31 março 2009

Prova de coragem

O instantâneo acima levanta em mim uma dúvida inquieta sobre o que é afinal o Amor? Será uma prova de coragem última, motivada pela necessidade e pelo impulso, ou o sublime condão de tornar a mais temível das feras tão dócil quanto um cachorrinho?...

...ou será que o bicho queria era aliviar-se na primeira criatura que encontrasse?

E-mail que enviei para a Playboy portuguesa

Nada erótico!

A Playboy sempre me acompanhou, desde os tempos em que o meu pai me "emprestava sem saber" alguns exemplares que ele guardava em sítios que só um adolescente fanático pelo MacGiver podia descobrir.
Aplaudo a vossa iniciativa de criar a Playboy portuguesa.
Mas... meus senhores, quase nenhum dos textos escapa a gralhas! Vírgulas fora do sítio e a despropósito, palavras mal escritas, que faltam ou estão a mais, partição de palavras mal feita nas mudanças de linha,...
Só alguns exemplos:
Carta do Editor - "representa mas, profundamente"
Sumário - "delicias"; "celeb-/ridades"
Carta do Director - "Playbou"; "edição de portuguesa"; "nen-/huma"
Connosco - "recon-/hecimento"
Mar de Ar Aqueduto - "edificio"; "(o «Fialho»" - em que não fecham este parêntesis
Dados Curiosos - "De acordo com a BBC hoje andarmos"...
... e por aí fora, que são tantos os erros que o mais difícil é não os ver.
Corrijam isto nas futuras edições, por amor de Eros.

_________________________
Actualização
O e-mail veio devolvido como sendo inexistente. Fiquei a saber que o e-mail que a Playboy tem na ficha técnica da revista não está activo. Contactei a Playboy International e a Playboy portuguesa ainda nem consta na lista deles. Perguntei a quem devia enviar o meu e-mail e deram-me um admin@playboy.com. E lá foi: "I tried to send a message to Playboy Portugal (copy below) using the e-mail address they've included in the technical data of the magazine's first issue: info@playboy.com.pt.
That message is an alert for the mess they did with the text in the majority of the articles, which have lots of errors. Something unacceptable for the level of quality of your brand, I think.
But it returned an error: address inexistent. And in fact the homepage of Playboy Portugal is presently a black page only with the text "Playboy - já nas bancas" at www.playboy.frestacom.us/.
Can you please confirm the correct address of Playboy Portugal?"

Eu Disse que Não!



Visualize

30 março 2009

Mas este gajo não pára?!

Este tal de Paulo Moura apareceu há duas semanas com uma carta ao Correio dos Leitores do jornal «Gazeta das Caldas». No «Expresso» da semana passada saiu um artigo sobre a louça malandra das Caldas em que referiam que "recentemente, um coleccionador de Coimbra sugeriu a criação de um Museu do Erotismo nas Caldas".
E na passada sexta-feira a «Gazeta das Caldas» publicou um extenso artigo com uma reportagem com esse gajo que me anda a imitar e, mais estranho ainda, é indicado como co-autor deste meu blog quando ele - garanto-vos - nunca pôs cá os pés!

“As Caldas da Rainha era a cidade ideal para se criar um Museu do Erotismo”

"Tem a maior colecção de objectos eróticos do país e já propôs ao presidente da Câmara das Caldas cedê-la para integrar o museu português do erotismo, à semelhança do que existe noutro países. A cidade da tradição cerâmica tem condições ímpares para isso, afirma Paulo Moura, gestor, que guarda na sua casa, em Coimbra, um invulgar acervo que merece ser exposto.
“O que para mim é importante é desmistificar todos os tabus e preconceitos ligados ao erotismo e apresentá-lo como algo o mais natural possível”. Paulo Moura, 48 anos, licenciado em Economia, com obra publicada na área da Gestão, é casado, tem duas filhas e até prefere não ser fotografado. Tem um hobby que começou como brincadeira – coleccionar tudo o que tenha a ver com o erotismo, actividade a que se dedica nas horas vagas, a par da participação num blogue de que é co-autor e que se chama “a funda São”.
“Quando estava na tropa trouxeram-me umas ampolas de vidro com uns motivos eróticos no interior, uns bonecos muito perfeitos, uma verdadeira obra de arte, que vim a saber mais tarde que eram de um vidreiro da Marinha Grande que, após o trabalho na fábrica, fazia aquilo em casa”. (Como os caldenses se recordam estes objectos eram fabricados na cidade vidreira para serem vendidos nas Caldas durante a ditadura, uma vez que nesta cidade havia uma espécie de tolerância para este género de actividade.)
Foi este o início de uma colecção que o então aspirante miliciano não imaginava que viesse a somar, anos mais tarde, milhares de artigos entre peças históricas, revistas, livros, cartazes de cinemas, brindes publicitários, relógios, amuletos, artesanato, desenhos originais, mecanismos, amuletos, moedas e até pacotes de açúcar e chávenas de café.
Um espólio amontoado em dois anexos de uma vivenda nos arredores de Coimbra, no qual predominam, naturalmente, as peças em cerâmica. Ex-gestor das Faianças Subtil nas Caldas da Rainha, Paulo Moura, conhece a cidade e engrossou a sua colecção com típico artesanato caldense.
Há dois anos propôs ao presidente da Câmara ceder a sua colecção para um Museu do Erotismo nas Caldas através de um protocolo onde ele próprio pudesse também ter algum grau de envolvimento.
“Vender isto está fora de questão, até porque é uma tarefa sempre inacabada”, diz. “Mas doá-la, cedê-la, emprestá-la, enfim, arranjar uma maneira de a mostrar ao público era algo de que gostaria porque seria o início de um projecto que ainda por cima pode ser rentável”.
O coleccionador já teve uma proposta para fazer algo idêntico em Albufeira, num negócio que beneficiaria do vasto mercado turístico algarvio. “Mas é muito longe e eu não poderia participar... Acho que as Caldas é que era o sítio ideal para expor isto”, reafirma, descartando qualquer intenção de protagonismo. “Assumidamente, o meu único interesse é divulgar a colecção”, diz de forma peremptória.
Paulo Moura concebe este projecto instalado numa casa de habitação no centro das Caldas. “Nada de armazéns e de espaços amplos onde isto se perca. Tem de ter o seu quê de intimista, com salas temáticas, uma biblioteca, uma loja e zonas para fazer exposições temáticas”, refere. Uma das ideias era integrar no museu uma oficina de artesanato que reuniria alguns artesãos, onde estes poderiam trabalhar ao vivo.

Erotismo é o amor pelo sexo

Mas afinal o que é o erotismo? Entre tantos objectos, quais são dignos de figurar num museu?
O coleccionador não gosta da palavra “museu” porque tem associada uma carga pesada, voltada para o passado. Prefere falar numa Colecção ou Exposição do Erotismo. E quanto à definição prefere uma abordagem simples: “Erotismo é o amor pelo sexo; pornografia é o sexo pelo sexo”.
Lapidar. Apesar do seu blogue “a funda São” ter conteúdos que oscilam entre uma coisa e outra pois as fronteiras nem sempre são fáceis de estabelecer.
Em Paulo Moura, o que mais lhe agrada são as inúmeras ramificações a que o tema erotismo se presta e que são bem patentes na sua colecção.
Há o óbvio: as peças de escultura e de artesanato, as estatuetas vindas da Indonésia, Nova Guiné, Venezuela, Índia, Brasil, Tailândia e ...das Caldas. Mas há objectos arqueológicos romanos autênticos e também réplicas. Há peças em marfim, em porcelana, em madeiras nobres e também muita coisa em plástico.
Depois há os livros e revistas. Banda desenhada erótica do séc. XIX, edições de respeitáveis publicações dedicadas ao sexo, há poesia e romances, há abordagens históricas, fotográficas, um sem número de ângulos e formas de abordagem destas temáticas.
Há artigos da Letónia e porcelana russa, frascos de perfume da China, chávenas de café portuguesas. E também velhos películas para ver em Super 8, filmes VHS, imagens a preto e branco em vários suportes.
E descobre-se que há também objectos, cartazes, utensílios do nosso dia a dia aos quais não atribuímos nenhum significado erótico, mas que, aqui, fazem todo o sentido. Afinal, a publicidade e o marketing não têm exactamente como objectivo fomentar o desejo? E quantas mensagens subliminares não estão presentes em inúmeros sacos, posters, embalagens e nos próprios objectos?
Com um valor superior a 200 mil euros, parte desta colecção permanece encaixotada, sendo muitos os objectos e livros que se não vêem.
À espera, talvez, de uma cuidada selecção e catalogação a fim de figurarem num espaço aberto ao público. Nas Caldas da Rainha...?
Carlos Cipriano"

Trompe l'oeil

You can clutch the past so tightly to your chest that it leaves your arms too full to embrace the present.

Videoclip «Demain Matin»

E aí vai - de elevador - mais um (excelente) trabalho do blog Garm's Kiss



LP - "Estes franciús começam bem a semana: casquette, brioche et escargots au chef"
Olho Vivo - "Pois, por cá não dá! Tinha que ser uma rapidinha, entre o subir e descer 20 e tal andares! E se fosse num daqueles elevadores transparentes, virados para a paisagem?"

29 março 2009

Sabes o que eu penso da mudança de hora de Verão e de Inverno? Sabes? Sabes?

Uma história mafiosa


Sempre que lhe dizia fazias melhor em enfiar as flores pelo cu acima ele sentia-se o mais injustiçado dos homens, amachucado no seu orgulho de pessoa de respeito e macho cumpridor com o figurino que lhe ensinaram, não aceitando a minha rejeição sistemática àquelas falecidas hortaliças embonecadas na florista que aliás estão indicadas como método de dominação e apaziguamento das mulheres em todos os manuais pós-neolíticos.

Como o seu tetravô também crescera escudado nos valores de desabafar as suas mágoas com outros que nunca a sua legítima, justificando essa falta de intimidade e de amor como protecção e custava-lhe que lhe ripostasse antes puta, antes puta de 1900 para acolher cumplicemente os desabafos dos gajos do que esposa feita candelabro de decoração ou protegida da Máfia.

Era uma querela velha e farta de ser mobília da sua empresa de sobrevivência mascarada de afecto, despedi-me dizendo-lhe que sempre desejei valer por ser quem era e não pelo favor de ser da família.

John & John - especial Crise


crica para visitares a página John & John de d!o

"O Show do Unas" - Episódio nº 2 (Mamas)

Mais uma sugestão do Álvaro «Moda Foca» que, por acaso, não gosta nada destas coisas...

28 março 2009

"ASAE encerrou uma sex shop em Santarém...

... por se encontrar demasiado próxima do cemitério de Santarém. O estabelecimento carecia de licenciamento por não respeitar a distância legal de 300 metros em relação a locais de culto, e foi fechada no início de Janeiro, poucos dias depois de ter reaberto ao público. A sex shop abriu inicialmente na rua Pedro Santarém, mas já tinha sido visitada e multada pela ASAE por não cumprir a distância em relação a um estabelecimento escolar."
Jornal «o Ribatejo»

É a lei que temos!
____________________________________________
E a malta comenta:
Nelo - "Pois tá claru... us mortos já nam pressizam de seksu e os meninus ainda nam. Ai, AZAI, AZAI..."
São Rosas - "Neste caso, a ASAE deve recear que os enterros perdessem gente antes de chegar ao cemitério..."
Mna. Margarida - "Realmente...
Mas o que eu acho é que os shinhoris da ASAE têm medo que os responsáveis do cemitério se esqueçam dos buracos das campas e comecem a pensar noutros buracos!...
Quanto às criancinhas... Enfim, ainda não têm idade, tadinhas!"
São Rosas - "Haja quem vele pelos mortos... e pelas criancinhas..."
poison - "Há uns anos atrás tentei abrir uma.... tive que desistir da ideia. As regras impostas para tal comercio são de loucos, mas depois vemos papelarias a vender brincadeiras sexuais. Logo, podemos depreender que crianças, beatos e mortos não vão às papelarias."
São Rosas - "É a hipocrisia no seu melhor."
Nelo - "Nam vam há Pampelaria mas podeim vire ter cu o Nelo..."
São Rosas - "Tu também não pode estar a menos de 300 metros de um cemitério."
mateus - "É que a lei impõe que a qualidade do material faça tesão a mortos... e a ASAE desculpou-se com os 300 m, apenas por pudor."
São Rosas - "Ou então foi algum morto que se queixou que aquilo não lhe dava tesão."
Octávio - "A ultima frase diz tudo, é a lei que temos, é o legislador que temos e é o país que temos.
Não é o facto da ASAE fechar a loja, mas sim o facto da loja ter de estar à distância de 300 metros de qualquer escola, igreja, cemitérios (nunca se sabe quando é que os mortos se lembram de ir buscar qualquer coisinha para animar a eternidade) ou qualquer outro lugar de culto, ensino e mais o que houver.
Continua-se a viver numa espécie de censura sexual absurda. Veja-se e relembre-se que, numa reportagem sobre o Magalhães, a preocupação das pessoas era, imagine-se, que os putos procurassem a palavra vagina...
As praias para naturistas têm de estar afastadas, se não estou em erro, pelo menos 500 metros das escolas, locais de culto e afins.
Ora, pessoalmente prefiro que um filho ou filha meus tenham conhecimento do que é o sexo, a nudez e afins, e conseguirem facilmente combaterem qualquer tipo de assédio que lhes seja feito. Mas de facto aquilo que está a acontecer é bloquear informação interessante e até importante, e permitir... violência... pois nunca vi ninguém reclamar de os putos andarem a jogar jogos de violência (existe jogos eróticos) ou de ir à net e pesquisar como fazer uma bomba, etc.
Em relação ao naturismo, por exemplo, comparando com a catolicíssima Espanha, a lei espanhola permite que uma pessoa esteja completamente nua em qualquer praia, até parece a nossa lei...
Está na hora de começar a lutar contra a censura sexual! está na hora de dizer basta!
Pelo caminho que isto está a levar, um dia destes teremos putos de 20 anos, virgens, sem qualquer tipo de conhecimentos sobre a vida sexual, mas no entanto com total conhecimento sobre como fazer qualquer tipo de bombas e uso de armas, pois enquanto se preocupam em bloquear o sexo, esquecem-se de algo muito mais importante, bloquear a violência.
Nota-se bem isso nos EUA: com tanta censura sobre o sexo, erotismo e mais outras coisas educativas, as pessoas matam-se umas às outras."
E o Poison remata com extrema eficácia:
"... estava aqui a pensar... e se declarássemos o sexo como uma doutrina de culto? Assim poderíamos mandar a ASAE fechar igrejas, cemitérios e outros locais por não cumprirem a regra de 300 metros de um sex shop!"

«Sensual idade» - Pedro Barroso

Confesso que sempre achei Pedro Barroso um cantor com uma sonoridade repetitiva, um pouco como me acontece com Mafalda Veiga: quando ouço uma canção nova soa-me a mais do mesmo. Não tenho por isso acompanhado a sua discografia, que já vai longa. Mas agora reaproximei-me, com o seu mais recente CD, «Sensual Idade», vá-se lá saber porquê...


Alerta Pedro Barroso na capa interior do CD:
"Se ensinou os seus filhos a acreditar que os bebés são entregues por cegonhas, esqueça. A avó da província que já só reza o terço deve ser também carinhosamente afastada da sala durante a audição de alguns temas de lubricidade mais explícita."
Mas é bluff, pois qualquer tema pode ser ouvido - e eu recomendo - por meninos do coro e ratas de sacristia. Só lhes faria bem. É uma ode ao erotismo como eu gosto, abrangendo tudo o que apetece desfrutar, amar e viver, como "aquele presunto de Chaves e o tal Serra amanteigado. Pão e vinho alentejanos, por favor". Tenho que manifestar a minha opinião, no entanto, em relação às letras de algumas músicas:
Na faixa 10 - «homem» - "Homem que é homem, só é homem (...) Masculino à partida e à chegada" - Muito marialva mas pelo meio, pelos vistos, ele tolera que se faça uma derivação feminina...
Na faixa 11 - «Carnaval» - chama estupidez de várias formas ao "Sr. Silva" que faz de travesti no carnaval da Mealhada. E cinicamente decreta "que saiam todos os Silvas do armário". Mais uma vez, homem que é homem, para Pedro Barroso, não se pode vestir de mulher, nem por diversão. Mesmo que seja no Carnaval, em que "tudo se desculpa; bovinamente tudo!"
Na faixa 12 - «as amazonas» - canta os amores sáficos com a participação de Lara Li (excelente escolha). Aqui, adorei o verso num refrão repetido até à minha exaustão: "Bebi ouro da tua fonte". Estará o Pedro Barroso a descrever de forma poética a «chuva dourada»?

Fica aqui um excerto de «o sexo comanda a vida»:


"(...) E desculpa-me Gedeão
homem maior, prefessor.
há momentos em que creio
que mais que o sonho e o valor
mais que o talento ou a dor
mais que a vida acontecida
mais mesmo que o próprio amor
mérito, glória ou louvor
tem dias, secretos dias
tem horas, secretas horas
momentos acres, desejos
em que nos vem um ardor
uma razão cá de dentro
mais forte que o pensamento
soprando mais do que o vento
na montanha mais subida.
Nesses momentos sabemos,
neste modo em que vivemos,
que o sexo comanda a vida (...)"

Com esta deixaste-me molhadinha, Pedro Barroso... hmmm... só te peço que fique sempre eu por cima.

Sexo à Salvador Dali



Videoclip baseado na música «Invaders of the Heart» de Jah Wobble



Mais um (sempre excelente) trabalho do blog Garm's Kiss

27 março 2009

Não basta ter tomates...

Retrato histórico obtido pela digitalização de uma iluminura elaborada nas costas de um envelope da conta da electricidade.

De acordo com esta notícia/revelação bombástica que acaba de chegar à Redacção, o Almançor derrotou Afonso Henriques porque este, apesar de ter efectivamente tomates, não os tinha no sítio certo. Trata-se de uma notícia estrondosa que promete fazer correr muita tinta... Para já há monárquicos em polvorosa!

O meu agradecimento ao Luís pela dica.

Hoje sairia a primeira revista Playboy portuguesa...

... mas o gajo do quiosque mostrou-me um comunicado que adia para amanhã o lançamento. Dizem que a capa vai ser da Mónica Sofia (booooaaaa!) e a primeira playmate será a Rute Penedo.

O Henrique Monteiro antecipa a capa:



HenriCartoon


"Algumas frases usadas em diálogos adultos na internet podem originar brincadeiras com o fogo."

O Que Passou I, II e III - Herétules

25 março 2009

O desejo de marisco


Não lhe podia dizer que ele era para mim uma tigela de sopa, tanto mais que não há necessidade de aumentar a ninguém a frustração impressa em cada dia que passa pelas condições sociais e económicas. Era desumano confessar-lhe que era o meu caldo verde por na prática usar o seu chouriço para alegrar a sopa embora o deglutisse a sonhar com caldo de marisco.

Ah, aquele lavagante que absorvia o tempo e o espaço de forma que mesmo no meio multidão a sua voz era uma bolha onde todas as pessoas eram bonitas, todas as ideias eram concretizáveis e dava gosto estar viva como se existisse o paraíso na terra. Depois de se trincar a maçã, bem entendido que seria pouco ecológico desperdiçar o prazer do sexo que a natureza nos oferece desde a origem.

Não o podia magoar nem antes nem depois de trocarmos de pernas e de braços em desvario fazendo das nossas peles adesivo para a ferida das restantes amarguras da vida tanto mais que o carinho com que me desenhava a boca a dedo era mais que o simples rebentar das condutas seminais e não lhe disse que a música do meu Falópio se contentava com uma trivial tigela de caldo verde desde que em alguns dias tivesse marisco.

Às costas



Alfredo Grondo White


O Nelo está sempre atento às alterações climatéricas... em especial quando se trata de covas:
"Olha... a melhér tá doida e açim. Anda com uma cova hás coshtas? À goshtos pra tudo...
A nam çer... quele vá deitá-la no licho e çe fôre açim, ei uma bôa edeia...
- Pishti... ó pishti, tu melhér de cováscoshtas! Psihti, nam tás a ôviri? Iscute melhér, nam dêites iço no caichote da requislajem, nam vá algueim requislar iço çeim crer e currer o riscu de intrar novamenti na sirculasão....
Deita iço mejmo nu licho orgâmicu, beim lá no fundu...

Lola dança Mambo Italiano em «Monella» de Tinto Brass

24 março 2009

A mulher do Zé Manita, o Orelhas de Podengo.

Por Zecatramelica

... Aquilo depois de lavado e limpo fica tal e qual...

Mas ó Ana Maria Moleira!
Mó de quê é que eu semeei as ervilhas?
Foi para te andarem a servir de esteira?
É que o mano Manél Morais
e os outros marmanjos mais
dão-me cabo dos legumes!
Ora porra para tais costumes!
Vão chumbar prós seus quentais!

(popular Alentejano, zona de Aljustrel)

Atão, cabraganem! Pra quem nã me conhece, sou o Zecatramelica o Vintesete e vivo da criação de gado aqui no Alentejo profundo algures entre Castro Verde e Mértola.
Gosto de vir aqui de vez em quando contar umas partes antigas ou mais recentes cá das minhas bandas.
Agora que arrebentaram aí uns diazinhos mais quentotes, é ver a marmanjada toda a passar a caminho do Algarve. A maioria mete-se na auto-estrada e quase já nem sabe do resto do País nem a porra, tirando uns quantos que ainda se astrevem a dar a volta pelo interior mais profundo.
Lá vai um, quando bem não, que se mete nas estradinhas secundárias, dá de vaia a um homem à beira da estrada e pára para matar a sede.
E foi mesmo um macaco desses que fez o Zé Manita, orelhas de podengo, a ficar com o feitio dum cabrão que ele tem agora.
Já é sabido que a cabranagem de Lisboa e do Norte gosta de se meter com os Alentejanos. Ele é as anedotas, ele é pararem a fazer magação com o pessoal, mó da gente ter assim um feitio brando e gostar de fumar um cigarrote desses que a gente enrola ao fim da tarde, ali à soleira da porta a ver o pôr do Sol enquanto o tempo nã passa.
De vez em quando chumbam-se, como daquela vez em estavam a mangar com um compadre e vá de meterem-se com ele e a rirem dele, e quando no fim se foram embora e lhe perguntaram o nome, ele respondeu que se chamava o "pau nas nalgas" e assim que chegassem a Lisboa poderiam dizer lá ao pessoal, que tendo estado no Alentejo, tinham passado o dia metido com o pau nas nalgas...
Bem mas nã foi este o caso com a mulher do Zé Manita, o tasqueiro, orelhas de podengo. Primeiro é preciso dizer que ele apareceu com ela ninguém sabe bem daonde, nã se sabe se de Almodôvar, de Beja ou lá de que bandas.
Devo dizer a bem da verdade, que nã sei bem porqueim ei que o orelhas de podengo tem tantos ciúmes, ele que nem consegue ver as unhas dos pézes quando está de pé. E digo isto dos ciúmes dele por três razões:
À uma: Aquilo é mulher a mais para ele, um desperdício. O bicho quando encosta a barriga ao balcão fica quase a um metro dele!
À outra: Um homem solteiro como eu, também tem direito a enterrar o vinte sete. Sou solteiro nã porque nã goste de mulher. Gosto e muito, mas gosto de todas, tão a ver?
À terceira: Aquilo depois de lavado e limpo fica tal e qual e até é das coisas que ficam melhores com o uso e nã se gastam.
Bom, mas como ia dizendo, o cabrão apareceu no monte com ela, e com o dinheiro duma herança e da venda duma propriedadezita que era duma tia, montou o tasco junto à estrada e começou a governar a vida. Tá claro que o pessoal dos montes ali à volta, sabendo que havia por ali um palminho novo, deu em aparecer e a fazer movimento até que houve um que vindo de fora a reconheceu e que falou baixinho aos outros: - A bicha era cambalhoteira e ele já a tinha visto ali para as bandas do "não me alembro agora bem" e mais isto e aquilo. -Bom, a palavra espalha-se e o tasco passa de tasco a Café de estrada mantendo o tasco da parte de trás e o Zé Manita a encher-se de arame. Ela aparecia uma horita ao fim da tarde para ajudar nos petiscos e era um lustro aos olhos. Mas tá claro que nã me adiantava com a senhora até porque uma coisa é as conversas e outra coisa é a outra coisa e a lidação era ali só um bom dia, boa tarde, e com Orelhas ciumento sempre ao pé e a mancar, tínhamos avondo com poucas conversas.
Mas um belo dia um viajante de roupinha feita para mulheres, e que ia para Mértola, parou para beber uma cerveja e olhou para ela. Ela olhou para ele, ele olhou para ela, ela foi ao balcão e eu que estava lá nessa ocasião, vi como os lábios se mexeram no instantinho de nada que foi o levantar da garrafa e do copo.
Nessa tarde, já nem me alembrava dessa parte no tasco, meti-me na minha fragoneta porque tinha de ir ao Grémio da Lavoura ali a Beja mó duns atavios pró gado. Estacionei a fragoneta, saí, e quando bem não, dei de caras com ela e com o marmanjo de mãos dadas. Digo cá pra mim: - Aghhhh Zeca,.. que sempre bate certa a conversa do fulano sonterdia lá no tasco. E lá tá o que eles disseram num nada ali ao balcão! -
Ela mal me viu, disfarçou tirando a mão, e disse-me que era um amigo de longa data. Depois baixinho quase ao ouvido disse-me para não dizer nada lá no monte, que ela tinha dito ao marido que tinha vindo ver a Mãe, com quem ele não se dava, e que depois logo falava comigo.
E falou comigo sim senhora. Sempre longe do monte.
Das conversas que tivemos eu nã digo nada porque um homem que é homem come e cala, mas lá que os orelhas de podengo começou a ver alguma coisa nos olhos da mulher quando eu lá estava, lá isso deve ter visto porque ela deixou de aparecer no tasco e o orelhas, um cabrão desconfiado daqueles, a ficar de tirão-virão comigo...

José Carlos Trambolica
(Zeca Tramelica: O Vintesete)

É barato, ó freguesa!



photo.net

«Monella» de Tinto Brass

23 março 2009

Força na verga, senhor Francisco Agostinho!

No passado sábado, o «Expresso» publicou um artigo sobre a louça malandra das Caldas, com destaque para o senhor Francisco Agostinho, cuja oficina visitámos no 10º Encontra-a-Funda. Na altura, cantámos-lhe um fado da autoria do Charlie, que posteriormente foi ilustrado pelo Raim: «a lenda oculta das Caldas e o Chico das Piças». Oferecemos-lhe ainda um desenho emoldurado feito pelo mestre Raim.
O título da notícia é «o fim da louça malandra». Espero que se enganem, caralho!


O recorte da notícia está aqui.
Entretanto, houve um detalhe lá que chamou especial atenção (bem hajas, Charlie):

Quem será aquele "coleccionador de Coimbra"?!

Preservativos só em casos extremos

A Didas indignou-se com o Bispo de Cabinda:
"Que as tentativas do Papa para defender que o preservativo não deve ser usado como forma de combater a SIDA estão a ser uma verdadeira comédia, já sabíamos. É tão ridículo que nem os católicos conseguem defender a ideia com alguma convicção. Mas o prémio vai mesmo para o Bispo de Cabinda, a titubear qualquer coisa sobre usar preservativos só em casos extremos. Vamos tentar especificar: O que são casos extremos neste contexto? Oh Sr. Filomeno, explique lá que a gente não entende."

Nem parece teu, Didas, mas entendeste tudo mal. Ele falou em italiano: "cazzo extremo". Cazzo é... o... coiso (pesquisa "cazzo" nas imagens do Google e logo vês). E lá pelas áfricas é sabido que eles têm um coiso enorme. Mas isso para eles é normal. Se der a volta de forma a correr o risco de se enfiar no próprio cu, é de tamanho extremo. Nesse "cazzo extremo", a igreja aceita que o gajo use preservativo.

"Quando o meu marido me massaja...


... o que eu prefiro é..."

Um momento a desfrutar... pela Évelyne Louvre -Blondeau

22 março 2009

Mamoca nacional contra a crise


A custar pouco mais que um maço tabaco, menos cinco cêntimos que 4 euros, vai estar nas bancas já na sexta-feira dia 27, a edição portuguesa da Playboy com exclusivos de mamocas portuguesas e femininos traseiros nacionais.

Numa altura em que a crise faz os portugueses andarem de bolsos vazios esta revista vem combater a crise sugerindo que se tire as mãos dos bolsos e se combata activamente a depressão. As televisões insistem nas reportagens sobre o stress e o desemprego como factores de diminuição da libido dos portugueses e do aumento do cansaço e desmotivação para qualquer exercício físico mas a Playboy portuguesa ao investir na ginástica das vistas vem contrariar o clima de crise e contribuir decisivamente para o treino das mãos e dos dedos para potenciar a alegria nacional.

Nesta ocasião, como aqui há atrasado aconteceu com a FHM ou a Maxmen, só se lamenta que nenhuma editora lance uma Playgirl nacional com esbeltos playmates portugueses aproveitando o nicho de mercado constituído por mais de 50% da população portuguesa.


[Foto: Ricardo Claudino- almadense, 1,85 de altura, 80 de cintura, camisa 38, casaco 50, perna 83, sapatos 42, olhos esverdeados e cabelos castanhos- para a colecção de lingerie de Miguel Vieira]

O tamanho do hamburguer conta

John & John - Especial prima Vera


crica para visitares a página John & John de d!o

20 março 2009

Lá como cá

Um estudo na Alemanha revelou as 10 profissões menos eróticas:

> criador de gado
> técnico de tratamento de esgotos
> cobrador
> funcionário de sex-shop
> funcionário das finanças
> oficial de diligências
> funcionário da recolha do lixo
> agente funerário
> açougueiro
> professor

Notícia de DW-World.de

E que tal esta primeira edição...

... de «Aphrodite» de Pierre Louys, editado por Les Éditions du Mercure de France em 1896?
É um romance erótico que conta os amores entre um escultor e o seu modelo, na Grécia antiga.

videoclip «Knole House»

Um minete de se lhe tirar... a língua... hmmm...



E outro (excelente) trabalho do blog Garm's Kiss

LP - "Amazing
Tens bom gosto moça.
Foi dos melhores cunnilingus que vi."

19 março 2009

Viva a malta do Arraial Pride

A lady.bugaqui marcou na nossa agenda o Arraial Pride no dia 27 de Junho, em Belém (não o do presépio mas o de Lisboa). Em princípio, aproveitaremos esse evento para fazermos o nosso 11º Encontra-a-Funda.

O blog do Arraial Pride ajuda-nos a manter-nos a par das novidades e o «Oh! Gina», fanzine heterogaylesbiantrans de distribuição gratuita a quem lhes pedir, transmite-nos o espírito saudavelmente louco desta malta. Ficam a saber, por exemplo, que vai haver "Gay Games no Arraial - lançamento da pochete, arremesso da tairoca ao Papa e 100 m salto alto".

Frente e verso (digo, retro) do nº1:


Frente e verso (com calendário de reboques) do nº2:

Hummm...





"Mais uma vez, o jovem Artur vai desembainhar com facilidade."