25 janeiro 2015

«Sexsomnia»


Sexsomina from Paul Minor on Vimeo.

Postalinho de Almeria

Mesón gallego Cala Carallo

Datos de contacto del Carallo
Paseo Marítimo de Aguadulce, s/n
04720 Aguadulce, Almería

Descripción del Carallo
Situado en primera línea de playa, nos encontramos con un rincón único, el Mesón Gallego Del Carallo, con su especialidad de pulpo a la gallega, como no podía ser de otra manera.

Especialidades del Carallo
Tapas gallegas, Tapas mediterráneas, Tapas especiales, Raciones, Carnes, Pescados, Mariscos, Menú infantil y Postres.

E os galegos são do carallo!






Controle íntimo

Pegou-a com ambas as mãos que era pequena e encostou-a ao seu corpo. Depois, pousou-a no colo e acariciou-lhe toda a superfície numa electrização inspiradora. Sabia que lhe podia controlar as aberturas e até lhe podia modular a nitidez dos sentimentos expressos. Prolongou o momento deleitando-se a visualizar a profundidade de campo. Sentia o desejo a crescer em si cada vez mais intensamente. Hesitou em pendurá-la no seu pescoço ou no ombro mas decidido pela primeira hipótese carregou-a para o quarto e desatou a pressionar-lhe o botão repetidas vezes a intervalos regulares. O espaço da sua intimidade merecia ser fotografado.



E o senhorio não se rala nada

Desconfio que só usa cuecas de renda para anunciar que mete a pachacha a render.

Patife
@FF_Patife no Twitter

24 janeiro 2015

São Rosas? Oui... c'est moi...

A propósito de liberdade de expressão... de bloqueios no Facebook... se querem falar com alguém especialista, contactem a São Rosas. Desde 1993 a ser censurada pelo Google, pelo Blogger, pelo Instagram, pelo Facebook,...

#JeSuisSãoRosas




Golden Shower


PARODIA: Tampax - Golden Shower (parodia di Anna dello Russo - Fashion Shower) from MariKikka Official Live Blog on Vimeo.

«Psicanálise» - por Rui Felício


O consultório do Dr. Morais, psicanalista onde ela regularmente ia por causa dos problemas que a atormentavam desde a separação do marido, fica no 5º andar daquele edifício da Av. da República.
Ainda na rua, olhou o relógio e estugou o passo. Já estava atrasada uns cinco minutos.
No átrio do prédio, um letreiro espetado na porta avisava que o elevador estava temporariamente avariado.
Nervosa, abanando a cabeça, não teve outro remédio senão subir a pé as escadas dos cinco andares.
Em cada degrau, revoltada, proferia um palavrão diferente, à medida que ia subindo.
Ficou admirada. O seu reportório de obscenidades era muito mais vasto do que ela própria supunha.
Retiniu finalmente a campainha da porta do consultório, cumprimentou o Dr. Morais, entrou e atirou-se para o divã, ofegante.
Deitada de costas, durante uma hora foi falando do ex-marido. Contou o sonho que teve na noite anterior em que ele uma vez mais a traía com a sua melhor amiga.
Detestava chorar em frente a estranhos, mesmo sendo o seu médico psicanalista. Mas não conseguiu reter as lágrimas de revolta ao recordar o sonho, perante o imperturbável silêncio do Dr. Morais, sentado atrás do divã onde ela estava deitada.
Prosseguiu os seus relatos, sem uma única palavra do psicanalista que nada dizia, sem a interromper.
Ela apenas lhe ouvia o respirar compassado atrás dela.
Aquele silêncio ajudava-a mais do que mil palavras. Sentia-se mais descontraída, menos nervosa.

O Dr. Morais era na verdade um grande médico. Fazia-lhe tão bem...
Respirou fundo. Ao fim de uma hora calou-se finalmente, aliviada.
Soergueu-se do divã, ajeitou o vestido, levantou-se e olhou-o para lhe agradecer.

O conceituado psicanalista Dr. Morais, na penumbra do consultório, sentado na cadeira por trás do divã, de cabeça pendente e um ténue fio de saliva a escorrer-lhe pela comissura dos lábios, dormia profundamente...

Rui Felício
Blog Encontro de Gerações
Blog Escrito e Lido

Amuleto Biser

Pendente de colar em porcelana da Sargadelos com fio em couro, com casal de pernas entrelaçadas, para dar sorte a quem procura o amor.
Sargadelos é uma empresa com fábricas em A Coruña e Lugo, na Galiza (Espanha).

Visita a página da colecção no Facebook (e, já agora, também a minha página pessoal)






Mesa de tripé


23 janeiro 2015

Musiquinha da "copa"


AwesomeKate - Cup Song from Subalula on Vimeo.

Tropeções na língua


"Vou ter um orgasmo".
Quem não conheça bem a língua até pensa que vai dar uma coisa má à pessoa.


Sharkinho
@sharkinho no Twitter

«Cherry on top» - João

"Um orgasmo é a cereja no topo do bolo, e há muita gente a esquecer-se do bolo. Eu não. Gosto da cereja, mas adoro o bolo. Adoro lambuzar-me no bolo. Talvez por isso já me tenham dito que sou um gajo estranho. E é pena, porque acho que os homens deviam gostar muito de lambuzar-se com o bolo, e as mulheres só apanham gajos que querem a cereja. E ainda por cima comem a cereja de boca aberta, mastigando-a ruidosamente como se fosse courato num tasco. Acho que as mulheres andam acompanhadas sobretudo de bichos, não de homens. E nos dias em que dou por mim a pensar nisso, deixo tombar a cabeça e lamento, lamento muito. Mas não somos todos iguais. Há gajos estranhos. Como eu."
João
Geografia das Curvas

«Amor vs. desejo»- Shut up, Cláudia!




no Tumblr
no Facebook

22 janeiro 2015

Até que vejas estrelas


until you see a star from queens of disco sleaze on Vimeo.

«É canja!» - Bartolomeu

"As galinhas lá de casa também tiveram os seus momentos de paixão.
Só que no caso delas, tudo se resumia ao acto... num só acto.
Eu explico-te: à galinha, nunca pedi que me fizesse um «bico», deves imaginar facilmente porquê.
E depois, como a entrada era uma só, nunca sabia se estava a ir ao cu à galinha, se ao pito. Deve ser esse o motivo pelo qual a bichinha tinha orgasmos duplos, sucessivos.
E não me posso esquecer do seu cacarejar sedutor quando me sentia aproximar da capoeira e, da forma sensual com que ela mexia a anca enquanto se dirigia ao poleiro. Sim, ela tinha sempre o cuidado de subir três degraus para ficar com o cuzinho... a coninha... ahhh... aquilo... à altura certa.
E no final, depois de se vir loucamente, já exausta, deixava-se tombar para dentro do ninho e, ficando de barriga para o ar, piscava-me o olho atrevida, sugerindo-me que lhe lambesse a... o... aquilo!
(será que o Barreto vai vomitar quando ler isto?!)"


Bartolomeu

Anjos e pecados

Pequena taça em porcelana branca e com ouro da Sargadelos, uma empresa com fábricas em A Coruña e Lugo, na Galiza (Espanha).
Uma pequena história contada em círculo, na minha colecção.

Visita a página da colecção no Facebook (e, já agora, também a minha página pessoal)








Star Wars

Gosto muito de usar preservativos luminosos. Ontem à noite mais parecia o Obi-Wan Kenobi a manobrar um longo sabre de luz.

Patife
@FF_Patife no Twitter

21 janeiro 2015

Anatomia do desejo


Anatomy of Desire from Sarah Gross on Vimeo.

O Amor se faz urgente

Olás...

Agora, o amor se faz urgente, tanto que o chão servir-me-ia de almofadas. Agora, porque este fogo não espera uma cama macia. O chão é um bom espaço de partida, antes que essa vontade acabe. Amar, de forma indecente, escorrendo, voraz,  o sangue nas veias; escorrendo, sagaz, em mim, teu sêmen. Agora, que se faz urgente, despe-me como se a saciar tua fome, com gestos rápidos, tuas mãos buscando chegar, bem rápido, dentro de mim., sentindo-me vibrar, satisfeita. Gemidos, balidos e gritos de fêmeas no cio. Assim também me encontro, para o teu encontro. Tua presença se faz urgente.
E, quando chegares, sentirás nos meus dedos toda essa sofreguidão, a avidez com que espero que me tenhas, que me lambas, que me beijes. Lavra-me com tua língua. Mas não demores. O Amor se faz urgente.

Mamãe Coruja

a funda são mora na filosofia [IX]


uma colega do ensino, que trabalha na área da filosofia para crianças - tal como eu - desabafou o seguinte:

Um aluno do 4º ano declarou que o amor se pode comprar e conquistar.

tendo rematado com a seguinte observação:

Interessante como tão pequenos conseguem transportar toneladas de machismo

a minha pergunta foi: mas por que dizes que isso é machismo? e se tivesse sido uma aluna a dizer isso também a rotulavas de machista?

a resposta foi evasiva: eles reproduzem os valores nos quais foram educados.

e isto é grave - quando digo grave refiro-me ao facto de alguém que está na área da filosofia ter rotulado aqueles comportamentos com a etiqueta "machismo" sem verificar o que é que a criança quer dizer com aquela observação. será que só conhece uma realidade em que o amor se possa comprar? e o que é conquistar o amor - também acontece pelo dinheiro ou há outras formas?

faz parte do papel de quem está no terreno educar para a diferença, sem juízos prévios. primeiro investigamos e depois podemos dar um nome - sem o peso negativo do rótulo. será que aquelas crianças sabem, têm consciência do que é ser machista? conhecem a palavra? e do feminismo, ouviram falar? e será que, na sala de aula, há meninos que têm uma experiência diferente do que é o amor, do que é conquistar alguém?

para comunicar são precisos dois - é o mínimo. dois que queiram ouvir, perguntar, partilhar. os rótulos usam-se nos frascos, sim? não nas 'ssoas humanas.

Let's look at the trailer...


20 janeiro 2015

«Tit Trip» (pedrada com mamas)


Jess's magical acid trip tit rubbing adventure Ft. Mr. Banana from Nate Kogan on Vimeo.

Prazeres carnívoros


Este fim de semana vou mergulhar nos prazeres da carne.
O talho do bairro está em promoção.


Sharkinho
@sharkinho no Twitter

«serena as rochas com a voz profunda do teu sono» - Susana Duarte

dorme.
serena as rochas com a voz profunda
do teu sono. na profundidade imensa
dos espaços entre a vida e o sonho,
vive.

dorme.
serena o mar com a procura. maior
imensidão não há, do que a sensação
de estar perdido. dorme. resgata
os sonhos às pedras profundas
onde se perderam os teus ocultos
mares. vive.

dorme.
na exata dimensão das nuvens, voa.
no voo, procura-me. as asas do sono
são o único rio que te traz a mim.
vive. dorme.

acorda. procura a vida, onde a luz
se perdeu
de ti.

Susana Duarte
Blog Terra de Encanto

O paraíso dos cartoonistas do «Charlie Hebdo»

«Inimigo Público» (suplemento do jornal «Público» de 2015-01-09) com desenho na capa sobre o assassínio de jornalistas do jornal satírico francês «Charlie Hebdo».
Uma memória de um momento pornográfico da humanidade, na minha colecção.

Visita a página da colecção no Facebook (e, já agora, também a minha página pessoal)

19 janeiro 2015

EIS.de - «Love cuts»



A EIS.de é uma sex shop alemã. Já tinham feito uma campanha na imprensa com o slogan «Make love for less»:

«Faz-me doer» - João

"Entrega-te sem medo. Sento-me ao teu lado. A tua lingerie penetra-me o olhar, deslizo a mão nas tuas pernas cobertas por meias compradas de propósito para mim, procuro-te intensamente no olhar, através do olhar, através dos meus dedos curiosos, sempre à procura do mistério em ti. Beijo-te um ombro, e avanço com a mão ao outro, querendo empurrar-te devagar contra a cama, para me perder em ti, desaparecer em ti, partilhar os suspiros e gemidos, mas tu não me deixas. Alcanças-me o braço e repeles-me. Ordenaste-me que me levantasse, e empurraste-me o corpo para fora da cama com o pé. Recostaste-te na cama, apoiada nos cotovelos, e deixaste dançar as pernas, ora abrindo, ora fechando, os teus dedos rodeando os mamilos, e a ordem para que me tocasse, para que me masturbasse para tu veres, que querias ver-me castigar este caralho, cada vez mais duro por ti. Os teus olhos escorrem tesão, o teu corpo já se mexe devagar na antecipação, e eu a sentir-me rebentar, a fazer-te a vontade, a fazer-me vir como adolescente solitário, até que te ergues e vens até mim, seguras-me o pulso com força e dizes-me pára. Que já viste a tesão que tenho por ti. Que já viste o que tenho para te dar. E agora vens cobrar. Anda cá, perto de mim, e entra em mim, fundo, faz-me doer, faz-me sentir viva."
João
Geografia das Curvas

«queixinhas» - bagaço amarelo

Quando eu era pequeno só se apresentava queixa a uma autoridade. Se um colega me batesse na escola primária, a autoridade era a professora; se o meu irmão me roubasse um brinquedo qualquer, a autoridade era a minha mãe; se alguém me assaltasse na rua, a autoridade era a polícia. O problema era quando queria fazer queixa de um Amor mal resolvido, cuja autoridade no planeta Terra ainda está por encontrar.
Nós, os queixinhas do Amor, precisamos sempre duma autoridade. Acho que foi por isso que fiz este blogue. À falta de autoridade fui-me queixando ao mundo, até que o mundo lá me prestou alguma atenção e me resolveu o problema.
Há bastante tempo tempo que eu não me queixo de Amores, sem qualquer garantia que um dia destes não o volte a fazer. O Amor é assim, um dia acordamos e ele já não está ao nosso lado. Nesse dia tornarei a bater-vos à porta, pedir licença e informar que venho apresentar queixa: "Meus amigos! O meu Amor fugiu...".
As queixinhas sobre o Amor são as únicas que não devem ser engolidas. Em primeiro lugar porque são comuns a todos nós, em segundo porque nunca são digeridas e acabam por causar vómito, em terceiro porque são as únicas que não exigem vingança nem execução alheia. Se eu sempre quis que a professora batesse no meu colega, a minha mãe no meu irmão ou a polícia no ladrão, do mundo só quero que deixe o Amor andar por aí em paz.
Do Amor, queixem-se sempre ao mundo. Ninguém vos leva a mal.


bagaço amarelo
Blog «Não compreendo as mulheres»

Por dentro da burqa


Desenho de Tignous, um dos cartunistas mortos no atentado ao jornal «Charlie Hebdo» em 7 de Janeiro de 2015.
No seu funeral, os amigos fizeram desenhos humorísticos no caixão de pinho.


João Barreto:
"Falando a sério: Alguém disse e eu assino por baixo qualquer coisa como «posso não gostar do que dizes mas lutarei até à morte para que possas dizê-lo». Noto, com preocupação, que o Medo tomou conta de muitos que se dizem do lado da Liberdade.
Sou europeu! A minha herança civilizacional permite-me dizer que o pensamento não tem rédeas e que tudo me é permitido expressar! E isto é absoluto! É claro que não vou para a porta da mesquita exibir caricaturas do profeta, como não vou para a porta da igreja oferecer fotografias de freiras desnudas; porque sou livre, respeito a liberdade dos outros, mesmo que se resuma a tolices. Mas ninguém me proíba de dizer, ouvir, escrever ou ler aquilo que me aprouver, seja no meu espaço privado, seja nos espaços públicos que a todos pertencem. Quando não gostar de alguma coisa e a inteligência de uma conversa civilizada não chegar, usarei os recursos que cabem aos cidadãos do meu país democrático. Se ofender alguém por impedi-la de usufruir da sua liberdade (ainda que seja a de ser idiota), espero que se me dirijam da mesma forma. E só pegarei numa arma (pela primeira vez na minha vida) para defender a Liberdade. E, como dizia o meu grande amigo e grande libertino "Azeitona": «Viva quem pode e quem não pode, que se foda!»"