02 abril 2016

«Galanteio» - por Rui Felício

O carteiro tocou à porta do nº 22 da Rua Gonçalves Zarco.
A porta entreabriu-se. Assomou uma mulher belíssima, de corpo escultural a moldar-lhe o vestido de seda leve, escorregadia, que, por momentos, deixou o rapaz boquiaberto, sem fala.
Ela sorriu, arqueou levemente as sobrancelhas em ar interrogativo. O que a tornava ainda mais bonita.
O carteiro venceu a custo o espanto e conseguiu tartamudear:
- É a Senhora Isabel Gomes?
Ela respondeu afirmativamente e então ele entregou-lhe a encomenda postal, um pequeno embrulho atado por um cordel, onde figurava o nome dela e a morada. O remetente, Luís Santos.
O carteiro pediu-lhe para assinar o recibo que lhe estendeu.
Ela hesitou…
Ainda lhe disse que não esperava nenhuma encomenda. E que nem sequer conhecia o remetente.
O rapaz encolheu os ombros, disse-lhe que tinha que cumprir a sua incumbência.
Intrigada, mas também curiosa, acabou por assinar o papel , agradeceu ao carteiro e desapareceu por trás da porta que fechou atrás de si.
«Bustos da República»
Bloco de selos dos correios de 2010
Colecção de arte erótica «a funda São»
Sofregamente, começou a desatar o embrulho, rasgou o papel pardo que o envolvia e, espantada, ficou com o objecto entre as mãos.
Arredondado, com uma estreita fenda aberta num dos lados.
Era um mealheiro. Um porco de barro. Mas porquê?!
A explicação estava num bilhete manuscrito metido na fenda do porco:

"Isabel,
A minha timidez impediu-me de me dirigir a si pessoalmente.
Você é a mulher mais bonita e mais sensual que conheci em toda a minha vida.
Não encontro outra palavra que melhor a descreva senão a de que a Isabel é uma Pérola.
Para mim o provérbio, perante a sua beleza, está mal formulado.
Por isso atiro um porco à Pérola!
A si…
Luís Santos"



Rui Felício
Facebook
Blog Escrito e Lido