17 maio 2017

Um dia fomos

Um dia o nosso corpo despediu-se um do outro. 
Desconhecida era a despedida mas como era sempre como se o mundo fosse acabar, abri o teu peito e levaste contigo um pouco de mim. Não porque o sexo era bom, não pelas loucuras à beira da estrada ou nos imensos sítios proibidos . 
Para nós não existiam limites. 
Levaste um pouco de mim, da minha alma e do meu coração, porque se um dia me entreguei de corpo e alma, rasgo-te a carne e ponho-me em ti porque  quando te lembrares de mim , serei passado, aquele passado com quem fizeste tanta coisa pela primeira vez... 
Inclusive, rir sem te lembrares do mundo lá fora.


14 comentários:

  1. Tudo o que foi, desta maneira, continua sempre a ser... nas nossas (boas) memórias.

    ResponderEliminar
  2. E que bom "ver"-te por aqui, Gaja Maria ;O)

    ResponderEliminar
  3. Gaja maria, muito bem vinda a este canto... Ainda bem que gostaste do meu testo...


    Sãozinha, aquele beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E com direito a beijo... melhor ainda!

      Eliminar
  4. epá tu tens jeito para a coisa, quero dizer com isto que, além
    do sentimento inscrito nas palavras, lembras-me estórias antigas (de mim)
    küss ich

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem, este cantinho está a ficar muito agradável.
      Pinkita, atrais malta fixe!

      Eliminar
    2. Obrigada anjo, um beijo, sendo assim, vivemos histórias parecidas...

      sãozinha, gente que é gente como a gente!

      Eliminar
    3. Agente?! Onde? Onde? Foge! Foge!...

      Eliminar
  5. Já fugi e estou muito bem escondida :))))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Deixa-me adivinhar... estás atrás dos cortinados do blog... mas tem cuidado, que muitos «visitos» limpam-se lá :O)

      Eliminar
    2. Não me vês? Estou atrás de ti!!! Duhhhhhhhhhhhhhhh

      Eliminar
    3. Atrás de mim?! Não me parece. Tu estás muit'à frente ;O)

      Eliminar

Uma por dia tira a azia