02 Setembro 2014

Falos com patas e caudas montados por homens em redor de uma vulva

Base de mesa em metal para panelas, com 18 cm de diâmetro.
A partir de agora, na minha colecção.

Visita a página da colecção no Facebook (e, já agora, também a minha página pessoal)







01 Setembro 2014

Ana... quê?!


Durex - «Farewell Elizabeth» (adeus, Isabel!)

Postalinho espanhol (8)

"Não me admira nada que os descobridores portugueses tenham visto sereias no mar e ninfas no Tejo.
Eu também tive uma miragem dessas na Ruta del Cares, nos Piços da Europa.
Se eu fosse Camões, seria ali a Ilha dos Amores do meu canto IX..."
Paulo M.






«conversa 2097» - bagaço amarelo

Ela - Desconfio que o meu marido me anda a trair com outra.
Eu - Porquê?
Ela - De repente tornou-se super carinhoso e meigo comigo.
Eu - Ele ser carinhoso contigo quer dizer que te anda a trair?!
Ela - Sim, porque na cama continua a ser um zero à esquerda.


bagaço amarelo
Blog «Não compreendo as mulheres»

Amizade é eterna até que passe Ela

Amigos amigos, mulheres desastre.


Capinaremos.com

31 Agosto 2014

Instalação de Spencer Tunick em Viena (Áustria)


Spencer Tunick Installation: Vienna from the gentle mind corporation on Vimeo.

Jennifer Lopez nos MTV Music Awards 2014 (um post bem comprido)




Com uma volta na ponta


Valha a verdade que ele é bom numa coisa: a penetrar-me como se não houvesse amanhã e esse fosse o seu único objectivo de vida. É daquelas recordações que me intumescem e humedecem mas aceitar um ex de volta parece-me um resto de comida requentada no microondas e creio piamente que ele só quer regressar para entrar por mim adentro.

Não me esqueço da seca da canja de galinha refeição sim, refeição não, nem das noitadas pelas discotecas, que se até são uma coisa pela qual me pelo e que me dão vontade de despir todinha mas depois metiam pelo cano toda a intimidade com o séquito que ele carregava para todo o lado como se para ser homem não lhe bastasse estar comigo e precisasse de umas quantas cabeças de cães de carro dos anos sessenta a acenar à velocidade do condutor. Já para não falar que tive de contratar mais cozinheiras para estar sempre uma de serviço a qualquer hora e um gajo a tempo inteiro para tratar da piscina que até valia o dinheiro que lhe pagava por mor de bem me lavar as vistas com aquele torso nu de inverno ou de verão de uma musculatura segura de vinte e poucos aninhos. Uma tenrura que fazia salivar o palato de qualquer uma.

Ora como sou prática, vou antes ser accionista da farmácia por via da compra de preservativos de todas as cores e sabores e deixo-o reaparecer apenas em unidose.

[Ilustração: © Filip Bojovic ]

Fica, vai ter bolo



Renan Lima
Dentro da Caveira

30 Agosto 2014

Movimento


Movement - Ivory (NSFW) from Modular People on Vimeo.

Prioridades do caralho

Há coisas das quais quanto mais temos, mais queremos.
Se vos ocorreu o dinheiro, pensem antes em sexo.

Lote de 65 pins

Pins de diversas proveniências e em vários materiais, que fazem parte da minha colecção.

Visita a página da colecção no Facebook (e, já agora, também a minha página pessoal).


Um sábado qualquer... - «Behemoth e Cérbero»

Behemoth - é o nome de uma criatura descrita na Bíblia, no Livro de Jó, 40:15-24, tradicionalmente associada à de um monstro gigante, podendo ser retratado como um leão monstruoso, embora "Behemot" também seja como os hebreus chamavam aos hipopótamos).
Cérbero - Na mitologia grega, Cérbero ou Cerberus era um monstruoso cão de múltiplas cabeças e pescoços que guardava a entrada do inferno, o reino subterrâneo dos mortos, deixando as almas entrarem, mas jamais saírem e despedaçando os mortais que por lá se aventurassem.
A cultura é uma coisa muito linda.



Um sábado qualquer...

29 Agosto 2014

Festa da Broa de Avintes - «As broas estão no forno»

29 de Agosto a 7 de Setembro

Postalinho espanhol (7)

"Publicidade ambulante - e tonificante - a meio dos 12 Km (em cada sentido) da Ruta del Cares, nos Piços da Europa."
Paulo M.


«Suit up» - João

"Tenho sérias razões para supor que o planeta de onde vinha o Principezinho era o asteróide B612. Esse asteróide só foi visto uma vez ao telescópio, em 1909, por um astrónomo turco. Ele fizera na época uma grande demonstração da sua descoberta num Congresso Internacional de Astronomia. Mas ninguém lhe dera crédito, por causa das roupas que usava. As pessoas grandes são assim. Felizmente para a reputação do asteróide B612, um ditador turco obrigou o povo, sob pena de morte, a vestir-se à moda ocidental. O astrónomo repetiu a sua demonstração em 1920, numa elegante casaca. Então, dessa vez, todos se convenceram.
in Principezinho

E é talvez por isso que a partir de certo momento, não sei precisar exactamente qual, talvez algures em Novembro último, decidi que deixaria, nos dias úteis, as roupas mais descontraídas, passando aos sapatos, às calças mais formais – nada daquelas coisas cheias de bolsos, muito práticas mas assumidamente desportivas ou de farda de trabalho -, e às camisas com colarinho formal, gravatas e casacos. Devemos vestir-nos de acordo com o sítio onde queremos chegar. E este sítio tem muito pouco de geográfico. É uma posição, um estado de alma, um objectivo de vida. Não sou sensível ao argumento de que não preciso vestir-me bem porque a função não mo exige. Temos de vestir-nos bem para nós mesmos. Para sentirmos que estamos bem, e para sentirmos que nos encaixamos nas funções que queremos ter, para as quais nos sentimos capazes. Qualquer idiota é capaz de vestir um fato. O fato, em si mesmo, não faz uma pessoa. Mas se há idiotas de fato em locais de relevo, então quem não é idiota que vista um fato depressa, que deixe de parte os ténis e a roupa desportiva, e se faça à arena. De outro modo, seremos astrónomos turcos em vestes locais, olimpicamente ignorados por quem pode nem ter especial valor enquanto pessoa, mas está num patamar ao qual pertencemos, numa posição em que nos pode ajudar, se conseguirmos passar a nossa mensagem, vender o nosso produto. E isso é aparecer bem. É ter cuidado. É revestir as nossas qualidades – invisíveis – com uma roupagem adequada, que se veja e cative, e leve os outros a pensar “sim senhor, este gajo tem pinta…”.

E depois, bem se vê, as mulheres gostam sempre de um homem de gravata. Uma gravata só é gravata quando está pendurada num pescoço. No resto do tempo, pode ser um acessório de brincadeiras sem fim."


João
Geografia das Curvas

Postalinho das feiras de verão

"O que é aquilo ali ao lado da tenda, firme e hirto como uma barra de ferro?"
Paulo M.



28 Agosto 2014

Postalinho espanhol (6)

"Em Espanha, as netas devem dar graças a todos os santinhos quando as avós lhes espetam com uma galheta."
Paulo M.



Só os homens é que sabem Amar?

Adoro quando uma publicação gera uma discussão sexualmente saudável.
Foi o caso deste texto do Bagaço Amarelo, em que conclui: "Só os homens é que sabem Amar".

O Bartolomeu acrescentou:
"Eu penso que o que as mulheres gostam é de ser «armadas».
Não há nada que mais prazer dê a uma mulher que um bom par de cornos e se for complementado com umas valentes lambadas quando depois de descobrir vem com ares de atrevida tirar despique, ainda melhor. A mulher adora casos de infidelidade, sobretudo aqueles em que desempenha o papel de protagonista principal, quer de encornada, como de encornadora.
Se for a encornadora, a mulher enche a peitaça de ar e atira à encornada: - sou muito melhor que tu, foi por isso que o gajo me preferiu e se eu quiser, dá-te c'os penates, mas eu não quero o gajo para nada, merda dessa tenho aos pontapés.
A encornada tem a ocasião gloriosa de choramingar e contar às amigas que o gajo é um reles, que o apanhou a martelar uma porca de merda, que fode com qualquer cão que encontre na rua; e que quando ele voltar, vai ver, ela não o vai perdoar e mete-lhe os trapos todos à porta. Sabe no entanto que o gajo vai voltar com ar de cachorro arrependido, com um presentinho de merda para lhe oferecer e uma jura de amor falsa mas com ares de contrato notarial e que, depois de dois ou três safanões, a vai encostar à parede, alça-lhe a saia, afasta-lhe a cueca para o lado e encava-lho até à raiz, enquanto lhe segura as nádegas e lhe espeta o indicador no cagueiro. Meia hora depois, já está sentado à mesa a perguntar o que é que ela fez para o jantar."





É claro que se pôs a jeito para a Mamãe atirar uma grosa de flechas:

"Bar, Tolo, Teu, já não é bem assim, não. Antigamente, até a década de 1930, as mulheres, totalmente submissas ao marido, só eram destinadas ao lar (?), procriação e sem direito a reclamar nada. Sabiam que o marido as traíam, mas ainda assim... arrumavam a mala do marido todas as vezes que ele ia «viajar» e nem ousavam deixar o marido e o lar, ao se descobrirem traídas.
Na década de 40, um pouco menos submissas, quando descobriam a traição, diziam ao marido: se quiseres, arrumas tu a mala para viajares, mas ainda assim nao se separavam dele;
Nas décadas de 50, 60 e 70, ao serem corneadas, elas arrumava as malas (delas e dos filhos) e se mudavam para a casa da mamãe. Já estavam um pouquinho rebeldes.
Nas duas décadas seguintes, ao descobrirem a traição do marido cachorro, pegavam as roupas dele, enfiavam em uma mala e expulsavam o marido de casa, e pediam pensão alimentícia.
A partir de 2000, a mulher coloca detetive para espionar o marido safado e, ao descobrir a traição, espera o marido chegar, atira bem no centro do seu «universo» e, com a faca com a qual preparava-lhe o jantar enquanto ele trepava com a outra, o picota em pedacinhos, colocando-os em malas... Por estas bandas tivemos casos bem recentes... Concluindo, melhor não comprarem malas enquanto estiverem traindo suas mulheres...."

Cinzeiro da Índia com mulher nua deitada e figuras do kamasutra no rebordo exterior

Figuras do kamasutra em diversas posições, numa peça de origem oriental que faz parte agora da minha colecção.

Visita a página da colecção no Facebook (e, já agora, também a minha página pessoal)




Tanta banha tem a cobra!...

Crica para veres toda a história
Nádegas perfeitas


1 página

27 Agosto 2014

Burger King - «Proud Whopper»

Criação da Burger King especialmente para a San Francisco Gay Pride 2014.

«respostas a perguntas inexistentes (277)» - bagaço amarelo

Não acredito no Amor para sempre. Acredito no Amor durante algum tempo, seja ele mais curto ou mais longo consoante diversas variáveis. A vida pode ser óptima quando finalmente nos apercebemos disso mesmo, ou seja, que o Amor da Disney não existe. O problema que eu tenho é que, apesar de não acreditar no Amor para sempre, desejo-o.
Para quem o deseja mas não acredita nele há várias formas de o prolongar o mais possível. Estou convencido que a melhor de todas é ter vida própria e dar espaço a que a pessoa Amada também a tenha. Vida própria e ciúmes dela, claro.
Os ciúmes não são assim tão maus. Se não se tornarem doentios até são um dos ingredientes obrigatórios do Amor. É por isso que os devemos sentir de vez em quando e, caso já não os sintamos, temos que fazer por isso. A vida própria de ambos é uma boa maneira de o conseguir.
Com vida própria temos sempre alguma coisa para contar à pessoa que Amamos. Onde estivemos, o que fizemos, o que aprendemos e conhecemos. Além disso, também temos sempre alguma coisa nova para ouvir. É uma revelação constante, sendo que essa revelação, logo antes do ciúme, é o principal ingrediente de um Amor longo.


bagaço amarelo
Blog «Não compreendo as mulheres»

A Nu





O lado bom da advocacia (tinha que haver algum)