21 Setembro 2014

«Atendendo a pedidos» - Porta dos Fundos

Luís Gaspar lê «A Carne» de João Penha


Carne mimosa, carne cor de rosa
Nada mais sois, oh anjos, na poesia
Dos vates dissolutos de hoje em dia,
Nos romances de amor, hedionda prosa.

A vossa alma gentil, ideal, mimosa,
Nestas idades de descrença ímpia,
Como escondida, numa estátua fria
Sonha e não voa, de voar medrosa!

Anjos chorai o Amor! Com voz dolente
Dizei-lhe adeus! Bronco recife
Se apruma entre ele e vós, cruel, ingente:

Que par mais que de vinhos o borrife,
Ninguém gosta de ver, continuadamente,
Diante de si, fatal, o mesmo bife!

in “Novas Rimas” a Cândido de Figueiredo.

João Penha
(1838-1919)

Poeta português (de Braga), também jurista e magistrado. Introduziu o parnasianismo em Portugal.
Ouçam este texto na voz d'ouro de Luís Gaspar, no Estúdio Raposa

Uma boca


A minha boca é um túmulo de esperma.
Até este considerando nunca tinha pensado no meu estômago como um crematório.


[Foto © Margarida Pinto da Fonseca, 2006, Rasteiras da boca]

André Dhamer - Malvados


20 Setembro 2014

Homens, aprendam a abrir um soutien sem utilizar as mãos

«CALIDIVS EROTICVS» (Sexo Quente) - tabela de preços de hospedaria da Antiguidade Romana


A mais famosa e divertida tabela de preços de hospedaria que chegou até nós da Antiguidade Romana.
Achada em Aesernia (Isernia, no sul de Itália) e actualmente exposta no Museu do Louvre. Está datada de c. 50-100 d.C. A sua referência epigráfica é CIL IX, 2689.
Placa publicitária de estalagem à beira da estrada.
Disfarçada de (falsa) lápide funerária, sem dúvida para atrair a atenção dos passantes e para reforçar o efeito humorístico da inscrição.

L(ucius) CALIDIUS EROTICUS / SIBI ET FANNIAE VOLUPTATI V(ivus) F(ecit).
[Ambos os nomes podem ser lidos como jogos de palavras com conotações sexuais:]
Lúcio "Sexo Quente" fez [esta lápide] em vida para si e para [a sua mulher] "Voluptuosidade Barata"

[Cliente viajante: ] COPO COMPUTEMUS
"Hospedeiro, façamos as contas!"

[Hospedeiro: ] HABES VINI Ɔ (sextarius) I (unum) [assem unum], PANE(m) /A(ssem) I (unum),
PULMENTAR(ium) A(sses) II (duos)
"Tem um sextário de vinho [c. meio litro] e pão por um asse cada e o conduto por dois asses"

[Cliente: ] CONVENIT
"De acordo!"

[Hospedeiro: ] PUELL(am) / A(sses) VIII (octo)
"Pela rapariga são oito asses"

[Cliente: ] ET HOC CONVENIT
"Também de acordo!".

[Hospedeiro: ] FAENUM / MULO A(sses) II (duos)
"O feno para a mula são dois asses"

[Cliente: ] ISTE MULUS ME AD FACTUM / DABIT
"Esta mula leva-me à ruína!!!"

[Fonte]

Abre-latas com grande falo esculpido em madeira

Oferta (mais uma) dos Antoninos para a minha colecção.

Visita a página da colecção no Facebook (e, já agora, também a minha página pessoal)



Um sábado qualquer... - «A argumentação de Darwin (2)»



Um sábado qualquer...

19 Setembro 2014

Homens, libertem-se!

"Manifesto Homens Libertem-se!

- Quero o fim da obrigatoriedade ao Serviço Militar.
- Posso broxar. O tamanho do meu pau também não importa.
- Posso falir. Quero ser amado por quem eu sou e não pelo que eu tenho.
- Posso ser frágil, sentir medo, pedir socorro, chorar e gritar quando a situação for difícil.
- Posso me cuidar, fazer o que eu quiser com a minha aparência e minha postura, cuidar da minha saúde, do meu bem estar e fazer exame de próstata.
- Posso ser sensível e expressar minha sensibilidade como quiser.
- Posso ser cabeleireiro, decorador, artista, ator, bailarino; posso me maravilhar diante da beleza de uma flor ou do voo dos pássaros.
- Posso recusar me embebedar e me drogar.
- Posso recusar brigar, ser violento, fazer parte de gangues ou de qualquer grupo segregador.
- Posso não gostar de futebol ou de qualquer outro esporte.
- Posso manifestar carinho e dizer que amo meu amigo. Quero viver em uma sociedade em que homens se amem sem que isso seja um tabu.
- Posso ser levado a sério sem ter que usar uma gravata; posso usar saia se eu me sentir mais confortável.
- Posso trocar fraldas, dar a mamadeira e ficar em casa cuidando das crianças.
- Posso deixar meu filho se vestir e se expressar ludicamente como quiser e farei tudo para incentivá-lo a demonstrar seus sentimentos, permitindo que ele chore quando sentir vontade.
- Posso tratar minha filha com o mesmo grau de respeito, liberdade e incentivo com que apoio meu filho.
- Posso admirar uma mulher que eu ache bela com respeito, sem gritaria na rua e me aproximar dela com gentileza, sem forçá-la a nada.
- Eu sei que uma mulher está de saia - ou qualquer outra roupa - porque ela quer e não porque está me convidando para nada.
- Eu sei que uma mulher que transa com quem quiser ou transa no primeiro encontro não é uma vadia, bem como o homem que o faz não é um garanhão; são só pessoas que sentiram desejo.
- Eu nunca comi uma mulher; todas as vezes nós nos comemos.
- Eu não tenho medo de que tanto homens como mulheres tenham poder e ajo de modo que nenhum poder anule o outro.
- Eu sei que o feminismo é uma luta pela igualdade entre todos os indivíduos.
- Eu nunca vou bater numa mulher, não aceito que nenhuma mulher me bata e me posiciono para que nenhum homem ou mulher ache que tem o direito de fazer isso.
- Eu vou me libertar, não para oprimir mais as mulheres, mas para que todos possamos ser livres juntos.
- Eu fui ensinado pela sociedade a ser machista e preciso de ajuda para enxergar caso eu esteja oprimindo alguém com as minhas atitudes.
- Eu não quero mais ouvir a frase "seja homem!", como se houvesse um modelo fechado de homem a ser seguido. Não sou um rótulo qualquer.
- Quero poder ser eu mesmo, masculino, feminino, louco, são, frágil, forte, tudo e nada disso. E me amarem e aceitarem, não por quem acham que eu deva ser, mas por quem eu sou. E por tudo isso, não sou mais ou menos homem.
- Quero ser mais que um homem, quero ser humano!
- O machismo também me oprime e quero ser um homem livre!"




Co-fundadora do The Living Theatre, Judith Malina, convida: "Homens Libertem-se! / Men Get Free!" from Maíra Lana on Vimeo.

«A albarda» (2)



Círculo de Nicolas Vleughels (Paris 1668 - 1737 Roma)
«Le bât» (The pack saddle / A albarda)
Óleo sobre tela
23.5 x 17.5cm
Bonhams

Via Bernard Perroud

«O plano da guerra» - João

"As grandes cartas estavam espalhadas sobre as mesas. Esquadrias, coordenadas, curvas de nível, toda a geografia das curvas estava traçada naqueles papéis, e em folhas rabiscadas a lápis, com adições e subtracções, fracções, e ocasional parábola. De braços esticados sobre as mesas, olhavam, cada um, para os seus planos, os seus esquiços. A questão continuava sobre as mesas. Como dar seguimento a isto? Faziam estes raciocínios em perfeito e absoluto silêncio. Pesado. Depois, pousando as réguas e esquadros, guardando transferidores e compassos, sairam fechando as portas atrás de si. Algures no caminho cruzaram-se. Olharam-se. A princípio sérios, seráficos, isentos de emoção. Depois, a pouco e pouco, desenharam-se ligeiros sorrisos nos rostos, e avançaram um para o outro, sempre num perfeito silêncio, que deixara de ser pesado, era apenas silêncio. Abraçaram-se muito longamente. Vários minutos seguidos, abraçados, calados, a ouvirem-se respirar, a cheirarem-se um ao outro, a deslizar as mãos vagarosamente nas costas um do outro. Nem uma palavra. Só brisa e tacto. Por fim, ganhando alguma distância entre si, olharam-se de novo, estavam ambos humedecidos no olhar mas ainda com um sorriso desenhado, beijaram-se os lábios muito delicadamente, e recuaram, sem nada dizer, nada perguntar, nada afirmar. Tudo havia sido dito naquele abraço e selado num beijo. E voltaram à mesa, cada um deles, com as cartas espalhadas, as geografias das curvas com esboços e contas, o plano da guerra todo traçado."
João
Geografia das Curvas

Postalinho diurético

"A Font dels Pissaïres (Fontaine des Pisseurs - fonte dos mijões) glorifica as virtudes diuréticas das nascentes de águas quentes termais de Lacaune, conhecidas desde a antiguidade.
Os cônsules de Lacaune tiveram autorização de a erigir em 1399. Foi terminada em 1559. Encontra-se na Praça Griffoul, no centro da cidade. Está classificado como monumento histórico desde 1913.
Ah! E Lacaune lê-se Lacône..."
São P.





18 Setembro 2014

«The World Naked Bike Ride» - Londres (2014)


The World Naked Bike Ride, London (2014) from Richard Agnew on Vimeo.

Postalinho Expresso

"O jornal Expresso de 30 de Agosto tinha um artigo sobre os nadadores salvadores, intitulado «Bandeira vermelha no socorro».
O que o nadador salvador, à esquerda na foto, traz às costas é que não parece uma bandeira..."
Nelson S.



Revista trimestral Maisonneuve - Canadá - Fall 2014

Revista cujo artigo de capa é: «How I learned to keep worrying but still love porn» (como eu aprendi a continuar a preocupar-me mas, mesmo assim, a amar a pornografia).

Oferta do meu amigo Chico Torreira para a minha colecção, especialmente enviada do Canadá por mensageira privada e pessoal. Um luxo!

Visita a página da colecção no Facebook (e, já agora, também a minha página pessoal)


Não é só o algodão que não engana!

Crica para veres toda a história
Humanos!


2 páginas
(crica em «next page» para avançares)

17 Setembro 2014

«origine du monde» (origem do mundo)


origine du monde from Froment Catherine on Vimeo.

«conversa 2101» - bagaço amarelo

Ela - Tens uma cara que transmite confiança a uma mulher.
Eu - Porquê?
Ela - Estive a ler sobre isso. Homens com a face como a tua, ligeiramente arredondada, são mais confiáveis do que aqueles que têm uma cara mais quadrada.
Eu - Confiáveis em que aspecto?
Ela - Não traem a mulher e são mais carinhosos.
Eu - Ah! O teu marido tem a cara arredondada também?
Ela - Claro que não. Credo!


bagaço amarelo
Blog «Não compreendo as mulheres»

A Nu






Tempo é dinheiro (se o sexo for pago)



16 Setembro 2014

Sobre o "polémico" e badalado strip nos jardins da Associação Académica de Coimbra

Depois deste episódio, nada melhor do que alguém nos contar um episódio anterior... do tempo em que estas coisas não «explodiam» nas redes sociais e nos órgãos (não sexuais) de comunicação social:

"Sobre o «polémico» e badalado strip nos jardins da Associação Académica de Coimbra, permitam-me contar uma história verídica (sublinho: verídica) ocorrida exactamente no mesmo local, que eu presenciei.
Já aconteceu sexo ao vivo naqueles mesmos jardins. Eu estava lá e vi. E foi em pleno dia. E havia bastante gente à volta. Claro que houve aquela risada que se pode esperar e tal. Mas nesse caso não vi nem a suposta indignação posterior que este strip de agora gerou, nem a AAC a emitir comunicados, nem falatório no dia seguinte sequer... quanto mais o país todo saber. Se bem me lembro, acho que nem houve alguém que se dignasse a tirar uma fotografia para a posteridade. Nada. E, repito, aconteceu sexo, coito!, ali, à frente de toda a gente, à luz do dia, nos jardins da AAC. Ninguém interrompeu... nada. Foi do início ao fim, com ambos a satisfazerem a sua necessidade do momento. Findo o acto, o cão e a cadelita foram à sua vida. E, tirando este post que aqui publico hoje, nestes anos que já passaram sobre o episódio, nunca vi nem ouvi qualquer referência ao caso, em lado algum. Enfim..."
Marco António

ps - Ah... tenho a esclarecer que estava mesmo (MESMO!) a falar de canídeos. Não de posição (humana) à canídeo ou de chamar cão e cadelita a animais que dizem coisas a sério e não "Béu! Béu!"

A breve sensação de um orgasmo

Olás...

Existem mulheres que fingem o orgasmo. Fingem para não se sentirem diferentes. Fingem para satisfazerem o parceiro. Fingem a vida inteira, enquanto fazem sexo.

E fico me perguntando:"Como fingir algo que é tão... singular, único?!"

Cada pessoa tem um jeito de chegar ao orgasmo e, quando lá chegam, fazem diferentes estardalhaços (ou não).

Existem aqueles que uivam. Os que gritam. Outros gemem gemidos diferenciados, num ritmo frenético, ou cadenciado. Há até aqueles que choram!

Eu simplesmente sorrio, rio. Sorriso leve, de satisfação. Sorriso de quem está na plenitude.

Existem orgasmos cuja sensação leva-nos aos Céus, Lua, Nuvens... ou até mesmo às paredes.

É algo difícil de explicar para quem nunca o sentiu, a dois. Mas também mais difícil de explicar quando não existe o dois e vai-se em um mesmo. Aqueles intermináveis segundos são... são... orgasmos! Únicos. Múltiplos. Vontade de muito mais.

O orgasmo não precisa ser "orquestrado"; nada de receitas, ou regras. Basta se deixar sentir, envolver-se; deixar-se tocar.

Os corpos sabem quando será o momento certo: por vezes duram mais do que determinaram que devesse durar. Outras, bastam 5 minutos entre o querer e o gozar.

orgasmos de todos os tipos. A um, a dois, a três, para quem goste assim.

Mas ainda prefiro o sussurro a dois; os gemidos e palavras sacanas só nossas. Só não podemos fingir!

Se fingir, não tem graça, não tem sabor, não tem prazer. Melhor mesmo são aqueles segundos benditos, bem ditos... só a nós dois.

Orgasmos nos fazem viver.

Mamãe Coruja

«o poema é o refúgio antigo do esquecimento» - Susana Duarte

o poema é o refúgio antigo
do esquecimento, e a fuga
a partir da qual se encadeiam sonhos
breves e noites azuladas. o poema
é a força gravítica dos seres
e a atração pelo abismo da palavra
nua, a palavra-pedra,
o corpo que se descreve
e, no outro, se inscreve.
o poema é o refúgio antigo
dos sonhos breves, e as palavras
de fogo que nele habitam.
o poema é a língua da terra,
o húmus e o sal,
e os olhos do ventre.

Susana Duarte
Blog Terra de Encanto

Abelha a mamar num… biberão?!

Abelha feita à mão, em lã.
A senhora que fez esta abelha supostamente não pretendia que tivesse uma conotação erótica… mas veio direitinha para a sexão «o que não era suposto ser erótico» da minha colecção.

Visita a página da colecção no Facebook (e, já agora, também a minha página pessoal)







15 Setembro 2014

«Anemokol» - remédio para tudo no Brasil dos anos 80

Postalinho dos dois em um

"As unhas podem ser pintadas de forma a darem dois efeitos: corações... e caralhos"
Mariana M.



«respostas a perguntas inexistentes (278)» - bagaço amarelo

Nunca dei importância à palavra “estranho”, pelo menos quando ela se aplica a alguém. Por um lado, porque acho que somos todos únicos. Por outro, porque independentemente de sermos únicos também temos todos o mesmo valor. As nossas especificidades têm sempre como denominador comum o facto de sermos um grupo de átomos de carbono.

É por isso que me lembro tão bem do momento em que conheci a Irina. Foi a única pessoa a quem associei a palavra “estranha” assim que a conheci. Não que ela tivesse um aspecto esquisito ou outra característica física qualquer fora do normal. O que se passou foi que, desde o primeiro momento, me pareceu uma pessoa totalmente racional e sem pingo de sistema nervoso ou emoção.

De resto, e se eu fizesse um esforço para atribuir uma emoção qualquer à sua face petrificada, era uma mulher bastante atraente. Tinha a pele muito branca, com alguns sinais bem visíveis, e uns cabelos longos e pretos que pareciam ter sido acabados de esticar.

A forma como a conheci também não foi muito normal. Os nossos olhares não se trocaram directamente, mas sim através do nosso reflexo no vidro do comboio. Ela estava a olhar para o meu reflexo e eu para o dela. Quando eu sorri ela falou pela primeira vez.

- Não te preocupes – disse – Quase todas as pessoas que viajam com um desconhecido à frente optam por analisá-lo a partir do reflexo no vidro.
- Não te estava a analisar – respondi.
- Estavas, estavas, só que não sabes.

Aquela certeza toda começou por me irritar e foi nesse momento que pensei que aquela mulher era estranha. Ainda assim, e porque entre Aveiro e Lisboa a viagem era de quase três horas, acabei por ir a conversar com ela até ao nosso destino comum. Às vezes olhávamo-nos directamente, outras vezes através do reflexo na janela.

Com o tempo eu fui falando cada vez menos e ela cada vez mais, até que eu acabei por me tornar num mero ouvinte do que ela tinha para me dizer. Isto aconteceu porque ela parecia saber tudo sobre mim. Não que soubesse factos concretos como a minha idade ou estado civil, mas sim como eu me sentia e como eu pensava em cada momento ou situação. Comecei a sentir-me cada vez mais transparente aos olhos dela, como se fosse apenas um reflexo, e acabei por me silenciar.

Foi então que ela me disse para eu não me assustar. Explicou-me qualquer coisa sobre existirem várias dimensões e nós não passarmos de apenas uma projecção. Disse-me que tem a capacidade de sentir que nós não estamos sozinhos porque sente constantemente outros seres inteligentes à nossa volta. Aquilo pareceu-me conversa de alguém alcoolizado ou sob o efeito de drogas. Ainda assim, por qualquer motivo, não me deu para rir. Segundo ela, todos nós vivemos da forma como nos tínhamos acabado de conhecer, ou seja, como uma série de reflexos que se confundem uns com os outros e com a própria paisagem.

Em Santa Apolónia despedimo-nos um do outro com dois beijos na face. Ela apanhou um táxi e eu segui a pé até à casa dum amigo que ia visitar. Pelo caminho fui sempre a pensar na sua última frase, até porque eu não lhe tinha dito nada sobre o assunto.

-Ah! Compreendo que me aches estranha! - disse.
Penso sempre nela quando vejo o meu reflexo numa janela.


bagaço amarelo
Blog «Não compreendo as mulheres»

Coisas sem explicação

Existem algumas mulheres que são exatamente assim.



E esse é o tipo do cara: “ah, nem queria mesmo…”

Capinaremos.com