24 abril 2018

Pendente com pendentes

Pendente em prata 925, representando um pénis erecto com os testículos também... pendentes.
Uma pequena obra de arte na minha colecção.







A colecção de arte erótica «a funda São» tem:
> 1.900 livros das temáticas do erotismo e da sexualidade, desde o ano de 1664 até aos nossos dias;
> 4.000 objectos diversos (quadros a óleo e acrílico, desenhos originais, gravuras, jogos, mecanismos e segredos, brinquedos, publicidade, artesanato, peças de design, selos, moedas, postais, calendários, antiguidades, estatuetas em diversos materiais e de diversas proveniências, etc.);
> muitas ideias para actividades complementares, loja e merchandising...

... procura parceiro [M/F]

Quem quiser investir neste projecto, pode contactar-me.

Visita a página da colecção no Facebook (e, já agora, também a minha página pessoal)

23 abril 2018

Nivea Men Body Shaving





Novas regras para limpar as matas


Si a ti te gusta, a mi me encanta

Ontem conheci uma professora de espanhol num baile de máscaras. Estava mascarada de fada e tudo corria bem até eu ter tido a infeliz ideia de me armar em engraçadinho e proferir uma frase em castelhano. Estava ela, nitidamente, a olhar para o meu saliente papo de picha, que pululava ganga acima, quando solto num perfeitíssimo castelhano um clássico da antiguidade pornográfica: “Si a ti te gusta, a mi me encanta!” O problema é que não saiu num castelhano assim tão perfeito como soou na minha cabeça e a professora não se coibiu de, prontamente, me corrigir. Explicava ela que tinha de usar um determinado movimento de língua e mais não sei o quê que não ouvi porque me perdi no movimento da língua da senhora professora. Ora, aproveitei a deixa e pedi esclarecimentos para uma aula de língua espanhola. Sou um produto da escola da experiência, por isso solicitei lições práticas. Desconfio que estivesse saturada de dar aulas teóricas, dada a prontidão em aceitar a minha proposta, e com toda a suavidade social, conduzi-a a minha casa. E oh, meu deus. Aquela língua usou recursos estilísticos em torno do meu Pacheco só ao alcance dos predestinados da linguística. Faria chorar de inveja qualquer mestre da linguística, de Rousseau a Barthes. Não haveria trava-línguas que atrapalhasse toda aquela mestria. Claramente uma mulher talhada para lamber, e, mais importante, para mostrar como se lambe a quem quiser aprender. Como superior cavalheiro, apressei-me a agradecer a semiótica sexual. É que a senhora professora até pode ter começado a noite vestida de fada. Mas acabou mascarada de foda.

Patife
@FF_Patife no Twitter

Daniel Lezama - «Forja» (2014)


Via mon ami Bernard Perroud

22 abril 2018

«traço de giz» - bagaço amarelo

Quando eu era criança pensava que os aviões deixavam no céu traços de giz. Pelo menos, embora a escalas diferentes, eram iguais aos que eu podia fazer no quadro negro de ardósia da minha escola. Claro que uma vez apanhei. Passei o recreio a desenhar percursos feitos por aviões e risquei o quadro todo. O mais grave nem sequer foram os riscos, foi ter acabado com um pau de giz inteiro. A minha professora perguntou-me o que era aquilo e eu respondi-lhe que era um céu cheio de aviões.

- Dá cá a mão!

E eu dei. Levei cinco reguadas. Nem me estou a queixar. A minha professora batia com a mesma leveza duma borboleta a pousar num ramo de árvore. De todas as reguadas que apanhei, só me lembro de me aleijar uma vez. Quando ela percebeu que tinha excedido a força, levantou-se e abraçou-me. Não chorei pela dor, mas chorei pelo abraço. Foi aquele momento de franqueza emocional de um adulto que me destruiu por dentro.
Sem ela e eu sabermos, nesse dia ensinou-me muito mais do que aquilo que era suposto. O abraço dela eternizou-se em outros abraços que entretanto recebi, quando foram iguais ou surgiram no mesmo âmbito. Alguém que me aleijou primeiro decidiu abraçar-me depois e eu chorei. Choro sempre, mesmo que não lacrimeje.
O Luís riu-se de mim quando viu a minha dor e teve que apagar todos os riscos que eu tinha feito. Alguns vinham de África e iam para o norte da Europa, outros voavam entre a América do Sul e a Ásia. Todos os riscos tinham uma origem e um destino no momento em que eu os fazia. Um voava entre Ouagadougou e Oslo, as cidades mais importantes do meu imaginário de criança. Uma porque tinha um nome giro, outra porque tinha vikings.
Nunca deixei de acreditar nos traços de giz e é assim que me lembro da minha paixão pela Joana. Tinha uma camisola com muitas riscas fininhas de cores diferentes e um casaco amarelo manchado pelo verde da relva onde nos deitávamos a olhar para o céu. Às vezes passavam algumas nuvens, outras vezes passavam pássaros ou aviões. Quando não passava nada, passávamos nós. Num beijo ou num abraço.

- Aqueles traços são de giz! - dizia eu.
- Não são nada.
- Então são de quê?
- Isso não sei, mas não são de giz.

Depois abraçava-me outra vez.
Talvez o Amor entre um homem e uma mulher tenha sempre alguma coisa dos tempos em que somos nós a desenhar o mundo e não o mundo a desenhar-nos a nós. É a maior vantagem de ser criança, aliás, podermos decidir que o mundo é o que nós queremos que seja. Mesmo no Amor.
Não sei quantos Amores já perdi por me apaixonar por mulheres que vêem o mundo como ele é e apenas como ele é. Talvez por isso mesmo este frio início de Primavera tenha sido tão quente. Deitámo-nos no chão do terraço da casa dela a olhar para um avião que voava entre Burkina Faso e a Noruega. Ela ofereceu-me um livro de banda desenhada sobre um traço de giz no meio do mar e no meio de nós. É de um autor galego chamado Miguelanxo Prado. Depois abraçou-me e disse-me que eu tinha razão.

- Razão em quê?
- Os aviões deixam traços de giz.


bagaço amarelo
Blog «Não compreendo as mulheres»

Postalinho do Parque Natural das Serras d'Aire e Candeeiros - 2

"Na praia fluvial dos Olhos d'Água do Alviela, entre várias oliveiras centenárias, esta é, sem dúvida, muito fodogénica."
Paulo M.




AtenSão à conduSão


Um sábado qualquer... - «Pornografia»



Um sábado qualquer...

21 abril 2018

«escrevia-te» - Susana Duarte

escrevia-te onde as mãos não chegam,
onde os cabelos não dormem,
e as coisas do mundo
permaneciam
ignotas.

aí, onde moram os fragmentos da paixão,
deixava, inertes, os olhos, escuros-
-adormecidos-povoados
de luz azul
e sonhos.

mortas as luzes sobre o peito,
aconcheguei nele o sol
dos poemas
de antes.

escrevo-te, ainda, onde a morte das palavras
é o recanto esquecido da dor,
e os olhos amortecem
a força das ondas
e o mar
todo.

escrevo-te, apenas, porque preciso de varrer
as folhas caídas no chão, aquelas
que deixaste, amarelas,
sobre as pedras
e o ventre.

escrevo-te, por fim,
para amainar
o vento.

Susana Duarte
Blog Terra de Encanto
Facebook

Postalinho do Parque Natural das Serras d'Aire e Candeeiros - 1

"A perda e ressurgência da ribeira dos Amiais, junto aos Olhos d'Água do Alviela, é um pequeno percurso (menos de 2 km) que permite ver a ribeira dos Amiais a ser engolida pelo maciço calcário, reaparecendo depois à superfície, passados 200 metros.
A gruta por onde a ribeira entra é uma vulva sedenta e sempre molhadinha, que sorve tudo o que lhe apareça pela frente."
Paulo M.


Tirésias - 2 - A revelação

Segundo volume do livro de Banda Desenhada de Rossi & Le Tendre.
Junta-se ao primeiro volume na minha colecção.







A colecção de arte erótica «a funda São» tem:
> 1.900 livros das temáticas do erotismo e da sexualidade, desde o ano de 1664 até aos nossos dias;
> 4.000 objectos diversos (quadros a óleo e acrílico, desenhos originais, gravuras, jogos, mecanismos e segredos, brinquedos, publicidade, artesanato, peças de design, selos, moedas, postais, calendários, antiguidades, estatuetas em diversos materiais e de diversas proveniências, etc.);
> muitas ideias para actividades complementares, loja e merchandising...

... procura parceiro [M/F]

Quem quiser investir neste projecto, pode contactar-me.

Visita a página da colecção no Facebook (e, já agora, também a minha página pessoal)

20 abril 2018