23 setembro 2017

«casas» - Susana Duarte

somos casas desenhadas
no confim dos ossos,

assombradas
pelos braços incandescentes
da solidão
das águas

somos braços de um céu
cujo azul não se demora,

assombrada a aurora,
e os amanheceres
do corpo

somos casas desossadas
quando o inverno
nelas mora,

assombradas pelo riso
ilusório
das bocas

somos tudo, somos nada,
vazio que se preenche
no encontro prenhe
dos olhos,

no encontro dos dedos,

e nos fantasmas
anódinos
das viagens
das palavras

somos casas abandonadas,
residentes nos uivos
migratórios
das solidões anteriores,

braços erguidos
na procura do conforto
do riso

Susana Duarte
Blog Terra de Encanto
Facebook

A apanha da fruta

Pratinho de Setembro, da série «meses do ano» dos namorados de Peynet. Ela ajuda-o enquanto ele colhe uma peça de fruta que representa um seio. Rosenthal Studio Line.
Junta-se a muitas outras peças, livros e ilustrações de Raymond Peynet, na minha colecção.








A colecção de arte erótica «a funda São» tem:
> 1.900 livros das temáticas do erotismo e da sexualidade, desde o ano de 1664 até aos nossos dias;
> 4.000 objectos diversos (quadros a óleo e acrílico, desenhos originais, gravuras, jogos, mecanismos e segredos, brinquedos, publicidade, artesanato, peças de design, selos, moedas, postais, calendários, antiguidades, estatuetas em diversos materiais e de diversas proveniências, etc.);
> muitas ideias para actividades complementares, loja e merchandising...

... procura parceiro [M/F]

Quem quiser investir neste projecto, pode contactar-me.

Visita a página da colecção no Facebook (e, já agora, também a minha página pessoal)

Postalinho das Autárquicas 2017 - 12

"Arranhó porque é Rijo?!"
Paulo M.


22 setembro 2017

«Porra» - Porta dos Fundos

Ideia genial de negócio! Um verdadeiro nicho de mercado!


«Lavou, Tá Novo - Episódio 06: “Cinco contra um...”» - Humores Urbanos

Todos estão morando faz um mês no apartamento de Leonardo. E claro, todos estão contra ele e contra si mesmos.

Afinal, sozinho é que podemos nos divertir mais.

Carta de amor de um sócio a uma dama - Ruim

Dama Jéssyca…

Sabes como é difícil para um sócio escrever. Mas é mesmo, são muitas letras pegadas umas às outras para fazer palavras que constroem frases. Paresse que estou nas obras. Dama Jésska, eu amo-te tipo bué. Tu sabes diço. Já diçe iço tipo bué vezes a todas as damas que ando a pitar quando não estás ao pé de um sócio. Mas tu és únika mulher. A TVI devia ter dado o teu nome à novela, entendes? Hoje é dia dos namorados e eu tenho algo para te oferesser. Foi algo que kustou muito… ao gajo que comprou e que eu fezei ali à saída do Rio Çul. É um relógio de homem, mas eu mergulhei num balde de tinta rosa. Também fezei esse balde a um casal que ia pintar o quarto para a filha ressém-naxida. A vida é f#dida e é para essa mini-dama ficar logo a saber isso desde canuka quando olhar para as paredes brancas do quarto. Dama Jéssyka, mexmo que não tenhaz prenda… não faz mal. Porque o que intereça é o que centimos…. os dois… quando eu te papar o ass logo à noite. Dama, eu sei que isso é pedir muito a uma dama, mas depois do Jaílson, do Wilson, do Ricardão, do Petit Patapon, do Camolas, do Camané, do Zé e do cão do Zé, também eu axo que podias ser feliz atrás com um sócio. Oje quando chegares ao cubico de um sócio, segue o rasto de pétalas das flores de plástico que fezei do Espasso Kasa e anda ter ao quarto. Tira as tuas leguines tigresa que tanta inveja causam no bairro e deixate levar pela loucura de uma noite. Não tenx de te preocupar com dores, porque eu trouxe parassetamol… que também fezei. Só não estou a perceber porque é que tenho de os meter no cu para não te aleijar a ti. Só por percaussão, pedi ao meu tropa Ruim que mandace vir umas ssenas da net. Xegou hoje pelos correios um ANAL LUBE HOT CANELA da Secret Glamorous Sex Shop. O boy dice que vais ficar com o rabo a cheirar a arroz doce no final.
Dama, poço te ir hoje à badana?
Eternamente teu e da Segurança Social...

Um sócio.

Disponível na Secret Glamorous Sex-Shop em secret.pt. Usem o promocode “RUIM” na compra de qualquer artigo e usufruam de um desconto imediato de 10%.
Este post teve o apaixonado patrocínio da Secret Glamorous Sex Shop.
“Secret.pt - porque a solidão aguenta-se melhor com um dildo metido no rabo"

Ruim
no facebook

21 setembro 2017

Postalinho do Luxemburgo

"Expositor do Museu de História e de Arte da cidade do Luxemburgo.
Período de ocupação romana.
Os habituais símbolos de boa sorte/fertilidade e um curioso «Ménage à trois»."
Lourenço M.



Mulher no topo de um relógio… inexistente

Suporte em porcelana para relógio de mesa, com mulher com um seio desnudado, a segurar numa harpa.
O erotismo do vazio do tempo... na minha colecção.




















A colecção de arte erótica «a funda São» tem:
> 1.900 livros das temáticas do erotismo e da sexualidade, desde o ano de 1664 até aos nossos dias;
> 4.000 objectos diversos (quadros a óleo e acrílico, desenhos originais, gravuras, jogos, mecanismos e segredos, brinquedos, publicidade, artesanato, peças de design, selos, moedas, postais, calendários, antiguidades, estatuetas em diversos materiais e de diversas proveniências, etc.);
> muitas ideias para actividades complementares, loja e merchandising...

... procura parceiro [M/F]

Quem quiser investir neste projecto, pode contactar-me.

Visita a página da colecção no Facebook (e, já agora, também a minha página pessoal)

«Meu pau» - Adão Iturrusgarai


19 setembro 2017

«silêncio» - Susana Duarte

revejo o sibilar da noite

em cada uma das estrelas

que encheram de sonhos

os dias antigos. nesse

silêncio cadenciado

de sons fortuitos,

revivo os braços

e os lábios

amadurecidos

pela paixão dos corpos

outrora vazios, ora cheios

de luar em cada curva.

Susana Duarte
Blog Terra de Encanto
Facebook

Postalinho da Suiça


Agente mobiliário


"Sou heterossexual mulher"
Primo Resmungão

Isto não envolve armários, pois não?

Sharkinho
@sharkinho no Twitter

«Ex Libris Baco - reserva 2012»

Garrafa de vinho tinto numerada (nº 17.306 de um total de 18.910), com uma gravura de uma orgia no rótulo e na rolha de cortiça.
Oferta do Alexandrino Costa para a minha colecção.












A colecção de arte erótica «a funda São» tem:
> 1.900 livros das temáticas do erotismo e da sexualidade, desde o ano de 1664 até aos nossos dias;
> 4.000 objectos diversos (quadros a óleo e acrílico, desenhos originais, gravuras, jogos, mecanismos e segredos, brinquedos, publicidade, artesanato, peças de design, selos, moedas, postais, calendários, antiguidades, estatuetas em diversos materiais e de diversas proveniências, etc.);
> muitas ideias para actividades complementares, loja e merchandising...

... procura parceiro [M/F]

Quem quiser investir neste projecto, pode contactar-me.

Visita a página da colecção no Facebook (e, já agora, também a minha página pessoal)

18 setembro 2017

Postalinho da Croácia - 3

"Adão e Eva, na porta lateral da Catedral de Šibenik, Património da Humanidade e herança mundial da UNESCO."
Paulo M.








Brazzers - «De volta à universidade»

A Brazzers (página de vídeos pornográficos) lançou uma promoção: dar uma conta premium para 5.000 estudantes universitários, dando acesso total a todos os vídeos e benefícios da Brazzers durante 4 meses.
Este é o vídeo promocional:

«Sobre ser feliz sozinha e livre de romances tóxicos» - Cláudia de Marchi

Querida livre-se de “amores” ruins, ou melhor, de paixões tóxicas! “Mas, Cláu como saberei quando estou diante de uma paixão tóxica?”. Quando o outro não lhe compreende, quando, diante de alguma reclamação atinente a sua forma de se relacionar, ele tenta lhe dissuadir, ainda que sarcasticamente, fazendo de conta que você é desequilibrada, exigente demais, difícil ou coisas afins.
Ou seja, não compreende e quer lhe “culpabilizar” por saber o que quer e deseja e deixar isso claro pra ele que, por sua vez, não se interessa em lhe entender. Quando chovem “eu te amo”, mas faltam “bom dia”, “boa noite”, “como foi seu dia?” e outras pequenas demonstrações reais de afeto que podem ser demonstradas até quando a pessoa vai ao banheiro defecar! Em era de internet o estar ausente não é uma questão de distância física, mas de vontade. Faz-se presente quem, do outro lado do mundo, da afeto, cuidado e atenção. Repito: celular pode ser levado ao banheiro! E todos vão ao banheiro!
Quando você começa um assunto em que pede respeito e consideração e termina pedindo desculpas por ter abordado o “tema”. Quando o cidadão lhe jura amor, mas é comprometido e espalha que é “feliz” pelo mundo. Quando o cidadão é comprometido, afinal, quem engana uma, engana outra e quem não tem coragem para se separar, mas jura amor à outra pessoa, não terá coragem de se separar jamais!
Enfim, no fundo é fácil amiguinha, um dia você aprende a se amar e a hora de dizer “chega, eu não mereço incômodos”! Relações amorosas existem para lhe fazer bem, certo!? É incoerente? Não lhe compreende, mas "julga" mal? Frustra? Desista, você merece mais, ainda que isso signifique ficar na paz da sua bem resolvida solidão! A vida é muito curta para desperdiçar tempo esperando a mudança de atitude de quem não quer mudar. Não se trata de pressa, mas de ojeriza a perda de tempo!
Confesso que têm dias em que eu queria ser dessas pessoas que acreditam que o outro não fará com elas o que fez com outrem. Eu queria ser dessas pessoas que se acham especiais ou "milagrosas": a amante que confia cegamente no parceiro que traiu a esposa para ficar com ela, a amiga da fofoqueira que fala mal da outra "amiga", a namorada nova do rapaz que vive chamando a ex de "maluca" e que se faz de vítima o tempo todo, eu queria ser daquelas que acham que vão mudar o outro, que farão uma revolução benéfica na vida alheia.
Enfim, eu queria ser dessas criaturas que se acham mártires, salvadoras e super especiais! Acho que foram minhas experiências que fizeram de mim uma pessoa tão objetiva, racional e "desconfiada". Tão desapegada de desafios e do meu "ego". Sou segura de mim, porém tenho sempre com um pé atrás quando vejo falta de lógica e de coerência nas atitudes alheias.
Não creio mais em palavras, acredito no que vejo e morrerei sem crer no que não vi. Tornei-me mais exigente, mais seletiva e, consequentemente, incompreendida. Mas, francamente, também me tornei realmente independente da opinião alheia! Quem me ama, compreende sem criticar, quem não ama, não me interessa, quem diz que ama e não compreende? Ora, não ama!

Simone Steffani - acompanhante de alto luxo!

José Clemente Orozco - mural «Cortés e a Malinche»

Mural na Escola de Santo Ildefonso, na Cidade do México. Malinche foi a intérprete, conselheira, amante e intermediária do conquistador espanhol Hernán Cortés.


Via mon ami Bernard Perroud

17 setembro 2017

«respostas a perguntas inexistentes (366)» - bagaço amarelo

Um lugar comum

Um destes dias aproveitei um interregno da chuva para caminhar na praia. Desde a minha adolescência que falo do mar aos meus amigos como uma necessidade constante na minha vida e, mesmo que não o veja. preciso de saber que ele está ali. O Atlântico, digo.
Na verdade, para além do Atlântico, sinto o mesmo com alguns amigos e familiares. Posso não os ver durante algum tempo, mas preciso de saber que estão ali. Da mesma forma que os visito ou marco um café com eles de vez em quando para matar saudades, vou caminhar junto ao mar outras vezes pelo mesmo motivo.
O Inverno é a minha estação preferida para o fazer, talvez por as praias estarem desertas quando o tempo piora. Gosto do desconforto da areia molhada a entrar-me nos sapatos e de sentir a ameaça do mar a morrer devagar aos meus pés como se fosse um gigante que se aninha docemente quando me vê. Às vezes paro e olho para trás para ver as pegadas que deixo na areia a desaparecer com o vento e com a água. É um lugar comum, eu sei, mas lembra-me sempre as memórias da minha vida a diluírem-se no tempo que passou. E é então que elas vêm novamente à superfície.
Nesse dia, em que caminhava sozinho com o segredo do vento, reparei que alguém fazia o mesmo no sentido contrário ao meu. Era apenas um ponto escuro na areia a deslocar-se na minha direcção e agradou-me a ideia de que pudesse ser alguém com pensamentos similares aos meus. À medida que nos fomos aproximando, apercebi-me que era uma mulher. Os seus cabelos dançavam energicamente com o capucho de um casaco grosso e de vez em quando ela parava para olhar para trás. Tal como eu, talvez estivesse também a ver as sua próprias pegadas a desaparecer.
Quando finalmente nos cruzámos dissemos olá um outro e continuámos.
E se nos tivéssemos cruzado numa avenida qualquer da cidade? É claro que não nos cumprimentávamos e, muito provavelmente, nem reparávamos um no outro. Continuei com esta lucidez de que a aproximação a alguém só é possível com alguma intimidade e partilha. Neste caso concreto, a nossa partilha era o mar. A intimidade também.
Olhei para trás mais uma vez, já a alguns vinte metros de distância dela, e os nossos olhares cruzaram-se. Dissemos adeus um ao outro e continuámos cada um no seu percurso solitário.


bagaço amarelo
Blog «Não compreendo as mulheres»

«Namoro online» - Kikuo Johnson


Beber água como os gatos