nome do blogue


Estou finalmente divorciada e o ato de poder gerir o meu tempo à minha maneira e dedicar-me de alma e coração à concepção dos meus três bloguinhos enche-me de alegria como se voltasse a ter as rédeas da minha vida sem os engulhos de uma constante tensão.

Há 10 anos atrás, quando comecei o meu blogue com as letras de todas as músicas que me emocionavam e gastava horas e horas a procurar guifes animados de bonequinhos fofos e mimosos para o decorar, sentia-me muito acompanhada por todos aqueles que me deixavam beijinhos na caixa de comentários. De acordo com a tradição fazia a minha ronda por outros blogues e fiquei atraída pelo daquele homem sensível que blogava em modo intimista e adoptava o elogio permanente às mulheres como se elas fossem a sua única razão de viver facilitando que passasse a ser o meu herói. Rapidamente passámos a trocar emails e daí ao MSN foi um pulinho e a jantarmos juntos com a bússola apontada para o pólo sexual foram mais dois ou três sem pára-quedas.

Lá juntámos os corpos e os computadores na mesma casa e foi nessa fase óptima que publicámos inúmeros posts a transpirar paixão em cada linha de html como prolongamento da nossa cama comum e das calorias que lá suávamos com tal gasto de humidade que de fato os lençóis se podiam torcer. Só que era terrífica a discussão diária sobre quem parava de blogar para confeccionar o jantar ou para acertar o horário para trocarmos fluídos e efectivamente consumarmos o matrimónio em vez de mergulharmos no blogue. Os ciúmes passaram a despontar nos links de cada um e na maior intensidade de troca de comentários com este ou com aquela e rapidamente se exaltaram na comparação estatística do tempo dedicado ao filho da puta do blogue ou ao outro. Quero crer que para a subsistência da blogoesfera quem bloga há-de escolher para respectivo par alguém que não ligue pevide ao assunto.

Quatro no Quarto


crica para visitares a página John & John de d!o

26 agosto 2008

Não preciso de ti nem do teu imponente e tesudo membro para ter prazer.
Quero sentir-me artista por uma noite e recriar em mim o orgasmo outrora sentido.

Será?!...

Lido hoje... num blog:
"Blogging is like masturbating into a mirror while you videotape yourself, so you can watch it later while you masturbate."
Ou seja, algo como:
"Blogar é como masturbares-te em frente a um espelho enquanto te filmas a ti próprio, para mais tarde te masturbares a ver esse filme."
"O Jerónimo e a Genoveva estavam muito orgulhosos por a sua filha Ana ter saído do armário. Mas às vezes gostariam que ela fosse um niquinho mais discreta."

A vida sexual de uma cadeira



«The sex life of a chair» - Phil Mulloy

24 agosto 2008

E depois a tarada sou eu!




Olhem só que bela ideia teve a empresa Intelilar para o seu logotipo: uma bela de uma cabeça de caralho, com o seu buraquinho na ponta e o seu freio elegantemente conformando a glande.
Boa malha!
E a c&a viu algo em que eu não tinha reparado: "Acho que a Sãozita não falou na mão que tão bem aperta..."

Recomenda São - poesia e textos eróticos

Vão ao Estúdio Raposa e deliciem-se ouvindo Luis Gaspar a apresentar-nos e a ler-nos:

> a poesia da Menina Marota - Um desnudar de alma

> uma edição de 1974 do «Kama Sutra» com posfácio de João Palma-Ferreira

Até ferve!...

Filme "Bitter Moon" - Emmanuelle Seigner dança com um homem em frente do marido.

22 agosto 2008

Porquê orgasmos ora com ora sem barulho?

Pergunta a Lua Feiticeira:

"Normalmente, as pessoas , quando copulam com alguém, no momento do orgasmo, fazem algum barulho, há até quem grite, quem cante ópera, quem fale numa língua não materna, outros limitam-se a ímpar/soprar com alguma sonoridade… seja como for, emitem alguns sons, certo?

Pois, mas quando têm um orgasmo, masturbando-se sozinhas, se algum barulho fizerem, esse não se assemelha ao que fazem quando estão com alguém. Provavelmente, nem fazem nenhum, certo?
Ora se orgasmo é orgasmo, então porque é que só se emitem sons com alguma sonoridade quando este se dá na presença de alguém?
Lua Feiticeira"

Naoto Hattori


Alexandre Affonso - nadaver.com

21 agosto 2008

Física


Fisica

Já o sabiam há muito. Era pelas leis da Física que as suas contas batiam sempre certo. Não havia equação que ficasse por resolver quando o desejo lhes falava. E era certo que estranhos fenómenos aconteciam com a proximidade dos corpos. Mãos, beijos, pele e saliva. Faziam descobrir poderosos campos electro-magnéticos que lhes controlavam movimentos, sons e vontades. Como se não houvesse sequer outra hipótese. Nada se perdia e tudo se transformava. Desafiavam teorias. Revolucionavam descobertas. Partes dele que orgulhosamente contrariavam a força da gravidade. E sistemas hidráulicos que magicamente se accionavam nela.
Depois era só juntar as variáveis e deixar fluir a termo-dinâmica do momento. Testavam-se todas as fórmulas e inventavam-se mais umas quantas.

Perverso...? Isso é relativo.

(Crimes Perfeitos)

Xadrez, alguém?


Disponível aqui (tabuleiro "Erotic").

A boneca muda de roupa


Uma parceria com The Perry Bible Fellowship

20 agosto 2008

A matriocracia do peixe-palhaço


O peixe-palhaço é um simpático animalzinho muito frequente nas animações da Disney desde 1940 e até mais recentemente no À Procura de Nemo.

Estes peixinhos vivem alegremente em grupos, a dar às barbatanas, nos quais os machos são considerados totalmente imprestáveis e apenas fazem o favor de os convidar para ajudar a tomar conta dos ovos do cardume.

O melhor que pode acontecer a um peixe-palhaço macho, o que sucede por vezes aos de maior porte, é mudarem uma vez na vida para o sexo feminino, uma vez que todos nascem com genitais femininos armazenados para o caso de virem a ter essa hipótese.

Aviso da Chupa-Chups

Já tinha na minha colecção vários "maços" de Chupa-Chups Relax com o genial slogan "Chupar não mata".
Agora este aviso... era o que faltava!


crica para visitares a página John & John de d!o

18 agosto 2008

Ela sabia que a noite ia ser mais uma daquelas passada no aconchego dos lençóis. Sozinha. Despiu-se para se deitar, mas já não se vestiu. Tinha frio. Tapou-se e enrolou o seu próprio corpo, para sentir o calor de si mesma. A vontade estava lá. De barriga para cima, massajou o seu corpo, mas sempre debaixo dos lençóis. Molhou os dedos e brincou com os mamilos, que ganhavam forma. Uma das mãos ficou-se pelo umbigo e foi descendo até que as pernas se abriram. No quentinho dos lençóis, ela foi passando a mão pela sua gruta humedecida. Tocou-se com o espanto de quem quer conhecer o seu corpo e orientar-se no caminho dos prazeres. Sentiu os lábios humedecidos e acariciou-os levemente, para aumentar o desejo. Já se sentia encalorada, por isso destapou-se. Estava molhada, provou o seu próprio sabor, enquanto metia e tirava um dedo. Resolveu meter dois. Provar-se sempre lhe soube bem. E cheirar o sabor do seu sexo, também. Tinha os lábios inchados de tesão e o seu botãozinho de prazer já pedia uma massagem mais dedicada. Meteu três dedos e com a outra mão massajava o clítoris, molhando os dedos, e dedilhando depois. Decidiu pôr-se de gatas e continuar a massajar-se, a esfregar os dedos, depois de os molhar, de os saborear. Meteu um dedo por trás, só para sentir o outro buraquinho. Estava cheia de tesão e o tesão era todo seu. Queria tocar-se mais fundo e sentir-se mais dentro. Já sentada, molhou bem os dedos, lambendo-os e com a ajuda de um lubrificante meteu dois dedos, três, quatro. Pôs e tirou, simulando um vai vem de prazer. Pôs quatro, deixando um a esfregar o clítoris. Sentiu-se por dentro e gostou. Queria mais. Estava tão relaxada que colocar a mão não foi tarefa dificil. Sentia tesão em si. E gemeu de prazer, mordendo os lábios. As pernas vibravam de prazer, os mamilos estavam tesos de prazer. Sentiu-se toda e veio-se. Estava quente, e sabia que não seria fácil adormecer já. Deixou-se ficar a brincar com o corpo, com um dedo malandro a espreitar o outro buraquinho.


Notícias de África


Uma parceria com http://www.acefalos.com/