30 setembro 2010

Discriminação... positiva?

É na pacata aldeia de Cucugnan, no sopé do monte que ostenta o Castelo de Quéribus, no sul de França, que a solução para o estacionamento tomou caminhos tão…criativos...

...

Dezenas de clientes por noite. Não sei quantas dezenas mas são muitas. Todas as noites são diferentes. Todos os clientes são diferentes. Mas todos levam um sorriso. Mesmo quando não ficam satisfeitos com o serviço e me chamam incompetente e outros impropérios. Até gosto quando dão luta. Quando não se ficam apenas pelas palavras doces. Quando tentam levar-me ao limite. Sinto os níveis de adrenalina subir. Sinto-me espicaçada e sinto-me bem com isso. Muitos têm nome mas nenhum tem rosto. Alguns não querem pagar outros dizem que é muito caro. Mas a maioria sabe o quanto paga assim que me apresento. Quando me perguntam não sei responder se gosto ou se é demasiado desgastante. Limito-me apenas a sorrir e responder interiormente que esta não é a minha profissão, é apenas o meu trabalho.

Foto: Melanie Rodriguez

Pediu ao homem que lhe desse um título

Pediu ao homem que lhe desse um título. Um qualquer, uma só palavra bastaria. Qual? Não importa, de um princípio tudo escreveria. Gostava que assim fosse, um caminho que iniciava de um ponto alheio, desconhecido, inesperado. Pediu ao homem que lhe desse um título, assim, de mãos estendidas, de olhos fechados, como uma boneca que espera um nome, que pede um nome para se sentir gente, para abrir os olhos e começar. Por que início me hás-de começar, homem, por que nome me hás-de animar? Não sei, que importa? Viro-me para todos os lados e os trapos começam a rasgar; tenho que me apressar, homem, tenho que me apressar; é assim que acontece a quem habita um corpo como o meu, se não começo a caminhar em breve nem conseguirei sair daqui, o que me enche vai caindo no chão e, quando estiver vazia, cairei eu. Viro-me para todos os lados, sei que me estou a rasgar. Homem?

69 em cima dele

Medidas de austeridade



HenriCartoon

29 setembro 2010

«O pecado original» - por Rui Felício


A História de Adão e Eva (ou as razões por que nunca compreendi esta história...)
As dúvidas que a seguir exponho não são condicionadas pelo facto de sermos crentes, agnósticos ou ateus. Não é isso que está em causa, mas tão só a análise dos livros sagrados que, queira-se ou não, influenciaram e influenciam, para o bem e para o mal, as civilizações deste mundo.
Adão e Eva, segundo os livros sagrados do judaísmo, do islamismo e do cristianismo, foram a suprema obra de Deus que, ao sexto dia, com eles culminou a sua criação do mundo. Únicos seres a quem concedeu uma alma.
Colocou-os no Paraíso, onde lhes prometeu uma vida eterna, feliz e livre de todas as agruras, dificuldades e sofrimento.
Apesar de serem insondáveis os desígnios divinos, não compreendo que a criação de Adão e Eva como seres perfeitos, imunes e desconhecedores do pecado e da maldade, tenha ficado sujeita a um teste, para mim inexplicável, que consistiu no cumprimento escrupuloso da proibição de tocarem ou de se servirem dos frutos da árvore da ciência, continente da percepção e conhecimento dos conceitos do bem e do mal.
De facto, Deus é caracterizado em todos os livros sagrados como um ser infinitamente perfeito, omnipotente, misericordioso e bom. Poderia portanto, se quisesse, ter mantido o homem e a mulher eternamente perfeitos, sem necessidade de os sujeitar a qualquer teste.
Porque lhes proibiu então o acesso à árvore da ciência? Ameaçando-os com a morte e o sofrimento em caso de desobediência? No seu infinito poder, poderia ter inibido as suas dilectas criaturas de se arriscarem a tal teste. Poderia ter-lhes permitido serem sempre felizes e desconhecedores do mal. Porque não o fez?
E, na sua infinita misericórdia, porque não lhes perdoou o pecado cometido?
Faz-nos pensar que Deus não queria realmente que Adão e Eva vivessem eternamente no Paraíso.
Mas se assim foi, porque lhes mostrou o Eden?
Omnipotente como era, porque não os colocou logo na terra do sofrimento e do pecado, se essa era a sua vontade, como parece?
A tal árvore, uma macieira, segundo se fez constar ao longo de milénios, deveria ter sido, em minha opinião e mais apropriadamente, uma bananeira. Sim, porque foi uma verdadeira casca de banana aquilo que Deus colocou à frente de Adão e Eva!
.....................
Mas o que mais me espanta nesta história é o papel do Adão. Quando questionado severamente por Deus sobre se tinha comido o fruto proibido, em vez de confessar a sua desobediência, procurou logo um bode expiatório a quem tentou endossar a sua responsabilidade. Ou seja, em lugar de assumir galhardamente o alegado pecado, desculpou-se dizendo que foi ela, a Eva, quem lhe deu a maçã a comer.
Parece que o estou a ver com ar ingénuo a dizer a Deus:
- Eu não tive culpa! Foi ela!
Típico de tantos e tantos homens actuais, afinal!
É por isso que, como homem, me envergonho do Adão!
É por isso que, sendo homem, admiro a Eva que não refreou o seu impulso de legítima curiosidade.
E que assumiu o que fez sem procurar culpar o fraco Adão!

Rui Felício
Blog «Encontro de Gerações do Bairro Norton de Matos»

Eco simples

Um instante de areia passa-me entre dedos.

Eu, tão pequena, tão quieta, que posso eu fazer?
Apenas deixar cair, silencioso, esse grão que um dia te vi no olhar. E o agora, o agora tão vazio.
Mas, ontem, ontem aqui ficou,
a morar, escondido, entre os meus dedos, nas minhas mãos de pele tua, nos meus olhares de pedidos simples, no eclipse que já foste tu, entre os meus braços.
Lá fora, o vento e o lago continuam. Só um silêncio de ternura se perdeu, só um caminho tacteado em ti, na tua cor, nos teus ombros. Mas o mapa, o mapa ficou; a memória de ti, aos meus dedos, é uma ardósia, olha as manchas de giz; a memória de ti, aos meus medos, é um grito, olha os rasgões do eco.
Descobrimos a eternidade nas despedidas. Tantas palavras, tantas vezes e tudo o que dizemos - afinal - é adeus.

Dãããã...


A expressão universal masculina.

Capinaremos.com

28 setembro 2010

A desculpa mais esfarrapada do mundo

"Não temos nada que ver um com o outro, desculpa."

Ouviu-se a proferir a desculpa mais esfarrapada do mundo.
Aquela que camufla todas as verdadeiras razões - as miudinhas, as neuróticas, as que de facto a enlouquecem: a mania de usar calças um número acima, de falar por cima dela, de achar que tem um cabelo Panténe, de não lhe telefonar mal acorda, de não estar apaixonado pelos amigos dela, de não a deixar em paz, de desaparecer ser avisar, de ter a mania que a conhece (a sobranceria de nem lhe ler o blogue...), de lavar as mãos sempre que mexe num bicho.

Sabia que estava a dar-lhe a desculpa mais vaga e, por isso, menos aceitável que há para dar.
E tinha a certeza que, de todas, seria a que ele preferia ouvir.

Círculo

As palavras já disseram
da paixão, amor;
da saudade, vida e formaram um círculo.

São lindas as palavras que não magoam
e feias as que ferem.
Elas já tudo disseram:
o poema incompleto
- talvez –,
num pedaço de uma pauta inexistente.

Poesia de Paula Raposo

A magia da mulher ninja: as bolhas vaginais do Inferno!

As coisas que o Fin descobre!...



Ao Bartolomeu palpita-lhe que "se trata da nova fórmula do Dystron, ou a chinoca lavou a grêta com skip-máquina... para evitar a formação de calcário"

27 setembro 2010

A minha fome

A minha fome
É a minha carne na tua boca
Come-me!
Come-me leão!
Engole o meu desejo
Afunda a tua sede em mim
Afunda-te na minha fome
E chora! Chora leão!
Hei-de te rasgar de prazer
Por te teres em mim
E na minha boca
A tua grande fome
Saciando a minha
Quente como o meu sangue
Chora! Chora, leão!

Poesia de Libélula Purpurina

Carta ao Viajante

Fica-me sempre a pergunta: quererás tu amar ou quererás tu o medo?

Leio-te atentamente, cuidadosamente; gosto. Como tu, eu também sou viajante; tu visitas cidades e eu visito pessoas: cada pessoa é um Mundo. Um Mundo-Casa. Todos os dias me abrem portas ou janelas; sabes, há pessoas que são castelos e outras que apenas têm hall de entrada; há pessoas que apenas mostram uma divisão e outras que me guiam até aos alicerces; há pessoas que me guardam mas não fecham as janelas para que possa sair quando sentir a hora ou a vontade - já fiz visitas em que acabei trancada, presa como um bicho de estimação: pode ser perigoso visitar pessoas! Há visitas que se repetem, há visitas únicas, há visitas mais curtas que outras, há visitas intermináveis; todas são uma viagem nova, acredita.

Fico sempre aqui, tu percorres quilómetros mas nem sei qual de nós viaja mais longe. Sei que me deixas viajar um pouco em ti e agradeço-te a viagem, meu Mundo cheio de pequenos mundos, cheio. Sim, continuo a ler-te.


Novos ares


Alexandre Affonso - nadaver.com

26 setembro 2010

Ministro das Finanças Suíço fala sobre Portugal

Partilhado pela Joana Azevedo no Facebook:

Sophia: conto do lago

Poderias ser lago. Eu teria água em mim. Vejo-te na folha que cai e guardo-a na minha mão. Poderias ser vazio e eu saberia nada ser. Vejo-te no vento que sopra um toque de dedos nas minhas costas. Poderias ser revolta e eu saberia serenar. Poderias ser o olhar daquele bicho perdido, manso, de ferida na pata; eu saberia encontrar, eu saberia curar. Vejo-te na areia quente, gosto de te sentir mesmo que escorras, talvez numa ampulheta, talvez nas minhas palmas. Em tempos fui uma lavadeira, parece-me que cantei o teu nome e depois o bordei na roupa fresca e branca, bordei-o de cheiro a sabão. E agora que não sei quem és, como ou quando saberei quem ser?

«Espermograma» - por Rui Felício

O Sr. Silva tinha atingido os 70 anos de idade há pouco tempo.
Submeteu-se a uma série de exames médicos, análises ao sangue, radiografias. Enfim, a um check-up geral que a sua idade aconselhava e que o médico lhe mandou fazer.
Faltava apenas fazer uma análise ao sémen.
Como o médico lhe tinha dito, foi à farmácia e comprou um frasco apropriado para a recolha.
Já em casa, usou a mão direita, depois a esquerda, até as duas ao mesmo tempo.
Exausto, sem nada conseguir, pediu ajuda à mulher.
Ela usou as mãos, suavemente ao princípio, a seguir mais firmemente, depois com força, chegou a tentar até com a boca, mas sem sucesso.
Pediram apoio à vizinha, mulher experiente, que tudo fez, com as mãos, com a boca, chegou a usar as pernas como tenaz, mas igualmente sem resultado.
Lembraram-se da jovem e bela filha da vizinha que, embora constrangida, acedeu a também ela tentar ajudar. Mas nada!...
O septuagenário, conformado, desistiu de novas tentativas e dirigiu-se à farmácia, pedindo à empregada para lhe arranjar outro frasco porque àquele que ele tinha levado, ninguém lhe conseguia abrir a tampa.

Rui Felício
Blog «Encontro de Gerações do Bairro Norton de Matos»

«Quintas Intenções»

Ficção - Director: Maurício Rizzo - 2008 - Duração: 10 minutos

Neco e Vera, amigos da época de faculdade, reencontram-se numa livraria e não conseguem dialogar com a mesma naturalidade de antes. À medida que o tempo passa, o espectador percebe que nem sempre o que é dito entre eles condiz com o que, de facto, estão a pensar.




Link directo para o filme aqui.

Efeitos secundários


crica para visitares a página John & John de d!o

25 setembro 2010

Virgens

Eram as palavras ainda por usar
Que se espalhavam
Tais estrelinhas de enfeitar
E as cores das palavras
Eram subtis e cintilantes
Não eram ainda usadas
E escreviam-se pela primeira vez
No início do fogo de artifício
E as palavras fugiam no estrondo
De nunca terem sido usadas
E eram ditas num bulício
Confuso de virgindade.

Poesia de Paula Raposo


_______________________________________
E o Bartolomeu não resiste a oder:

"Ah, a virgindade que me roubaste,
Paula
Quando naquela tarde me puxaste
para dentro da sala de aula
E de um puxão, me atiraste,
para longe, a mala
E já louca de tesão, me arrancaste
da môna, o boné de pala
E numa fúria as calças me rasgaste
Para conseguires tirá-la
E de tão sôfrega te engasgaste
quando te chegou à garganta... a tola!
E, desastrada, não cuidaste
De ver, se me tinhas partido a mola
E nem sequer reparaste
Que depois, andei 2 semanas, sem poder jogar à bola!
Paula... dolce Paola"

Perversa


[ao Jota]

Perversas as frases escritas em mim, nas queimadas do meu acaso, nas fúrias das minhas raízes sexuais, primárias, onde os incêndios são vida, flamejante, e em mim se ateiam... nos ateiam... te ateiam... no nu, no poema, que geme e oculta a seiva, que dentro em mim, boceja no calor dos laços negros atados.
Deitada no teu dia a púbis, lateja. Pelos versos, os órgãos em silêncio, onde a carne se distrai vinda de um ponto fogoso. Intensa, com os seus grande dedos. No perder desfavorecido de inocentes, segredos.
Num sorriso te abres, mudo e inebriado, ditoso, perplexo, horizontal. Firme. Imperativo. Caças-me nos quadris húmidos, volumosos, ferozmente, com a tua, nua, flecha alta.
Dói-me o ar fresco, a cada afastamento, arde-me cada voo teu, incerto e fugaz, dento das minhas poesias. O ribombar, a violência,a leveza... e a brancura é ameaçada a cada vergada. Perversa, na paixão devorante, tão forte, tão pura, tão viva, no meu vibrante fôlego, mão a mão, boca a boca, nos raios de um orgasmo, que te ceifam o caule,

onde o pau perde o ouro, duro!

[Blog Vermelho Canalha]

BFF - alerta para a violência doméstica

Video da BFF - Bundesverband Frauenberatungsstellen und Frauennotrufe (o João Pais explicou-nos o que quer dizer - «Agência estatal para aconselhamento e emergências de mulheres» - e assim evitei ir ao Google Translator):
"Milhares de mulheres caem todos os dias em escadas. Acreditas mesmo nisso?"

Ainda é o que vai safando os homens...



Pele de cobra


1 página

oglaf.com

Desacordo de cavalheiros



HenriCartoon

24 setembro 2010

Mora aqui!


Foto: Epentesis

É aqui que tudo começa. Aqui te peço que mores. Mora aqui. Bem aqui no meu pescoço. Percorre-o. Arrepia-me e repousa. Afunda-te bem aqui. Enrola com firmeza os meus cabelos nas tuas mãos e mergulha no meu pescoço fazendo-me submergir num mar vasto de sensações que nunca antes conheci. Aqui, neste pequeno espaço de pele habita um baú de sensibilidades que me elevam e afastam da realidade concentrando-me apenas no prazer. Gosto deste pequeno lugar. Tem charme na sua curvatura e esconde um íntimo nevrálgico. É fascinante e seduz-me e seguro-o nas minhas mãos quando beijo e abraço.
Mora aqui.

Do novo

Deixar que alguém que não fazia parte de nós nos entre pela vida adentro é uma maçada, um desafio, uma canseira.
Contar estórias e desfiar factos por vezes demais repetidos como se fossem novidade é estranho, é violento, é algo que dispensaríamos.
Permitir que nos desvendem, que nos leiam, que saibam de nós mais do que queremos dar a conhecer (a bicharada, o método de alinhar livros nas estantes, a decoração da faiança, as Ugg Boots) é aterrorizador.
Verificar que alguém que não conhecíamos bem constitui todo um mundo de coisas novas a descobrir faz-me encolher no casulo, sem que me apeteça sair de lá e, concomitantemente, obriga-me a pôr a cabeça de fora, porque a curiosidade há-de matar-me.

Deixar que alguém que não fazia parte de nós nos entre pela vida, pela casa, pelo modo de estar adentro é algo que me atemoriza. E, no entanto, as borboletas no estômago dizem-me que não me fará mal de maior.

segurança no metro


dizia O’Neil «vá de metro»
para que o povo instruído
lá fosse sem mais tardança
na verdade o «vade retro»
também faria sentido
e dá outra segurança…



A Nissan tem um Pixo pequenino



Nissan Pixo?! Seria mais correcto chamarem-lhe Nissan Pirilauzito...
Acho que vou escrever para a Nissan para lhes perguntar se não têm um Pixo grande.

Devaneios ao sol


_________________________________
Legenda do Bartolomeu:

"Na «tola» um chapéu de palha
Os joelhos na terra seca
Gritaste: - Oh, Deus me valha!
Encava-me na «perereca»!

De lado, depois por trás
De frente, à missionário
Ofereceste-me o cabaz
E eu... ofereci-te o paio

Queimava-nos a soalheira
Escorria-nos o suor
Lambia-te a pintelheira
E tu, chamavas-me amor.

E felizes e contentes
Demos duas, sem parar
Quando te doeram os dentes
Pediste-me para t'enrabar

Depois, chegou a noitinha
E com ela o luar
Demos mais uma fodinha
Antes de irmos deitar

Fomos p'ró quarto a correr
Tropeçámos no tapete
- Anda cá... vou-te foder
Ou vou fazer-te um minete

Louca, louca de paixão
De joelhos, bem aberta
Pediste-me o tesão
Do meu caralho, alerta

E já nascera o sol
E nós ainda a foder
Quando afastaste o lençol
E sorrindo me disseste:
- Agora vou-te comer.
E sete fodas me deste!
(1,2,3,4,5,6,7)"

23 setembro 2010



Estou zangada. Contigo. Porque sim. Porque agora que me traíste tudo em mim é mais difícil. Sorrir-te com olhos e corpo e boca como eu fazia. Beijar-te como se a minha língua tivesse nascido para a tua boca. Falar-te baixinho no suor da cama. Vir-me contigo, de olhos abertos. Deixar as palavras escorrerem como escorre em nós a água, ainda juntos no banho. Olhar para dentro dos teus olhos e ver como escurecem com a paixão e a tesão. Pôr-me bonita para ti. Saltar para o teu abraço sem medo de cair. Dizer-te que te amo. Acreditar quando dizes que me amas. Serenar quando chegas. Fazer planos para o dia seguinte. Mostrar-me. Dar-me inteira quando a tua boca engole o meu corpo. Dar-me inteira quando a minha boca engole o teu corpo. Deixar de estar zangada.

Medeia - [Infidelidades]

Postalinho da São Patrício...

... dedicado especialmente ao Carlos Car(v)alho:

No win situation

Se mentimos sentem-se defraudadas, se dizemos a verdade ficam desencantadas.

Shark
_______________________
A malta palpita (ou seja, dá palpites... ou serão palpitos?!):

Medeia: "Também devia ser um exercício giro, para quem tivesse tempo, enumerar as «no win situations» em que eles nos colocam..."
muse: "Assim são as gajas... mas os gajos também têm as suas:
Se dizemos não sentem-se atraídos, se dizemos sim perde a piada."

joao: "Quantas vezes um gajo tem de mostrar desinteressse para ter algo? Se for directo ao assunto terá poucas chances."
kikas: "Tudo isso seria irrelevante se os homens dissessem o que sentem e não o que as mulheres gostam de ouvir. E como se caça mais depressa um mentiroso que um coxo... as gajas inteligentes optam por se fazerem passar por idiotas perante os idiotas que pensam ser inteligentes."
Pandora: "É isso mesmo!"
Bartolomeu: "Não se preocupem... com mentiras e com verdades, o mundo vai continuar a girar e, por conseguinte, gajos e gajas vão continuar a sentir-se atraídos. A merda toda vai ser quando a inclinação do eixo da terra se alterar e a eclíptica deixar de ser tangente à linha dos trópicos, originando uma alteração climatérica que irá provocar fenómenos meteorológicos impensáveis e imprevisíveis, ocasionando a ocorrência de inundações súbitas, sem dar tempo a que um gajo e a sua gaja acabem a queca monumental que lhes estava a saber pela vida. O almanaque borda d'água, na sua próxima edição, vai alterar o dito popular «quero morrer com ele todo entalado!» para «quero morrer com ele todo encharcado!» E tenham todos um resto de dia muita feliz!"

Fantoche: cordão umbilical

Eu tentei esconder um poema e as palavras abandonaram-me. As palavras fugiram de mim; castigaram-me pela ousadia de tomar decisões onde elas são soberanas, pela monstruosidade de rejeitar o que me ofereceram, por não ver que sou tão pequena, vazia, encolhida, fraca, perante elas e que sem elas, irremediavelmente, nada sou. Desobedeci a quem me faz, escondi o poema como se a escolha fosse minha, como se eu fosse senhora de escolher, como se elas não tivessem já determinado o que deveria ou não ser dito. Arrancaram-se de mim, deixaram-me num vazio cheio de segredos que ainda me vão fazer rebentar porque eu não quis contar que os tinha. Deixaram-me assim, uma semi-desalmada muda. Isto é o que me aconteceu por me julgar mais forte que as palavras. Isto é o que acontece a quem não sabe perceber que nunca será mais forte do que algo que tudo inclui. Coisas estranhas acontecem a quem não sabe o seu tamanho. Eu vim aqui dizer-vos que escondi um poema. Eu vim aqui confessar que guardo segredos que sempre guardarei mas que confio nas palavras, não preciso de guardar delas os segredos. Eu vim aqui falar para que as palavras voltem, para que me perdoem a ignorância. Eu vim aqui e hoje sou nada sem as donas de mim; eu vim aqui porque sou um fantoche das palavras e todos os meus cordões são umbilicais.

Spam!

Quem nunca recebeu um spam? Seja você homem, mulher, hermafrodita, e até mesmo eunuco, várias pessoas querem que você faça seu pênis ficar maior. Acho que até Kid Bengala já recebeu um email desses…
Mas antes da invenção do computador, e da internet, como eram enviados esses malditos spam’s?


Acredito que Robinson Crusoé ficaria muito feliz em receber uma dessas.

Capinaremos.com

22 setembro 2010

Cansaços (II)

Já me abandona o cansaço, começa a retirar-se de mim, devagar, assim, como só tu e ele sabem fazer: a lentidão dos perdidos quando se afastam, o descolar lento e sentido de peles que quase se arrancam e vão atrás de algo que é tão meu como tu.

O cansaço deixa um homem nu; ele só conhece a palavra "não" e é contigo tão, tão parecido - um diabo triste e semi-abandonado pelas pessoas que nunca o pedem - que ao querer, confusa, abraçar-te me vi abraçada e rendida ao cansaço.

«Solidão» - por Rui Felício

Para uma bela mulher trintona, extrovertida, elegante, bonita e cheia de vida, como é a Deolinda, a solidão em que vive é incompreensível e começa a tornar-se-lhe insuportável.
Algo deprimida, resolveu ir ao médico, o Dr. Viriato, pedir ajuda para descobrir as razões do afastamento de todos quantos já viveram em sua casa consigo. E não foram poucos!
O médico, atento, foi ouvindo a descrição da vida de mulher adulta que ela, embora constrangida, lhe foi relatando.
Tem um bom emprego, ganha bem, vive numa bela casa com todo o conforto, mas, uma vez mais, completamente só.
Reconhece ter um temperamento talvez demasiadamente possessivo, um tanto autoritário, mas sempre tem procurado compensar esses defeitos com elevadas doses de carinho que deu àqueles que já viveram consigo e depois fugiram de casa e a abandonaram.
Sempre procurou satisfazer-lhes os mais pequenos caprichos, os mais insignificantes desejos. Enchia-os de meiguices, de beijos. Apertava-os contra o peito, sussurrava-lhes doces palavras de amor.
Qualquer deles escolhia o lado da cama que preferia, o lugar no sofá da sala onde queria ficar a descansar, o sitio da sala de jantar, da sala de estar ou da cozinha onde gostava mais de tomar as refeições.
Preparava-lhes as melhores iguarias, tentando ir de encontro aos seus gostos culinários.
Mas a verdade é que, quando tudo parecia estar a correr bem, eles saiam de casa para nunca mais voltar.
Aconteceu com o Fonseca há 10 anos, com o Mário há 7, com o Filipe há 4 e, mais recentemente com o Paulo.
Todos eles eram bonitos, bem constituídos, mas isso não era o mais importante para ela. Nunca se importou que fossem louros, morenos, peludos ou não. O que procurava era o carinho e a partilha de afectos que, na verdade, nunca teve de nenhum deles.
O médico interrompeu-a e perguntou-lhe se ela não seria excessivamente obsessiva com o bem-estar deles, cortando-lhes o mínimo de liberdade de que precisavam.
Ela, de olhos baixos, acenou afirmativamente com a cabeça. Confessou que, se calhar, com tanta vontade de os satisfazer, nem lhes deixava espaço para eles usufruírem a sua própria liberdade.
O Dr. Viriato aconselhou-a a encontrar outro companheiro e a ser menos possessiva, a dar-lhe o espaço de que qualquer um precisa para manter o seu carácter, a sua personalidade.
Passados meses a Deolinda voltou ao médico para lhe agradecer. Agora sim, tinha seguido o seu conselho e vivia feliz.
Rematou, antes de se despedir:
- O Sr. Doutor é um grande veterinário! O meu Jorge, o meigo Fox Terrier que agora vive comigo, é de todos o melhor e mais fiel companheiro que já tive!

Rui Felício
Blog «Encontro de Gerações do Bairro Norton de Matos»

Postalinho da Nazaré


Que barraca...

«Afrodite» - livro de poesia da Paula Moreira

Já li e tenho guardadinho na minha colecção o livro de poesias e contos «Afrodite», de Paula Moreira, a nossa Maria Escritos.




A dedicatória humidificadora da Maria Escritos

Escolas recomendam dicionário com palavrões



HenriCartoon

21 setembro 2010

Quando permiti que entrasses dentro de mim, eu a fingir que não ia dando pela coisa, tu a entrares devagarinho, quando te abri a porta de casa, quando desviei o lençol para que te enfiasses comigo na minha cama, quando te disse em que armário da cozinha guardava os copos, quando te mostrei o caminho mais directo para o meu orgasmo e quando te desenhei os atalhos para que te perdesses em voltas e reviravoltas dentro de mim, não podia adivinhar que me deixarias esta feia cicatriz no peito.
Nua, perante ti, vi um dia o punhal na tua mão, esse punhal que era a mentira que me tinhas contado. Disseste que não devia preocupar-me. Guardarias o punhal, não o usarias em mim. Devagar, deixei o ar sair do peito, e baixei os braços, certa de que não precisaria de me defender.
A minha carne voltou a ser tua e os meus olhos iam deixando de espiar as tuas mãos, em busca do punhal. Acreditei, estava guardado, não o voltarias a empunhar.
Mentira, mentira, mentira. Mentiste-me quando mo prometeste e mentiste depois, quando eu estava distraída e fui surpreendida pela dor aguda, finíssima, profunda do teu golpe. Mentiste quando mascaraste as evidências, mentiste enquanto pudeste. Eu acreditei enquanto pude.
Agora já não posso. Não posso acreditar-te mas, sei lá como, ainda consigo querer-te. Mas quero-te desta maneira magoada, quero-te zangada, vingativa, quero-te mesmo quando é debaixo de outros que me deito e que me venho.
Toma-me assim.

[Medeia - blog Infidelidades]

Mergulho

Atrás dela, a confusão.
Vozes, burburinho, discussões, queixumes, gritos, sussurros, confusão.
À sua frente, a imensidão, a totalidade, o mar, a potência, o futuro cheio de presentes, o ribombar das ondas nas rochas. O tempo e o espaço abertos, sem quaisquer limites conhecidos.
Ficaria ali, em território confortavelmente conhecido, ou daria o salto?
Ser-lhe-ia permitido arriscar, ainda uma vez?

Sorriu.
Ao mesmo tempo que dava o impulso que lhe lançou o corpo para a frente, sabia que não poderia voltar atrás. E nem por um segundo se arrependeu, como nunca se arrependera dos passos que dera. Sempre em frente, rumo ao desconhecido, ao novo, à descoberta.

Quando despertou, pegou no telefone e marcou o número.
A voz do outro lado deu-lhe as boas vindas, do fundo do mar.

És especial!

Languidamente.
A volta custa o tempo
de um olhar.
As palavras nem se ouvem;
elas marcam um lapso
de segundo
e de lapsos não é feita
a vontade:
estática permanece.

Um olhar não custa
o tempo de uma volta;
as palavras ouvem-se
e a vontade não deixa
lapsos permanentes:
tu és especial!

Poesia de Paula Raposo

Isqueiro com cães. Quando o cão dá ao rabo, à cadela até lhe sai fogo pela boca...

Mais um isqueiro para a minha colecção.

20 setembro 2010

Lengalenga para os meninos grandes

Eu acho que os homens são todos mais novos que eu. Nuns dias deitam-se ao meu colo e noutros deitam-se no colo meu. Eu acho que os homens são todos mais novos do que eu. Contam-me da fome e têm sede, beijam-me exigentes mas na exigência de quem pede. E um seio é macio e é nuvem e é céu. E quando se entregam e se colam, ventre no ventre, devolvem-se ao ventre meu. Os de olhos perdidos das mãos, os de dias perdidos dos sonhos, os meus dedos lançados aos cabelos puxam-nos pelos braços, levo-os para terra pelos joelhos, aprendem-me desenhos de pequenos traços em pequenos, por vezes inseguros, passos. Eu acho que os homens são todos mais novos que eu; quando foram meninos, abri-lhes os braços e o meu peito cresceu e agora eu acho que os homens são todos mais novos do que eu.


_________________________________
O Bartolomeu fez um comentário que tenho de transcrever aqui, pela Miss Joana Well... e por todos nós, que temos o privilégio de a ter como membrana deste blog:
"Miss, sabes o que te digo?
A autora deste texto, apesar de pequenino, merece receber, por aquilo que de verdade e de real ele encerra, o nóbel da literatura, acumulado com o nóbel da sabedoria e o nóbel da sensibilidade à essência humana.
Anda práí munta puta armada ao pingarelho, intituladas assistente sociais e mai'não sei quê, que não possuem um avo do teu saber, naquilo que diz respeito ao conhecimento do ser humano em toda a sua plenitude e genuinidade.
E penso que não tenho mai'nada para deixar escrito.
Ou por outra... muito mais haveria, para dizer escrevendo, mas não seriam mais que lugares comuns daquilo que já foi dito."

«As Mulheres e o Sexo»

"Um grupo de Mulheres dá voz aos temas mais divertidos e polémicos da sua intimidade amorosa. O que elas pensam verdadeiramente sobre o que se passa entre quatro paredes. Serão eles competentes e dedicados o suficiente no que fazem ou prometem?
«Os Homens e os Minetes», uma crónica de Ana Anes"



O Zedasquina mostrou-nos a resposta do Rui Unas:

Sinal de trânsito muito provavelmente exagerado

Encontro muitos pequenos objectos curiosos para a minha colecção nas feiras de velharias. Há dias comprei 20 calendários de bolso (uns com humor erótico e outros a publicitar videos porno dos anos 80), dois isqueiros (de um deles, fiz um video para o blog), um gnomo (fiz também um video) e este sinal de trânsito. Tudo por € 2,50!

Dúvidas Sobre Sexo


Alexandre Affonso - nadaver.com

19 setembro 2010

afinal havia outra! (mensagem da Ministra, entenda-se!)

«Reprodução» - por Rui Felício

O Coronel Ramires, pai de Vasco Ramires que ganhou uma medalha no Concurso de Saltos Equestres dos Jogos Olímpicos de Munique em 1972,tinha uma quinta no Tramagal onde fazia criação de cavalos de raça lusitana e puros-sangue ingleses cruzados com árabes.
José Cid, cantor de todos conhecido e que possuía uma herdade na Chamusca, terra ribatejana, perto do Tramagal, comprou-lhe vários cavalos.
Por razões que não vêm agora ao caso, honro-me de ter merecido a amizade do Cor. Ramires e do seu filho.
Um fim de semana fui convidado, entre outras pessoas a ir visitar a sua bela Quinta do Tramagal. O Cor. Ramires orgulhava-se dos seus cavalos e queria mostrar-nos a forma como os criava e os ensinava. Dizia-me ele, que era sempre com mágoa que via sair algum dos seus animais, depois de os ter visto nascer e de durante 3 ou 4 anos ter assistido ao seu crescimento e à evolução das suas qualidades como cavalos treinados para provas desportivas equestres. Mas tinha que os vender para rentabilizar a exploração.
Naquele dia, íamos assistir a um fenómeno natural mas a que os homens da cidade, não estão habituados. Uma égua, que andava “saída”, ia ser montada por um cavalo garanhão.
Num terreiro vedado, assistimos aos jogos de sedução da égua e do crescente entusiasmo do cavalo, perfeitamente visível aos olhos de todos quantos observavam.
A Helena, jovem e bonita mulher criada na quinta desde criança, ali vivia e acompanhava a vida dos cavalos nos mais pequenos pormenores. Por isso, tinha sido nomeada pelo Cor. Ramires como “Tratadora Principal”, cargo complexo que ele não lhe atribuiria se ela não fosse realmente, como era, uma competente especialista na matéria.
Perto de mim, e percebendo a minha crescente concentração na patente excitação daqueles dois animais, disse-me, com uma pequena gargalhada:
- O Sr. Dr. parece que também se está a excitar!...
- Para falar a verdade, você não se engana, Helena... – respondi eu meio a sério meio a brincar, lançando-lhe um olhar provocatório.
A Helena atiçou-me ainda mais, dizendo-me, desta vez em voz baixa para que os outros convidados não ouvissem:
- Só depende da sua vontade Sr. Dr.! Uma palavra sua e far-lhe-ei a vontade com todo o prazer.
Um turbilhão de pensamentos revolteava-me a cabeça. Reuni toda a coragem e disse-lhe:
- Oh Helena, não me provoque! Você já percebeu qual é a minha vontade. Diga-me quando e onde!
Responde-me a Helena:
- Onde? Bem, o sitio é este mesmo, que é o mais adequado. Quanto ao "Quando", pode ser já! A égua, que está cheia de cio, é toda sua, Sr. Dr.!

Rui Felício
Blog «Encontro de Gerações do Bairro Norton de Matos»

Record Makers Promo

Record Makers Promo from CreativeApplications.Net on Vimeo.

O peixe é rico em proteínas, cálcio, fósforo, iodo e cobalto, e é também fonte das vitaminas A, B e D.


crica para visitares a página John & John de d!o

18 setembro 2010

Quem disse que agora não há censura?

O Livro das Caras perdoou-me e repôs a minha conta, que estava suspensa desde 4ª feira.
O primeiro e-mail que recebi quando lhes pedi esclarecimentos no formulário que disponibilizam (e está em português) não augurava nada de bom:
"Hi São,
Unfortunately, Faceb00k only provides personalized user support in your region in English. Please respond to this email with a translation of your question in English, and we'll respond as soon as possible."
Ou seja, se eu não soubesse inglês, estava fecundada. Como sei um poucochinho, lá me responderam ontem:
"Hi São,
Your account was suspended because you uploaded photo content that violated Faceb00k's Statement of Rights and Responsibilities. This content has been removed from the site.
After reviewing your situation, we have reactivated your account. You will now be able to log in. For technical and security reasons, Facebook cannot provide you with a description or copy of the removed content.
Please review the guidelines below to prevent your personal account from being disabled in the future:
Do not post photos that contain nudity, graphic or sexually suggestive content.
Remove any remaining photos of this kind that you have uploaded on the site (...).
We apologize for any inconvenience and appreciate your cooperation going forward.
Thanks for your understanding,
Sheldon
User Operations
Faceb00k"

Tenquiú!

Por escrever

Importas-te tanto com os
anos que nos separam:
porquê?
Tu não tens idade:
és o que vejo e sinto.
A paixão escolhe-nos
por que sim e o sim
é justificável.
Sabes da justificação? Não?
Eu sei (ou julgo saber)
da intemporalidade
do poema por escrever:
por isso nos encontrámos.

Poesia de Paula Raposo

«Kush» - Que raio disto é aquilo?!

Assim também eu!



O degelo


3 páginas (clicar em "next page")

oglaf.com

17 setembro 2010

Je t'aime, moi non plus

Amor batráquio

Descuro num canto obscuro a memória abandonada de uma etapa desgraçada da existência que não me atormenta a consciência, renego sem hesitar a lembrança que quero evitar de um momento perdido no meio do tempo acumulado na cabeça ou noutro lado e percebo que vontade é esta, aproveitar o tempo que resta, que me move adiante numa ansiedade que é constante, a verdade perturbadora escondida na história desoladora, nesse canto desleixado da memória cuja chave há muito perdi num lugar que, de resto, esqueci pouco tempo depois de um mais um não serem dois e entretanto aquilo que foi passou a ser uma recordação que não dói no coração ou na mente concentrada na vida que quero gozada sem reticências, sem medo das incongruências que atraiçoam a confiança em tudo quanto se diz e fazem perder a esperança de se conseguir ser feliz.
Descubro numa esquina da vida o desmentir da oportunidade perdida que não o foi, a realidade sonhada que se vê concretizada num instante mágico, uma gargalhada, o sentido da vida tão cómico que em cada estrada desenha cruzamentos que são, afinal, intersecções de segmentos e é tão natural que as emoções se sobreponham nas almas que lutam pelas utopias que se sonham e por isso são tão reais como os factos que entendemos normais apenas por serem mais fáceis de produzir, fasquias que nos ensinam a baixar a um ponto sustentável que é tudo aquilo que acreditamos viável e, no fundo, não passam de ambições pequeninas que nos são impostas pelas vontades franzinas de quem se recusa a acreditar que é possível, basta lutar, ir um pouco mais além e tornar imbatível o poder do amor sobre a causa sofrível dos remediados que não se escondem desconsolados pela ausência de vitórias na sua existência de contadores de histórias que são mentiras piedosas para disfarçarem as atitudes medrosas com que enfrentam as paixões e os amores que ocultam nos bastidores de uma farsa qualquer.
Descuido no dia a dia a prudência dos que percorrem a linha da circunferência dos seus caminhos sem progressão, os ciclos viciosos que rejeito porque prefiro abrir o peito, o coração, e assumir, vertical, aquilo que aos outros parece mal à luz do efeito que invariavelmente se produz quando a sinceridade se impõe, a rejeição de que a sociedade dispõe para punir qualquer rumo traçado em linha recta que é algo que nunca se aceita de bom grado por ser foleiro para quem só vê pecado no que é verdadeiro em vez de camuflado numa amálgama de mentiras e de enganos, numa trama de pequenas traições e de planos mal elaborados que conduzem a desilusões quando desmascarados os piores actores de entre uma multidão clandestina.
Destruo, com esta regra que é a minha, a falsa benesse do sossego inquieto de quem tem a mania que é esperto mas recebo em troca uma paz de espírito colossal que resulta da escolha entre o bem e o mal representados na paleta das cores disponíveis nas decisões inadiáveis que qualquer dilema nos apresenta, o problema que nos confronta dobrado por si mesmo e pelo resultado das opções que aparentemente se multiplicam mas afinal se quantificam numa só, a que melhor desatar o nó na garganta e de nada adianta complicar com a piedade de uma omissão que é um gesto cobarde sem remissão por privar de escolhas quem tenha que as fazer, por muito que possa doer a f(r)actura exposta na ausência de uma resposta consentânea à vontade instantânea de fazer perguntas a mais.
Devolvo, em circunstâncias ideais, tudo aquilo de que possa privar quem corra o risco de me amar, com uma postura genuína e uma aposta total na rejeição de tudo quanto seja artificial no que respeita à emoção afirmada ou à expectativa criada quanto àquilo de que sou capaz e isso é mais do que muita gente faz quando opta pelo logro egoísta, a impunidade no topo da lista onde a seriedade nem chega sequer a constar.
Derroto, com esta forma de estar, os fantasmas nos armários, inexistentes, mais os medos permanentes associados à hipocrisia ou a uma relação de fantasia onde o príncipe só encanta até ao dia em que desponta o mais ínfimo traço do batráquio oculto pelos beijos mágicos, cada vez mais escassos, de um amor a espaços, tão difuso que algures se desvaneceu.
Uma paixão tão frívola e desnorteada que no meio do caminho se perdeu.

Cansaços

Já não consigo ver; quero agarrar,
não consigo; esticar os braços
e só tocar em parte incerta. Andar
mais ainda, cada vez mais passos
e nenhum destes degraus parece baixar
e eu sozinha, sozinha nesses espaços
entre pedras, entre areias. Sei chorar
mas até as lágrimas já saem aos pedaços,
sólidas, lágrimas em grão; ainda sei quebrar
mas até as dores já me abandonam em versos,
serenas, dores em pó; e eu ainda sei gritar
mas até os gritos já não são como os vossos,
são mansos, gritos sem tom. Quis cegar,
defender-me dos meus olhos tão falsos,
tão falsos que me queriam fazer acreditar
somente em nós, nunca em laços.

Já tenho o livro «John & John - part 2»

Já tenho na minha colecção o primeiro livro do «John & John», com uma dedicatória com a pinta de sempre do nosso d!o. Sim, sim, caí na esporrad... esparrela da "part 2" ("parte tu", em português) e perguntei-lhe. A resposta veio-se:

"Hi Sao,
No, there’s not really a Part1. I just thought it would be fun to start with part2.
Keep up the dirty work!
d!o"


A capa.



Exemplos de páginas.



A segunda página, com um aviso clarinho (que o d!o esclarece querer dizer que o livro tem "mais de 18 tiras com sexo").



A dedicatória, com um desenho amoroso feito especialmente para mim.

Como o d!o se queixa de não perceber uma palavra do que se escreve neste blog, mesmo correndo o risco de o Google Translator me fazer "dizer" um disparate, aqui fica:
"d!o, je bent een romanticus. Nooit had bood me een hart gemaakt met sperma."

O livro está à venda aqui.

16 setembro 2010

Solidão (?)

Não páro de pensar na razão que levará um ser humano autónomo, independente e livre a tornar-se submisso às vontades de outrem, dependente delas e voluntariamente castrado.
Dar-nos, partilharmo-nos não pode implicar perda. Não pode. Muito menos do que somos.
Se nos adicionamos (a) alguém, é para que haja uma qualquer (na falta de melhor termo) mais-valia, é para que sejamos mais nós, melhores nós, mais felizes nós.
De outro modo, permaneceremos eternamente no limbo que é o medo de estarmos sós.
E enquanto temermos a solidão, estaremos mais sós do que nunca, correndo o risco de nunca sabermos estar acompanhados.

É a vez da nossa Luisa Raposo...

... ter a sua poesia erótica lida por aquela vozinha do Luis Gaspar que nos põe a sonhar (olha, rima, ainda vai parar à Poesia Erótica).
É o

nº 49 da Poesia Erótica do Estúdio Raposa

Como a Luísa (que anda Demétrio) Raposo explicou ao Luisito, "O erotismo, 
por vezes por capricho humano, 
é usado com certeza ornamental…
Mas…
Como de todas as certezas nasce o engano, só a incerteza é puramente natural! 
O erotismo dentro, em nós invoca…
Na sua vastíssima boca,
uma expressão única e sexualmente louca…!"

"Momento de romance" ou "Despressurizar"

(voltei agora da rua...)
... e não te vou fazer uma mamada, não. Vou-te fazer uma "ganda" mamada!
e quero mesmo que te entregues a mim
que tires tudo da cabeça
se vai funcionar, se não vai
se te vens, se não te vens
se gosto, se não gosto
tudo
se detectar alguma destas coisas na tua cabeça... bato-te!
não estou a brincar. Se não te "portares bem" vais conhecer os meus métodos de "adestração" de leões
pensas só na minha boca
nesta boquinha linda... que tu enches de beijos...de onde saem tantas vezes coisas tão desagradáveis... e outras tantas, coisas muito, muito agradáveis...
e que o pior que pode acontecer é vires-te na minha boca
o que também não é coisa para que ninguém se atire da ponte
e eu vou gostar de te beber, de te sentir
e se tremeres, chorares, ganires... também não me importo
aliás, tenciono fazer-te uma mamada para mim
estou-me nas tintas para ti
é que estou mesmo
se quiseres aproveitar para gozar... gozas...
porque eu vou gozar de certeza
beijos

Para os meninos bem comportados



HenriCartoon