25 Outubro 2014

Rui Machete

em nova polémica sobre as jihadistas portuguesas
  Raim on Facebook

Lenny Kravitz - «The Chamber»

«Bela, viúva e misteriosa» - por Rui Felício


Deve ter pouco mais de trinta anos...
De uma beleza exótica, a Catarina sorri simpaticamente aos vizinhos mas não lhes permite conversas prolongadas que invadam a sua privacidade ou destapem o secretismo da sua vida.
Mora numa vivenda isolada em frente ao mar, na Ericeira, e muito se estranha que não se lhe conheça nenhum namorado ou sequer amigo próximo.
Estranheza que aguça a curiosidade em se saberem os contornos e circunstâncias da sua viuvez,dando origem às mais díspares conjecturas e suspeições.
Realmente, aquela lindíssima mulher ainda jovem já enviuvou duas vezes em tão pouco tempo, não se descortinando nenhum homem que procure aproximar-se dela. Talvez porque ela nem sequer dê azo a que tal aconteça, por razões que só ela sabe.
O Paulo, que vivia sozinho na vivenda ao lado da dela, reparava que todas as noites ela mantinha a luz da sala acesa até tarde, parecendo estar acompanhada. Mas a verdade é que através das cortinas ele não via mais ninguém a não ser ela.
Ontem à noite ele não resistiu mais. Pé ante pé, saltou a sebe que separa os quintais, aproximou-se da janela entreaberta e agachou-se rente ao relvado atrás de um arbusto.
A misteriosa mulher, elegantemente vestida, estava sentada à mesa com três copos à frente.
Desrolhou uma garrafa de champanhe e verteu o capitoso líquido em cada um dos três copos.
O Paulo apenas a via a ela, mas supunha adivinhar a presença oculta de mais duas pessoas.
Especialmente quando ela ergueu o seu copo e disse:
- Tchim-Tchim, brindo aos dois únicos amores da minha vida!
Decididamente, a mulher tinha enlouquecido e confraternizava sozinha com as recordações dos seus dois maridos falecidos, o Guilherme e o António.
Era a conclusão evidente a que o Paulo chegou, entristecido.
Decidiu levantar-se e regressar a casa, satisfeita que estava a sua curiosidade.
Ainda não tinha dado dois passos, sentiu uma mão gélida tocar-lhe no ombro. Virou-se assustado, olhou em redor mas não viu ninguém.
No entanto, uma voz cavernosa ecoou-lhe nos ouvidos:
- Por favor entre! A Catarina precisa de uma companhia de carne e osso...
O susto foi-lhe fatal.
O Paulo, aterrorizado, sucumbiu, estremeceu e caiu redondo no chão com uma síncope cardíaca.
O Guilherme, olhando o corpo inerte, sentenciou:
- Amigo António, agora é que na Ericeira nunca mais ninguém vai deixar de falar das viuvezes da Catarina...

Rui Felício
Blog Encontro de Gerações
Blog Escrito e Lido

Lote de 9 selos e um bloco

Selos e um bloco de Ajman (menor dos Emiratos Árabes Unidos), Roménia e União Soviética, da minha colecção.

Visita a página da colecção no Facebook (e, já agora, também a minha página pessoal)



A electricidade estática explicada numa imagem


24 Outubro 2014

«Modern Man» - uma retrospectiva de nudez artística por Brent Ray Fraser


"Modern Man" - An artistic nude retrospect by Brent Ray Fraser from Brent Fraser on Vimeo.

Postalinho de Braga

"Vitrine de loja em Braga."
ZM




«Porcalhão» - João

"Uma amiga minha – de meter respeitinho, que é bem mais alta que eu, fala alto e arregala muito os olhos quando se aborrece, apesar de no íntimo ser uma querida – partilhou há dias uma imagem na sua rede social de eleição com a frase “I don’t have a dirty mind, I have a sexy imagination“, dizendo ela ser uma frase que pertence ao conjunto de coisas que a faz lembrar-se de mim. Passada a ternura do momento – que a teve, é bom lembrarem-se de nós, especialmente por coisas que aquecem o coração -, dei por mim a sorrir com a frase e a pensar que, vendo bem, é muito assim. Poderá até ser duplamente assim, uma imaginação sexy numa mente porca, mas nunca sei muito bem porque se diz ou pensa que uma mente que encontra sexo em todo o lado, mesmo debaixo do tapete, é uma mente porca. Será o sexo porco? Ou não será o sexo tanto melhor quanto mais porco? Não será o sexo tanto melhor quanto mais molhados e besuntados de cona estão os caralhos? Quanto mais molhados estão os tomates das conas que pingam? Se for por isso, então concordo que as mentes com muito sexo são mentes porcas. De outro modo, rejeito a noção. Uma mente que vive sexo é uma mente que está a fazer aquilo para o que foi programada pela natureza: pinar, foder, o que quiserem chamar-lhe. Está a viver um talento. Sem mentes porcas a humanidade implodia. Entretanto, se passarem por mim e me virem sorrir, é muito provável que esteja a saborear um pensamento porcalhão, uma qualquer associação de ideias que no final me faz pensar, em silêncio para os meus botões, que sou um caso perdido. Mas bem perdido. E muito sexy. Por dentro, at the least."
João
Geografia das Curvas

Quem quer ser inteligente?



HenriCartoon

Mamas! Mamas! Mamas! Mamas!...

Crica para veres toda a história
A ilha das tetas


2 páginas

(cricar em «next page»)

23 Outubro 2014

«Sou feita de versos» - poema de Vera Sousa Silva - diz Luiz Vinagre

Eva portuguesa - «Se»

Se voltássemos atrás fazíamos as mesmas escolhas? Tomaríamos as mesmas decisões?
Se o passado fosse futuro e o presente fosse passado, o que iríamos mudar? Que caminhos seriam evitados e quais as estradas que iríamos percorrer?
Se o tempo não fosse absoluto, imutável; que desculpas evitaríamos? E que erros iríamos cometer?... Os mesmos? Outros?...
Quereríamos ser quem somos ou também a nossa essência seria outra? Inventávamo-nos?... Recriávamos quem somos e o que somos?....
Arriscávamos mais ou menos? Teríamos a mesma vida?
Acho que no fundo o que pretendo saber nesta auto reflexão é se sou quem quero ou se me posso melhorar.... E se tenho a vida que quero, com tudo o que tem de positivo e de menos bom ou, se pudesse, sacrificaria tudo o que me é de mais sagrado; sacrificaria a minha própria pessoa só para poder recomeçar?.....
Se o passado fosse futuro, iria eu querer vivê-lo?....
E tu?


Eva
blog Eva portuguesa - porque o prazer não é pecado

A vida amorosa no Antigo Egipto - sexo, matrimónio e erotismo

Em “A Vida Amorosa no Antigo Egipto” encontramos 13 capítulos que desvendam os segredos do amor e da intimidade vivida no Antigo Egipto. A obra foi cuidadosamente construída tendo por base os poemas amorosos do Reino Novo, os poucos fragmentos de cerâmica utilizados como suporte da escrita, pinturas murais de cenas explícitas descobertas em escavações arqueológicas, o papiro erótico de Turim, amuletos sexuais e as escassas referências literárias e mitológicas sobre o assunto. A masturbação, a sedução, as loucuras por amor, o matrimónio, a gravidez, o aborto, as orgias, a luxúria, a preversão, a prostituição, os abusos sexuais, a homossexualidade do Vale do Nilo, a dominação e a submissão ou os afrodisíacos são apenas alguns dos temas explorados pelo autor em textos de média dimensão e de interessantíssima leitura. Esta obra da Esfera dos Livros, amplamente ilustrada, resulta da investigação histórica rigorosa de José Miguel Parra Ortiz, especialista em História Antiga e no Antigo Egipto, em particular. Uma nota também para a inclusão de uma reprodução do papiro erótico-satírico de Turim em desdobrável, numa reconstrução do seu estado original.
(in Livros e Leituras)

O livro nº 1779 da minha colecção.


O papiro erótico de Turim original:


Uma reprodução do papiro, idêntica à do desdobrável deste livro:


Visita a página da colecção no Facebook (e, já agora, também a minha página pessoal)

Postalinho da Turquia

"Como prova junto, é impossível ver o teu blog na Turquia!
Beijo
Daisy"

ps - Erisim Engellendi (com cedilha no "S") quer dizer em turco "acesso negado".


Detalhe:

22 Outubro 2014

o sexo do supremo

Raim on Facebook

Velhas Virgens - «abre essas pernas»

«a violência feminina» - bagaço amarelo

Na verdade, não tenho nenhum exemplo de casamento feliz à minha volta. Digo isto com alguma segurança desde que percebi que, para a maior parte das pessoas, a felicidade num casamento vem sempre temperada com alguma resignação. A F. não foi excepção.

- O meu casamento foi bom! - disse ela.

Nessa altura já estava na fase de arrumar todos os livros que tirara das suas inúmeras e preenchidas prateleiras para me ler, a espaços, uma frase escolhida de cada um. Eu estava impressionado com a sua capacidade para memorizar frases chave de romances e, admito, ainda mais por ser capaz de as encontrar com relativa facilidade.

- Quer dizer... não foi mau. - continuou.

E eu ri-me, não por achar piada à frase mas porque não sabia como reagir. Aquela verdade deixava-me nervoso porque ia de encontro ao que eu acabara de concluir nos meus trinta e cinco anos de vida: um casamento bom é um casamento que não é mau.
A F. ia organizando os livros por autores. As frases todas que me lera estavam preenchidas de vida. De Amor, de ódio, de viagens, lágrimas e abraços. Talvez em silêncio tenhamos tirado mais ou menos a mesma conclusão. Os nossos casamentos, por pouco maus que pudessem ter sido, tinham-nos tirado essa vida que ela acabara de resgatar daquelas páginas soltas.
Assim que a mesa ficou desimpedida, desapareceu por um minuto ou dois e voltou com uma garrafa de uísque e dois copos. Ela própria nos serviu, sem me perguntar se eu queria beber ou se preferia puro ou com gelo. Dei o primeiro gole apenas para lhe mostrar que estava de acordo com tudo. Depois cruzei as mãos e foi a primeira vez que a olhei olhos nos olhos. Reparei que era das mulheres mais bonitas que eu já tinha visto.
Enquanto o seus cabelos pretos lhe banhavam os ombros como uma suave maré cheia, fui percebendo a forma como o seu ex-marido se apaixonara perdidamente por ela muitos anos antes. Provavelmente, eu estava a viver exactamente as mesmas sensações que ele. O ar começava a entrar e sair dos meus pulmões com alguma dificuldade e não encontrava as palavras certas para lhe responder a nada. Acabei por dar um gole sôfrego no uísque e tentar concentrar-me no que ela dizia.

- As mulheres têm uma violência dentro delas que os homens não são capazes de perceber.
- Ahn?! - estava assustado.
- Durante anos observei a lenta degradação do meu casamento na expectativa de que o meu marido se apercebesse do mesmo que eu. Queria que ele chegasse à conclusão que o nosso Amor não merecia acabar assim, como um velho que se vai encolhendo até morrer...
- E ele apercebeu-se?
- Claro que não. Todos os dias saía de casa para trabalhar e voltava como se tudo estivesse normal, mesmo naquelas fases em que passávamos dois meses sem sexo. E eu todos os dias ia tendo cada vez mais pena dele...
- É essa violência que dizes que só as mulheres é que têm?
- Sim, exactamente. Observei-o durante anos como se ele fosse um rato de laboratório, porque era isso que ele era de facto. Até que um dia me cansei de o estudar e pus fim àquilo tudo com o divórcio.

Depois disto ela calou-se e senti os seus olhos, pesados, sobre mim. Naquele preciso momento o rato de laboratório era eu, que passara dum desejo enorme de a levar para a cama para uma estranha sensação de incapacidade total para fazer fosse o que fosse.
Imaginei-me, também eu, a ser o objecto de pena da minha companheira de vários anos. A sair todos os dias e a voltar para casa debaixo do seu olhar estudioso, mesmo quando passávamos dois meses sem sexo. Imaginei-a a questionar-se sobre o meu comportamento mecânico e diário, como se fosse possível assim fugir à desilusão da própria vida.
Com o terceiro gole acabei o uísque e, sem pedir licença, servi-me de outro. O copo da F. ainda estava cheio.
Acabara de me aperceber que eu próprio, sem ser capaz de o perceber, sentira essa violência feminina durante anos, como se um chicote silencioso todos os dias me abrisse mais uma ferida invisível na pele. A normalidade da vida passara a ser uma merda e eu adaptara-me cobardemente a ela. Mesmo assim, apesar de tudo, tinha sido ela a salvar-me, essa violência feminina.
A F. ainda me olhava em silêncio, com um sorriso que indicava ser capaz de ler os meus pensamentos.

- Vamos para a cama? - perguntou.
- Sim.


bagaço amarelo
Blog «Não compreendo as mulheres»

Passo a passo



21 Outubro 2014

«Voando só: uma viúva transgénero luta contra a discriminação» (documentário)

Aos 92 anos de idade, Robina Asti, um veterano e piloto da Segunda Guerra Mundial, conta a sua história de vida como uma mulher transexual desde 1976 e a sua luta para ser tratada como qualquer outra viúva.


Flying Solo: A Transgender Widow Fights Discrimination from Lambda Legal on Vimeo.

Pequenos mas trabalhadeiros: erguei-vos!

Farto-me de ouvir elogiar os pequenos prazeres da vida. Avancem sem medos, companheiros de luta menos avantajados.

«de todos os momentos que foste» - Susana Duarte

de todos os momentos que foste, talvez não saibas ainda que o mais belo
foi o momento que antecedeu o beijo. foi o momento que o antecedeu,
e não o beijo, que mudou de lugar as madrugadas, moveu o ar das noites
e o luar das minhas manhãs. de todos os momentos que foste, o mais belo
foi a antecipação do futuro, ainda que, depois, se tenham perdido todas
as madrugadas das mãos. de todos os momentos que foste, o mais belo
foi aquele em que o abraço antecipava amoras, e as amoras eram beijos
rubros tingindo a manhã. de todos esses momentos, foste apenas um raio
de sol perdido entre os meus olhos. nada mais foste, pois não soubeste
raiar de luz as escolhas da tua vida. de todas elas, a mais fácil foi partir.
de todas elas, a mais imperdoável, foi partir. dos teus dedos, nada mais
ficou dos momentos que antecipavam o beijo, senão a mágoa das noites
sem dia, e dos dias em que te foste. de todos os momentos, a maior mágoa
é não teres sabido ser. de todas as madrugadas, esta será a mais triste.

Susana Duarte
Blog Terra de Encanto

Diabo com enorme falo leva uma mulher num carrinho de mão

Pequena mas maravilhosa, pelo seu detalhe, estatueta em bronze com base em mármore.
Uma das minhas peças favoritas da colecção.

Visita a página da colecção no Facebook (e, já agora, também a minha página pessoal)





20 Outubro 2014

Delta Lingerie - «Grandma's Underwear» (a roupa interior da avó)


Delta Lingerie: Grandma's Underwear from kobi cohen on Vimeo.

«respostas a perguntas inexistentes (284)» - bagaço amarelo

depois de uma paixão de uma só noite

A partir da ponte, o Porto parece uma cidade de brincar. Uma criança qualquer desenhou uma série de casas, umas em cima das outras, e pintou-as da forma mais colorida que pôde. É bonito, aquele quadro do qual me afasto lentamente em direcção ao sul. Ainda ontem eu próprio fazia parte dele. Era mais um pequeno ponto daqueles que se passeiam à beira-rio como se andassem à deriva.
Afastar-me desta cidade lembra-me sempre o dia em que me despedi da S. Ela à janela, com as madeixas coloridas no cabelo, a ficar cada vez mais pequenina e eu em direcção ao sul, a pensar que ainda ontem tinha passeado nela como quem anda à deriva.
O problema das paixões de uma só noite é o dia seguinte, quando nos afastamos e entregamos todas as dúvidas sobre um Amor a um copo de uísque, à espera que ele nos explique aquilo que ninguém sabe. Sentamo-nos num balcão qualquer com um misto de tristeza e alegria, acho eu que tristeza por estarmos novamente sós e alegria exactamente pelo mesmo motivo, pedimos uma bebida e o tempo senta-se ao nosso lado a beber também até perder a noção de si mesmo.
Depois dessa paixão de uma só noite ficou um limbo, um vazio qualquer cheio de nada, e eu a perguntar ao uísque se devia ou não dizer-lhe qualquer coisa que fosse. Talvez o Amor só se dê quando não há dúvidas, quando nos atiramos a ele como uma criança para uma onda do mar, e enquanto o Amor não se dá o Não Amor vai remendando a alma.
O Porto é a minha cidade do Não Amor. Apaixono-me por ela todos os dias, sempre com dúvidas e hesitações.
O uísque respondeu-me que a S também não tinha dito nada. Depois de uma paixão de uma só noite.


bagaço amarelo
Blog «Não compreendo as mulheres»

Revelações indesejadas

Cuidado com seus desejos.



Capinaremos.com

19 Outubro 2014

«Boobies... not a big deal» (mamas... não são lá grande coisa)


Boobies from Caity Hall on Vimeo.

Luís Gaspar lê «Ante o silêncio» de Manuela Barroso


No silêncio onde mergulhas a flor do pensamento verás
que nas pétalas da gente o vento não tem a força nem o
canto dele vence a eterna dança do Amor

No homem como na flor continua a valsa do vento
umas vezes
é trigo amargo
outras é mel onde trago
leve aragem ao pensamento

Na floreira da vida quando os ventos estremecem
o caule da flor tardia

os olhos escurecem perante a flor murchando
onde sem seiva fenecem os sonhos
que vão morrendo na flauta do vento.

(Do livro “Laços”, de Manuela Barroso e Teresa Gonçalves. Ed. Versbrava.)

Manuela Barroso
Maria Manuela Barroso Nogueira Martins Ferreira de Castro nasceu em Terras de Bouro. Frequentou a Universidade do Porto, onde se licenciou em Filologia Românica. Foi professora do Ensino Secundário, lecionando as disciplinas de Português e Francês.
Ouçam este texto na voz d'ouro de Luís Gaspar, no Estúdio Raposa

O sexo duplo dos cangurus


Esse simpático mamífero marsupial que conhecemos como canguru, tal como aparece nos desenhos animados, pratica mesmo kickboxing disferindo murros e chutos nos outros machos, para conquistar o direito de acasalar com uma fêmea. Às vezes, até mordem e arranham histericamente.

Como são altamente sociais, vivem em grupos de 10 ou mais gajos e gajas, onde os machos formam uma hierarquia, baseada na idade e no tamanho, que confere ao gajo dominante o acesso exclusivo às gajas para acasalar mas que lhe dá também uma trabalheira desgraçada em rondas constantes às suas fêmeas, para monitorizar se estão em fase reprodutiva e carecem dos seus serviços ou se há necessidade de intimidar os outros machos que vão tentando acasalar com elas.

Como o canguru tem um pénis bifurcado gerou-se a lenda de que tinha dois mas é a gaja que tem dois úteros e duas vaginas laterais, para a passagem do esperma, o que é um sistema muito prático para um tripla gestação porque enquanto um está a mamar nas quatro tetas - duas das quais dão leite continuamente - no quentinho do marsúpio, pode estar outro a gerar-se e outro ainda ainda em estado de stand by, tanto mais que as crias nascem através de um canal central independente, dita a vagina mediana ou o canal pseudovaginal, que se desenvolve no primeiro parto.

No entanto, tanta abundância nos cangurus não pode entristecer os humanos, que junto com os golfinhos são as únicas espécies que fazem sexo por prazer.



Postalinho de Cepões

"A carrinha da Junta de Freguesia de Cepões tem uma alavanca das velocidades muito interessante.... e é preciso ter mãozinha para aquilo..."
Paulo M.