14 dezembro 2017

«Avaliação física» - Porta dos Fundos

Eva portuguesa - «Punheteiro»

São uma praga digna de um estudo social e antropológico. Propagam-se rapidamente e sem motivo aparente. A sua existência ainda tem poucas explicações e continuam a ser um mistério para os cientistas. Sabe-se que são frustrados, mal amados, normalmente imberbes e de um estatuto sócio-económico baixo. Detentores de fraca cultura e educação, vivem como parasitas, tentando agredir psicologica e verbalmente o objecto do seu desejo. Manifestam-se geralmente de forma anónima e demonstram características cobardes e falta de empatia social e/ou capacidade afectiva.
Pois é... dou-vos dois exemplos fresquinhos: como estive a semana passada em Coimbra, achei que podia levantar uma excepção e atendi um número privado. Oiço do outro lado:
- Ainda bem que atendeste! Estou a bater uma grande punheta!
Claro que a resposta me saiu sem pensar:
- Oh, filho, bate duas ou três! Porque grande não é de certeza, pois não tens capacidade física nem sexual para o fazer. E bater punheta ao telefone é realmente a única coisa que podes fazer comigo!... Ahahahahah
O segundo exemplo ainda é melhor: recebo por whatsapp uma mensagem do número 93xxxxxxx a dizer: "puta!" E depois faz uma vídeo chamada. Será que essa criaturinha achava que eu o ia atender?!...
Bem, a esta espécie eu desejo muito amor e muita luz. Porque deve ser uma existência muito triste para se entreterem e sentirem realizados com isto... e já se costuma dizer que gente bem amada não inferniza a vida alheia.
Beijos, meus amores.


Eva
blog Eva portuguesa - porque o prazer não é pecado

«Spam útil» - Adão Iturrusgarai


Postalinho de amigo

Não é novidade para ninguém (pelo menos para mim não é) que há sempre alguém mais tarado do que nós.
Há algum tempo, o meu amigo Leonel Brás ofereceu-me, com um prazer notório, "uma porca mesmo porca, para a tua colecção". Era um porco mealheiro com a cabeça toda enfarruscada, como se tivesse enfiado o focinho num barril de alcatrão.
Dei voltas àquilo para tentar encontrar um niquinho que fosse de erotismo... mas nada...
- Leonel, o que é que este porco-mealheiro tem de erótico?!
- Não me digas uma coisa dessas! Então não vês?! É uma vagina peluda!
O Leonel ficou amuado comigo porque um outro amigo, que faz colecção de porcos-mealheiro, cobiçou esta "porca muito porca"... e eu ofereci-lha.
Na altura, pedi apenas para fotografarem a peça, para eu ficar com essa recordação. Recebi essas fotos agora, passado já muito tempo. Ainda pensei que, olhando de novo, conseguisse ver a vulva que o Leonel ali vê. Mas não consigo vislumbrar mais do que um porco a regressar de um magusto, todo enfarruscado.
Qual é a tua opinião?





13 dezembro 2017

Quero mais

Não existia a história se os nossos corpos um dia não se tivessem cruzado nas linhas ténues do prazer e da entrega. Fios condutores que me puxam para ti e vice-versa. Como um íman... Tocas na minha pele e dizes que é macia, toco-te nos lábios e digo que vão ser meus.
Tocas-me na alma enquanto me entrego porque outra forma não conheço. encosto a cara ás tuas costas que , por segundos, me fazem tremer tamanha é a paz, ou será desejo?
Os contornos do teu corpo fundem-se no meu, as estrelas brilham mais, os nossos olhos brilham mais, até o vento para para espreitar o prazer de dois ímanes humanos a explodirem...
Puxas-me para ti e dizes-me ao ouvido:"és a foda da minha vida", sou naquele momento e sou até hoje, porque não encontras como eu , palavras tuas...

Sorrio e digo:"quero mais", como é meu hábito...

Pink Poison




Postalinho do castelo de S. Jorge

"Mais um pilar. Mas este deve ser muito antigo!...
Beijinhos."
Daisy Moreirinhas



Promoção! Pague um, leve dois!


12 dezembro 2017

«Aves solitárias» - Susana Duarte

as aves solitárias
moram na bainha das folhas,
migram através das nervuras,
e desfolham-se no limbo.
atravessam pecíolos,
e navegam ondas de som desfocado.

as aves solitárias
moram nos espinhos achatados,
mas almejam a endoderme do sonho.

moram na endoderme do sonho.

Susana Duarte
Blog Terra de Encanto
Facebook

Bem educado


O meu corpo podia ser como uma daquelas pessoas que só estão bem mergulhadas na dor e no desconforto. Mas eu educo-o. Imponho-lhe o prazer.

Sharkinho
@sharkinho no Twitter

Homem com pénis erecto prepara-se para penetrar na mulher

Medalha em bronze proveniente da Alemanha, do período Biedermeier (cerca de 1840). Tem uma secção ligeiramente dobrada e dois pequenos orifícios nessa zona.Na Alemanha, o período Biedermeier estendeu-se de 1815 a 1848. Em política, é associado à restauração alemã e ao desenvolvimento dos estados alemães após a era napoleónica.
Uma peça bem antiga na minha colecção.














A colecção de arte erótica «a funda São» tem:
> 1.900 livros das temáticas do erotismo e da sexualidade, desde o ano de 1664 até aos nossos dias;
> 4.000 objectos diversos (quadros a óleo e acrílico, desenhos originais, gravuras, jogos, mecanismos e segredos, brinquedos, publicidade, artesanato, peças de design, selos, moedas, postais, calendários, antiguidades, estatuetas em diversos materiais e de diversas proveniências, etc.);
> muitas ideias para actividades complementares, loja e merchandising...

... procura parceiro [M/F]

Quem quiser investir neste projecto, pode contactar-me.

Visita a página da colecção no Facebook (e, já agora, também a minha página pessoal)

11 dezembro 2017

The Brazzers - «Muffstache Comb»

Brazzers, uma das maiores produtoras porno do mundo, lançou em Novembro uma campanha de saúde masculina com o actor porno Charles Dera, em que os doadores podem receber um pequeno e divertido mimo: um pente para bigode, baptizado de "Muffstache".




«Sobre o homem "bem" homem!» - Cláudia de Marchi

Durante anos eu fui uma mulher "difícil" de ser cativada e fã de homens mais velhos. Gostava da sua segurança, do fato de serem astutos e mais experientes. Minha porção ego se enaltecia, pois eu me sentia bem tratada, cuidada, zelada.
Coisas que Freud explica. Todavia, eu era uma jovem mimada e bastante arrogante: me achava madura e, inocentemente, acreditava que nos homens mais velhos eu encontraria maturidade.
Como acertadamente disse Shakespeare, a maturidade tem mais a ver com o que aprendemos com nossas vivências do que com o número de anos vividos. Ou seja, idade, em si, não significa muita coisa.
Fato é que, além de mais velhos, por muito tempo eu me relacionei com homens machistas. Aqueles que não sabiam sequer fazer sexo oral, que dividiam o mundo em "mulher pra casar e mulher pra transar". Aliás, seguidamente penso que eles namoravam comigo, mais jovem, e que procuravam mulheres mais novinhas, para poderem exibir para os amigos e porque as mesmas jamais olhariam na cara deles e diriam: "manda outra, porque essa foda foi péssima". A mulher para os quarentões egocêntricos devem ser inexperientes, né?! Para aceitar namorar e até casar com uma "Veraneio" achando que é Land Rover, tem que ser inexperiente ao quadrado elevado à décima potência.
Eu, então, jovem, insegura, porém, "cheia de mim" me enaltecia por ser "diferente das outras", daquelas que saiam se divertir nas baladas que eu sempre tive ojeriza e viviam sua sexualidade com quem lhes interessasse.
Não que, de coração e atualmente eu admire este proceder. Acho que essa história de sair e transar com estranhos sem ao menos ter tido deles alguns bons jantares e galanteios é "facilitação" demais para a raça masculina que, costuma ser bastante narcisista. Pessoalmente, eu sempre achei a paquera e o flerte essenciais, se depois deles e do sexo não virar um romance sério é só nunca mais falar com o cara, mas nunca aceitar-se como "escoro" e transa gratuita.
Todavia, em que pese esquerdista e anti-religiosa desde os 10 anos (quando comecei a ler História), o feminismo eu conquistei ao longo da vida e de experiências bem vividas. Eu me tornei mulher, não nasci mulher, como diria a grande Simone de Beauvoir.
Logo, esses papos-cueca-suja estilo "mulher pra casar tem que ser mais nova que a gente, tem que ter transado com poucos homens, ser abstêmia, recatada e inexperiente" me soam cômicos e abjetos! Aliás, soam até autobiográficos, porque eu casei com um cara que nunca fez sexo oral em mim e nunca gozou na minha boca! Sim, nunca gozou na minha boca! E eu, tola, nunca pedi, nunca perguntei. Apaixonadinha, nova, besta, enfim, tinha medo de ser mal julgada.
Todavia, homem que é homem não se importa com o passado sexual da mulher, ele se contenta em ser o melhor, o que vai foder uma noite inteira, faze-la gritar, gemer, se revirar do avesso! Homem que é bem homem quer ser, enquanto durar, o ponto final que vai fazer a sua mulher estar sempre com o pé no acelerador! (Onde encontrará potência, diga-se de passagem!).
Enfim, pesquisas feitas por mim informam: não há macho mais sexualmente inapto do que o machista moralista. Aquele que se diverte na zona, que acha que prostituta, garota de programa ou acompanhante de luxo não merecem o mesmo respeito que suas esposas que, por sua vez, eles não conseguem nem fazer gozar intensamente!
Feliz sou eu atualmente que recebo sexo oral e carinhos deliciosos de cada cliente que atendo, que sou bem tratada, respeitada e cuidada como nenhum "amor" que eu tive soube fazer. Nada como a certeza de não ter a palavra "amor" utilizada como codinome de sexo gratuito, acomodado e entediante.

Simone Steffani - acompanhante de alto luxo!

«Dandara» - Rubros Versos


Tiago Silva

10 dezembro 2017

«coisas que fascinam (206)» - bagaço amarelo

Na literatura e nas canções sobre o Amor desprezamos a vida. Aquela de todos os dias, em que fazemos compras para o jantar, pomos gasolina no carro, pagamos a conta do gás e sentamo-nos derrotados no sofá da sala a ver um programa estúpido na televisão.
Talvez não saibamos do que falamos quando falamos de Amor e por isso só nos venha à cabeça estrelas brilhantes no céu, paisagens exuberantes, o luar no seu máximo expoente e emoções vivas e extremadas.
Temos tendência a imaginar o Amor num mundo que não existe para além do nosso desejo e da nossa imaginação. Às vezes, talvez por isso, temos até dificuldade em encaixá-lo no nosso. É verdade que se falamos de Amor numa praia deserta e no calor da noite, tendo por testemunha apenas a luz da Lua, podemos acabar num abraço e num beijo doces. É legítimo e sabe bem. Mas o beijo e o abraço mais importantes são aqueles que surgem ao fim da tarde e nos fazem acreditar que, apesar do dia de merda que tivemos, vale a pena viver.
Ninguém deve Amar ninguém apenas por necessidade, mas se o Amor serve para alguma coisa, digo eu que é capaz de ser para isso.
Se eu tivesse o direito de sugerir alguma coisa a todos os Amantes do mundo, sugeria que não se Amassem apenas quando estão de férias numa ilha paradisíaca, mas também e principalmente encalhados na fila do trânsito.


bagaço amarelo
Blog «Não compreendo as mulheres»

Saltar à corda



Fez-me relembrar (para muito melhor) este anúncio com a Marisa Cruz, no lançamento da revista Maxim...

Ó Ana!



HenriCartoon

Digital


Contam-se pelos dedos das mãos os homens interessados em preliminares e o Senhor Doutor saberá isso melhor que eu com tudo o que ouve aqui no consultório. Os mais velhos por mor de se terem iniciado no sexo com putas e isso não constar no cardápio e os mais novos, acossados com a máxima da rapidez que não há tempo a perder  só querem saber é de pôr logo uma gaja de quatro e despejar tudo no menor tempo possível.

Daí o meu espanto quando percebi que o Sting dos preliminares colocava tanta dedicação em converter-me as mamas em fruta na concha das suas mãos e as sugava como se bebesse água de coco num qualquer paraíso tropical. Os seus dedos faziam dele mil homens. Os seus dedos que não paravam de me escalar enquanto a sua língua me descia a pele até serpentear na reserva natural de mim própria, deglutindo repetidas vezes aquele bicho que dá pelo nome de clítoris ou clitóris, consoante queiramos acentuar mais o início ou o meio.

Era sempre atordoada que depois mergulhava nele a debicar-lhe o topo da glande e as esponjinhas da base não esquecendo os meus dedos de lhe garrotear o mastro que como portugueses as artes marinheiras são sempre as primeiras. Mas creia-me Senhor Doutor que eu se fosse o Cesário Verde diria que o supremo encanto da merenda era quando já sôfrega pela sua dádiva no chapéu da minha boca inclui a próstata na brincadeira com um dedinho maroto a esfregá-la afincadamente e ele jorrava como aquele menino estátua de Bruxelas.

Nabo!


Pinei tanto a noite passada que hoje não posso como uma rata pelo nabo.

Patife
@FF_Patife no Twitter

09 dezembro 2017

«foste tu ( e não o vento)» - Susana Duarte

foste tu ( e não o vento) quem derrubou as árvores
aladas dos meus braços, impondo a tirania do sal
semeado nos olhos crus de quem perdeu os dias

e, desalentado pelas noites frias, se tolheu das aves.

Susana Duarte
Blog Terra de Encanto
Facebook

Quatro livros de poesia de Casimiro de Brito

«Música nua», «Escrito no vento - Paroles de vent (Renku)» (com Zlatka Timenova), «Flor interior» e «Dois corpos nus, despindo-se - Dous corpos nus, espíndose», escrito a duas vozes, em português e catalão, com Pura Salceda.
Livros com dedicatória do autor, a juntarem-se a vários outros, na minha colecção.








A colecção de arte erótica «a funda São» tem:
> 1.900 livros das temáticas do erotismo e da sexualidade, desde o ano de 1664 até aos nossos dias;
> 4.000 objectos diversos (quadros a óleo e acrílico, desenhos originais, gravuras, jogos, mecanismos e segredos, brinquedos, publicidade, artesanato, peças de design, selos, moedas, postais, calendários, antiguidades, estatuetas em diversos materiais e de diversas proveniências, etc.);
> muitas ideias para actividades complementares, loja e merchandising...

... procura parceiro [M/F]

Quem quiser investir neste projecto, pode contactar-me.

Visita a página da colecção no Facebook (e, já agora, também a minha página pessoal)

Vão-se revezando

Crica para veres toda a história
Andrologia


5 páginas

(ir cricando em «next page»)

08 dezembro 2017

Postalinho da pereira tarada

"Pera demasiado madura."
Joyce Craveiro



«O olhar!...» - Mário Lima


Entregam-se de corpo e alma quando fazem amor. Para eles, o momento é de paixão. Não há lençóis a tapar os corpos. Amor sem limites ou fronteiras, o Amor pelo Amor!

Depois da paixão consumada, ela aninha-se nos seus braços enquanto um torpor lhe percorre o corpo e um pequeno estremecer dá a indicação que o sono tinha chegado, e vai lá ao fundo no adormecer, onde não há nuvens negras a tapar o azul do céu. Ele fica quedo contemplando o rosto daquela mulher que o amava.

Enquanto ela dormitava nos seus braços, recorda o dia em que a conhecera. Saído de um casamento desfeito pensava que nunca mais se iria relacionar com alguém. Tantos anos de entrega para nada. O relacionamento já se vinha deteriorando com o tempo, mas não se apercebera disso. Para ele tudo estava bem pois nunca ouvira fosse o que fosse que desse a entender que o casamento já não existia e que tudo se resumia a breves monossílabas trocadas.

De repente encontrara-se só. Durante uns tempos, custou-lhe a adaptar-se à nova realidade. Já não havia ninguém para partilhar a cama, para breves palavras mesmo monossilábicas, sentir a presença fugaz de quem partilhava o mesmo espaço que ele...

... E foi-se habituando. O tempo é a melhor cura para os males do coração e habituara-se a estar sozinho.

Olhava pela janela do café. Gente igual a tanta gente. Debruçava o olhar sobre o jornal onde as desgraças do mundo vinham logo na primeira página para prazer mórbido de quem as procura avidamente e assim as vendas estão garantidas.

Levanta a cabeça e vê-a. Os seus olhares se cruzam como se fosse a coisa mais natural do mundo. Mas não foi. Sentiu naquele olhar algo mais que um simples olhar. Levantou-se e dirigiu-se para a mesa onde um cheiro de mulher lhe adocica os sentidos. Pega na mão dela e junta-a às suas.

Inicialmente sente um certo retraimento, mas aquele mesmo gesto parecia que já tinha sido feito há muito muito tempo e que, afinal, aquelas mãos já se conheciam de outras eras.

Ele volta a olhar para aquele corpo adormecido! As mãos descansavam sobre o seu peito. Uma música suave envolve-o e, olhando para ela, diz-lhe sussurrando ao ouvido: - Gosto de ti, meu Amor!

Mário Lima
Blog O sonhador

#analismo - Ruim

"Estou com o período. Tens de perceber..."

"Não sou o teu ginecologista, psicólogo ou personal trainer. Não sei se usas tampões ou pensos, com abas ou sem abas. Não sei como funciona o ciclo menstrual, não quero saber e tenho raiva de quem sabe. Todos os meses também "estou naqueles dias" ao ver as contas que tenho para pagar e fico muito emocional com vontade de chorar ao olhar para o meu saldo de conta. Posto isto e levando em conta que tenho o maior e mais puro respeito por ti, posso te comer o rabo?"
De nada.

Ruim
no facebook

07 dezembro 2017

«Travado» - Porta dos Fundos

As redes sociais criam guetos e perseguem e intimidam quem põem nesses guetos

No Facebook, já por diversas vezes a minha página foi bloqueada por "conteúdo impróprio" (imagens de nudez ou de sexo). Isto quando o acesso à página está restrito a maiores de 18 anos.
Outras páginas se queixam da mesma atitude prepotente e cega por parte do Facebook.
Uma dessas páginas é a «Retablos & ex-votos», que recentemente também mostrou a sua indignação, com este «ex-voto»:
"A Nossa Senhora de Lurdes apareceu miraculosamente no preciso momento em que suspenderam a minha conta na rede social por um qualquer conteúdo sensível".
Nada erótico, Facebook!


«Deus salve a punheta!» - Adão Iturrusgarai


O meu Pipi - diário - edição de luxúria

Edição "revista e masturbada" da 1ª edição, que também faz parte da minha colecção.




A colecção de arte erótica «a funda São» tem:
> 1.900 livros das temáticas do erotismo e da sexualidade, desde o ano de 1664 até aos nossos dias;
> 4.000 objectos diversos (quadros a óleo e acrílico, desenhos originais, gravuras, jogos, mecanismos e segredos, brinquedos, publicidade, artesanato, peças de design, selos, moedas, postais, calendários, antiguidades, estatuetas em diversos materiais e de diversas proveniências, etc.);
> muitas ideias para actividades complementares, loja e merchandising...

... procura parceiro [M/F]

Quem quiser investir neste projecto, pode contactar-me.

Visita a página da colecção no Facebook (e, já agora, também a minha página pessoal)