30 Abril 2008

Só a mim ninguém obriga...


... a fazer ponte esta semana!

Interiores


Anos a fio alimentada a milupa de woody allen pelos olhos adentro até que nem embuchava com o seu lado hipocondríaco, de quartos de aspirina diários para o sangue fluir melhor e não engrossar as artérias, de mezinhas para aclarar a voz e muitos sumos de laranja natural para obter a vitamina C para combater as constipações e tudo o que lhe pudesse dar cabo do seu belo corpinho.

É que, em abono da verdade, aquele quarentão era bem mais alto e espadaúdo que o realizador cinematográfico e até nas nádegas rijas se assemelhava mais a um actor hollywoodesco que no campo de acção do leito assumia a estratégia do Rambo e ao ataque meus bravos com a particularidade de cronometrar e contabilizar o número de assaltos.

Começou a franzir a testa às estatísticas que já não eram as mesmas de há vinte anos atrás e a vigiar cada músculo ao espelho até decidir que a solução era o ginásio e comigo de arrasto para lhe estimular a disposição nos aparelhos. Ainda equacionei contra-argumentar que para o efeito não faltariam barbies a exibir-se no local para a massagem diária de olhares masculinos mas pelo lado prático ripostei que sobravam em casa janelas para lavarmos em trajes menores.

Gotinha d'água

Claro que ela, sei lá por que raios, não menviou uma fotinha de seu rosto quando pedi. Óbvio que procurei nas teias, frestas, ranhuras e...
não é que a encontrei?!


Se quiseres ver a São
em 1000 x 666 pixels,
clicaqui

crica para visitares a página John & John de d!o

29 Abril 2008

Afundaram no buraco ao lado

Oh!... Desculpa!... Foi sem querer...No que respeita a algumas pesquisas que vieram aqui parar, informamos os caros utilizadores:

- Quem procurou um FlexoFlesh (ver foto), lamentamos mas não temos este tipo de material no blog. Caso o(a) utilizador(a) consiga mais que um, pode enviá-lo para nós. As membranas agradecem.

- Quem procurava “canetas parker france t II” nós sabemos que aqui é sexo escrito, fodemo-nos com a escrita e fodemos a escrita, mas tudo feito com canetas BIC e Molin.

- Para quem andava à procura da “Rua da Constituisão em Gaia”; sabemos que o Luís Filipe Menezes foi fodido, e queria fornicar a Constituição... nós não fizemos nada disso. Que tal procurar antes ruas de Lisboa?

Pacto com o diabo


Uma parceria com The Perry Bible Fellowship

CISTERNA da Gotinha


Pin-up and Soul de Patrick Hitte

É preciso atrair as gaijas:
PLAYGIRL - Alex Hawn

Old X Pics porque recordar é viver.

Evelina Oboza é uma Cowgirl com o fato adequado para cavalgar em toda a sela.

Cientistas Gay Isolam Gene Cristão


Coisas [via]

28 Abril 2008

As mulheres são Taradas por sexo!

As mulheres são todas umas malucas. É um facto sobejamente conhecido, insofismável, que as mulheres passam todo o dia a pensar em sexo. Mas esta verdade, como outras incontestáveis, tende a ser escamoteada!
Vamos aos factos; nem nos vamos deter nas evidências: se pensarmos na mulher que acorda, vai ao wc e lava as partes íntimas: acham que somos tontos e não percebemos que quando os dedos lá passam não estão a pensar na higiene pessoal?
A mulher veste-se; são os três mil cremes, o baton, a depilação, o rímel, o blush (que só usam porque a palavra tem a sonoridade de outra coisa), as meias de ligas, as cuequinhas dentais, as mini saias, os decotes, os soutiens que espevitam ou aumentam as bolhas, etc: alguém acredita na treta de que o fazem para se sentirem bem com elas próprias? A treta de se valorizarem?!
Mais. Gaja que é mulher passa o início da manhã a correr (os putos, o pequeno almoço, levar à escola, o parvo do marido ensonado aos puns pela casa a atrapalhar); enfim, a mulher que é gaja, passa a manhã a correr! Corre, porque tem que ir, mas, vai e volta, logo vem: ou seja, o correr é uma forma de vir-se, ainda que metafórica!
Porque as mulheres não andam a pé? Porque adoram montar-se no carro e agarrarem-se ao manípulo! Ou seja, pensamentos pecaminosos, cheios de malícia, que elas têm! Vão para o trabalho! Qual a única razão que as mulheres trabalham fora da tranquilidade do lar? Para conhecer gajos! Enquanto o coitado do esforçado marido está a ganhar pela vida, as gajas estão confortavelmente nos empregos, galando os gajos, flirtando, namoriscando! Ou outras coisas que rimam com roda!
Está a chegar o Verão; ou seja: época das dietas. Reparam no que elas comem? Cenouras, tomates, pepinos, bananas, grelos, uma salada russa, salada de bacalhau, etc: tudo comidas com conotação sexual!
Regressam a casa, depois de um dia que dizem ter estado a trabalhar e gritam ao coitado do marido para as ir ajudar para a cozinha! Claro que a palavra é código, afinal de contas os putos estão a ouvir; quando a mulher diz "querido vem à cozinha", quer dizer “vem-me ao cuzinho”; a troca das vogais é só para disfarçar!
O acto de fazer o almoço; já antes expliquei o que significa, por isso não me repito. Mas o mesmo se aplica às restantes refeições; agarremos no exemplo de fazer um bolo! Primeiro acto: bater, mexer, provar, metê-lo no forno, engolir para ver se está bom: é a exacta descrição de uma relação sexual!
Depois a treta da lida da casa; lavar e esfregar; vamos ser honestos; a mulher apenas lava a roupa pelo prazer de esfregar! Pior ainda com a mania de lavar o chão; o que leva uma mulher a andar de esfregona e vassoura pela casa: o prazer de passar meia hora por dia agarrada ao pau! E logo um pau daquele tamanho, que só poucos de nós podemos ombrear (para quem não percebe indirectas, estou a incluir-me no lote)!
E o que dizer da história de as mulheres ficarem em casa e os homens irem ver futebol com amigos e beber imperiais? Outra enorme tanga; os homens são expulsos do conforto do lar, induzidos a irem para cafés e bares mal frequentados, expostos a terríveis doenças, porque as gajas querem ficar sozinhas em casa, para verem os canais porno! São tão egoístas, que colocam a sua satisfação orgásmica à frente dos interesses da família. Sim, porque o que todo o homem deseja é passar o fds em casa e não ser obrigado a ir sair com outros machos, também eles espoliados da tranquilidade do lar!
Durante anos, foi um dos maiores segredos da humanidade (a par da fórmula da coca-cola e das preferências sexuais do José Castelo Branco): porque as mulheres vão aos pares para a casa de banho? Evidentemente para espreitar as coisinhas umas das outras!
A mulher é tão tarada por sexo que até pensa nisso nas horas mais impróprias! Discordam? Pensem comigo: quem já assistiu a uma mulher, deitada na marquesa, de pernas escancaradas, com várias pessoas a olhar para a sua íntima intimidade; repararam nos gritos? Que gritos são aqueles se não um valente orgasmo?

Claudia Wonder International Show

"Rosas,
A verdadeira história do ursinho misterioso, pelo meu amigo Claudia.
Beijos,
duke"


O herói da guitarra eléctrica

27 Abril 2008

Mosteiro dos Jerónimos

O António era um VQPRD do Douro, sempre vestido de negro como os corvos e os padres que até preto era o elástico que usava para prender os seus longos cabelos cor de azeviche.

Este gótico flamejante ancorou em mim o desejo de aventuras que cada noite, tarde ou manhã era a descoberta de que uma queca pode não ser repetitiva. Ora me besuntava de chantilly ora despejava tintas para espalharmos à mão pelos nossos corpos que ao roçarmos um pelo outro e misturadas com gotas de suor pintavam os pináculos do nosso prazer. Fingíamos vozes e personagens e enquanto eu ia mudando os meus penteados púbicos e as suas tonalidades ele fazia questão de se apresentar sempre com um lacinho diferente no pescocito da sua glande.

Cada vez era uma longa viagem até dobrar o Cabo das Tormentas digna da duração de um filme de Manoel de Oliveira e ele era tão perfeccionista na estética e na subtileza de cada pormenor como na cabotagem de movimentos circulares com que brindava o meu grão de pimenta sem se esquecer de erguer as pestanas para me encarar que apenas me inquietava adivinhar em cada ocasião quais os conjuntos de poros da minha epiderme em que amiudemente não conseguiria evitar ejacular.

Betty Page, a precursora



Biografia da Bettie Page (site oficial)

Embalagens de Preservativos



Coisas [via] [+info]

duke: "leaveme"
São Rosas: "fuckme"
Dina: "trespassame"
Nelo: "E taméim nam fiqaria mal um que disseçe: Broshame"
lady.bug: "lembe-me... sixtynineme... doggystyleme... prantes, ok, eu vou ali refrescar-me e já volto"
The F Word: "Oh Buguita, isto de ter ideias aquece muito os neurónios..."
São Rosas: "Entálame... espétame... enfíame... atravéssame... engásgame... punhetêiame... e vou ali refrescar-me e já volto"
lady.bug: "devórame"
The F Word: "Também não desgosto de empálame"

crica para visitares a página John & John de d!o

26 Abril 2008

«Poema» de Mário Cesariny numa realização de Diogo Varela Silva



Via (Verde) Chez 0.3 da Maria Árvore

Como encher uma piscina sem gastar água da rede

Camarão visita a Baleia


Alexandre Affonso - nadaver.com

E se tiveres curiosidade em saber como se fazem estas tiras, vê este video

25 Abril 2008

Viagras de todas as cores




"Às 21 horas em ponto estendia-se na cama e com a ajuda de água, ingeria mais um darwinista comprimido amarelo com o ar satisfeito de quem pensava vamos lá ter outro orgasmo"

in «Corriditas» da Maria Árvore

São Rosas: "O comprimido amarelo será a sequela do azul. Em vez de dar tusa deve dar logo um orgasmo... e pronto."
Charlie: "Pois... orgasmo instantâneo e pronto. E gozo, gozo, nada... Blegh..."
São Rosas: "É tipo choque eléctrico: bzzzzzz... já está!"
The F Word: "Podiam arranjar um comprimido rosa para os preliminares..."
São Rosas: ... e um vermelho para dar dores de cabeça."

«Ce Qu'il Faut Dire Et Ne Pas Dire»

Novo livro da minha colecção. É o exemplar nº 16 de uma série de 500.
Em 60 litografias, aprendemos o que devemos e não dizer em francês, essa língua deliciosa e eroticamente traiçoeira, numa espécie de manual escolar... para adultos (encaixa perfeitamente no conceito de «novas oportunidades»). E ginasticar a língua é das melhores coisas que podemos e devemos fazer na vida.
Aqui ficam dois exemplos.
Um exercício:
"Il faut dire: On a trouvé la fille de l'ingénieur écrasée par un pilier de mine.
Et non pas: On a trouvé la fille de l'ingénieur écrasée par un millier de pines."

"Deve-se dizer: Encontraram a filha do engenheiro esmagada por um pilar de mina..."



"... e não: Encontraram a filha do engenheiro esmagada por um milhar de pilas..."


Outro exercício:
"Il faut dire: Le bon vieux curé est devenu fou entre deux messes.
Et non pas: Le bon vieux curé est devenu mou entre deux fesses."

"Deve-se dizer: O bom velho padre cura ficou louco entre duas missas..."



"... e não: O bom velho padre cura ficou murcho entre duas nádegas..."






















Coisas [via]

24 Abril 2008


Bom fim de semana alargado!

A Saudade

por Charlie

Quando subia a Avenida da Liberdade, pelas faixas laterais direito à rotunda que cerca o Leão e o Marquês, era usual vê-la de saia invariavelmente curta, quase sempre de negro mate, mastigando o tempo nas dentadas com que embrulhava de pastilha elástica os lances de aborrecimento que a sua espera no passeio me parecia ser.
Ficava a olhar para ela, o corpo bem torneado, o cabelo meio curto e um olhar que se desviava numa pausa voltando-se depois a mim numa exploração rápida e incisiva que desta feita fazia desviar o meu, rumo mais acima.
Gostava de fazer o percurso a pé nos primeiros dias da Primavera, deixando o carro no parque dos Restauradores, entregando depois aos músculos e à sensação de ar livre, passo a passo, a tarefa de vencer a distância sobrante.
No entanto, quando por razões diversas tinha de levar o carro até ao destino final, dava por mim a fazer a volta apenas para que pudesse passar junto a ela. Coração a bater mais depressa, ansiando o instante em que me olhasse bem dentro desse olhar que eu desviaria num misto de euforia e angústia que não conseguia explicar.
Passava a mirar pelo canto do olho, carro de caixa engatada em segunda velocidade, rodando devagar de mãos em ilusão de segurança presas ao volante.
Seguia-a pelo retrovisor enquanto ela ora subia, ora descia o passeio da Avenida, ficando cada vez mais pequena, mais distante no rectângulo espelhado que acabava, num reflexo, por absorver toda a cidade no nada que é um poema fugidio de palavras breves.
Foi numa manhã ao sair de casa, e sentado no carro numa pausa para reflexão onde assumi que vê-la todos os dias me era já imprescindível.
Nessa manhã, num impulso consciente e após um instante de hesitação, alterei o que era já a rotina. Travei! Deixei que os olhares se cruzassem, que se fixassem na leitura. Muda e secreta, intensa de sol que enchia a Lisboa que eu amo.
Atravessou os breves metros e dirigiu-se a mim, sempre de olhar fixo.
Inclinei-me para o lado direito no gesto de abrir a porta, o que ela sem uma palavra entendeu, contornando o carro e acabando por sentar-se ao meu lado.
Olhei para ela, para as suas pernas bonitas mostrando no interior da coxa direita o fio violeta-reflexo dum pequeno derrame capilar que quase passava despercebido. Subi o olhar, a cintura, os peitos pequenos e firmes, o brilho da boca e parei novamente o olhar no seu.
- Gostas?- Perguntou ela no seu ar de puta de rua, de olhos grandes e lindos, quase infantis que eu agora via bem junto a mim.
- Se gosto? – respondi devagar. – Tu sabes... passo por aqui todos os dias e... todos os dias fico a olhar para ti. És muito bonita...-
Fiquei olhando para ela que desviando o olhar fitava agora algures um alvo indefinido, muito para lá do sítio onde a Avenida se abre e entrega em rotunda, mais avenidas e Parque, e azul do céu a perder-se no infinito...
- Nunca tinha reparado em ti.- mentiu ela. Pelo menos foi o que pensei.
Mentiria? Caí na realidade. Obviamente! Seria idiotice minha julgar que uma puta de rua ficasse a olhar só para mim.
Claro. Que estúpido que eu sou. É natural que ela olhe para todos os que passam. É seu ganha-pão e o olhar para os potenciais clientes bem dentro dos olhos é o primeiro contacto comercial após o lance publicitário consubstanciado na linguagem do corpo exposto nesse jogo do esconde-que-mostra, da roupa curta e justa, dos gestos, da postura....
- Para onde vamos?- perguntei a romper o desconforto para onde tinha deixado correr o pensamento.
- Para onde quiseres- sorriu- Posso passar o dia contigo, almoçar, conversar, passear...-
Avancei devagar avenida acima, voltando à direita entrando assim no emaranhado de ruas que circundam as Avenidas Novas.
- Como te chamas?
- Saudade...- respondeu parecendo querer acrescentar algo mais.
- Não é um nome usual. - Cortei interrompendo-a. - Vocês costumam usar outros nomes. Sei lá, diminutivos sonantes que se ouvem na noite, como ...- Não me deixou acabar a frase.
Num irromper brusco mandou-me parar.
- Pára aqui, Carlos! Pára, ouviste?! Saudade é o meu verdadeiro nome, entendes? O meu verdadeiro nome...- e abrindo a porta ainda me disse lívida: - Vocês, homens... são todos uns... uns sacanas! – E saiu sem mais palavra.
Durante um espaço de tempo indefinido fiquei sem reacção dentro do carro.
Ela tinha dito o meu nome. Sabia o meu nome e Saudade era o seu verdadeiro.
Saudade...
Durante semanas não voltei a passar por ali, as noites em claro, vencendo em cada derrota a luta interna que me atirava, dum lado para outro, contra as paredes desse poço onde de repente tinha ficado mergulhado, até que vencido pelos meus limites decidi voltar a procurá-la.

Passei lá hoje mais uma vez.
Há quase vinte anos que o faço, há quase vinte anos que o coração me bate mais depressa quando subo a Avenida e passo ao mesmo lugar onde ela a atravessou para se sentar ao meu lado.
Há quase vinte anos que não a vejo naquele passeio.
E há quase outros vinte que a Saudade mora comigo...

Charlie

Nova PinaLética

23 Abril 2008

O emblema


Elogiou-me os longos cabelos e não me pareceu desadequado ir trocar encómios mais íntimos. Na casa dele e já despidinhos ele fez questão de ir buscar dois elásticos grossos e roliços daqueles que nem partem o cabelo nem nada e paramentou-nos com os ditos.

Seguindo o seu ritual pediu-me que ajoelhasse e lhe implorasse a salvação e embora não me sentisse pecadora acedi que jogo é jogo e não estava ali para cortar as vazas. Ele depositou-me o seu sagrado emblema na boca segurando-me no queixo e ali ficou especado a olhar aquele vaivém que lhe adrenalinava os espermatozóides a correrem que nem uns desalmados mexendo as mãos para me puxar a rédea do rabo de cavalo e controlar os movimentos ao trote que desejava.

Não é que tenha alguma coisa contra o aumento de proteínas no organismo mas confesso que estranhei que depois daquilo apenas me arrastasse para o seu computador para me exibir uma colecção de gepeguês do seu ceptro nas bocas das suas conquistas louras ou morenas sempre numa perspectiva em que só se via um niquinho do dito e os acólitos pendurados de fora tal a ânsia que tinha de repetir cenas do clássico Garganta Funda.

Não queria parecer mal agradecida perante tamanha partilha da intimidade mas não consegui controlar as gargalhadas que me golfavam da boca e a pergunta que me jorrou de se alguma vez tinha tido medo que os dentes lhe marcassem o brasão ou alguma mais enxofrada pela insistência naquela cena única lhe arrancasse alguma pontinha da coroa.

Ouves-me, Amor?

Her















Coisas [via]

John & John vistos por cartunistas amigos do d!o


crica para visitares a página John & John de d!o

22 Abril 2008


Brisa forte


Uma parceria com The Perry Bible Fellowship

Jardim de cactos na ilha de Lanzarote

Fotos tiradas* por mligiate numa viagem a Lanzarote:





* alguém me pode explicar por que se diz "tirar uma foto"? Acho tão estranho como "tirar fotocópias". Aviso sempre os meus amigos: "Nunca entres com fotocópias em casas que tenham esse aviso, porque tiram-tas e ficas sem elas".

A nova colecção da Agent Provocateur

As campanhas da lingerie Agent Provocateur são uma delícia. E sempre diferentes.
Desta vez, podes movimentar-te a toda a volta de um cenário, colocando as peças para encomendar no carrinho de compras e, onde encontrares uma estrela, cricando nela tens um pequeno filme. Diverte-te.


«Experience»

Depósitos Rápidos
























Coisas [via]

21 Abril 2008

Já estão à venda os bonecos vudu da funda São e da Ana Coisas...

... e para encomendá-los tens todas as informações ali em cima, nos links para a página das t-shirts e outras brincadeiras eróticas ou, mais directamente, no link vudu.

Dá mais pica ao teu amor!


Boneco vudu-zalho



Boneca vudu-zona

Kits vudu da funda São e da Ana Coisas: Boneco, carteira com alfinetes e instruções. Não há dois bonecos iguais. Os tecidos e acabamentos são sempre diferentes.
Só para dar uma alfinetada na tua curiosidade, deixo-te um excerto das muitas instruções no verso (e prosa) da embalagem:
"Oração enquanto se está a espetá-lo
Pelo mágico poder deste feitiço
que se juntem numa sandes o pão e o chouriço.
Ó meu anjo da Guarda ou então da Covilhã
dá-nos sexo em barda até que chame pela mamã.
Pelas forças do trovão
vais esfregar-me aqui com a mão.
Se andares por aí no engate
No melhor da festa há-de furar-se um tomate.
Se fores em pêlo à praia do Meco
que a malta fique toda a olhar para o boneco.
Se não me saltares para a cueca
nunca mais irás dar uma queca
e que todos os santos façam o milagre
de passares a cagar pregos e a mijar vinagre."

Manix Intense





Coisas [via]

Sereias anãs virgens...


Alexandre Affonso - nadaver.com

20 Abril 2008

eles não sabem que o sonho...

que queres que te faça
minha cara amiga
perante o esplendor da curva das nádegas
perante esses seios que saltam aos olhos
essas pernas longas
que ferem meus olhos?

que queres que te faça
se o excesso de branco da tua camisa
desliza pela fímbria do púbis que espreita
e que me deleita
de assim se mostrar?

que luxo ridente
que estranho convite
desperta o apetite só por assim estar…

os lábios abertos
os olhos penumbras
e um corpo de dunas à beira do mar

e tu
minha amiga
a quem nunca vi com olhos ardendo
de febre e desejo
um frémito só no anúncio de um beijo
como não te querer
nesse repousar?

(ah quanto valera
meu sonho-quimera
se não fora a hora
de meu despertar!...)

OrCa
_______________________________________
Como diz o povo, «quem ode e é odido não tem doença de perigo». Dá-lhe, Nelo:
"Ai melhéres cu o Órca
quande ao Broshe eshte çe vem
Faz verçus mais perfeitus
Maish perfeitus que nenguéim!
Éi melhér erudita
Fala coizo,...
em Quimera
Ûma palavra squezita
Queu nam çei pra que çerve
Mas tameim teim convite
o Deseju; o apetite
o deleite que do leite
nu çentido meu ferve.
E eis que ardendo
o olhar diz já ter.
Oh Orca queridu:
Ézum poeta melhér
ardes tu e fazes o Nelo
na mejma febre forte arder...

Nelo, bisha rezidente deshte broshe"

Recomenda São - "A Arte de Amar" de Ovídeo


Vão ao Estúdio Raposa e aprendam com Luis Gaspar a arte de amar, tal como escreveu sobre ela Publius Ovidius Naso, poeta romano, conhecido por Ovídio, nascido em 20 de Março de 43 a.C. em Sulmo, actual Sulmona, em Itália.



Entretanto, fiquei toda molhadinha com esta oferta do Luis Gaspar "para retribuir a simpatia":

Ovídio e Corina

(por Agostino Carracci, séc XVI)

Palácio da Pena

O Manel era um DOC de 61, exímio em garantir um fundo musical directamente nos meus ouvidos em cada actuação, misturando grunhidos e frases desarticuladas num minimalismo repetitivo que um Steve Reich não desprezaria.

Para alcançar o seu paço acastelado chegava um simples friccionar do meu corpo no seu e deixar-me envolver nos seus braços de polvo que de cima a baixo verificavam se não me faltavam peças enquanto a sua boca sugadora me aspirava ora os lóbulos das orelhas ora os poros do pescoço. Romanticamente, eu deixava pender a cabeça e corria as pálpebras para só as voltar a abrir na tentativa de focar a sua íris quando empreendia a descida pela escarpa do seu corpo demorando-me nos pontos altos.

Foi a minha residência de um verão em que cada noite era uma história de dança dos ventres e a demonstração de que o produto nacional é bom.

John & John vistos por cartunistas amigos do d!o


crica para visitares a página John & John de d!o

19 Abril 2008

Incentivo ao uso da bicicleta

- um post sensacionista

Ligue primeiro o som:




e agora corra o vídeo:




Maria Árvore
_______________________
O OrCa não pode ver uma menina de bicicleta que a ode logo:
"uma bika que dá pica
pedalando até ao céu
quanto com mais pressa fica
mais pica a bika lhe deu"

A vingança do Falcão

Por: Falcão

... vós, homem casado, andais em pecado mortal com a filha do Toino...

Oi, cum filhas da puta, caralhos que vos fodam... heheheheee. Estais bons, tramelgas do caralho? Cumo ides?
Bem... estes dias tenho andade fodido cumó caralho, mas agora que estou no meu barraco, ao pé do portão aberto, olhando para o pinhal, à volta duma neca de enchido bem curado na broa, e eis que me descubro de dentes ao sol de tanto rir.
Heheheeee que bem que o fodi daquela vez. Lembrais-vos?
É aquela coisa do caralho que tive cum o padre lá da freguesia quande foi da excursão, e ele me queria quilhar.
Se num vos lembrais benhe, é dar um clique na hiperligação e ficais a saber porque é que estou tão satisfeito, cum milhão de caralhos que me fodam e refodam. Eheheheheeh. E vai mais um caneco de verdasco, que eu brindo por vós enquanto num vindes cum outro caneco ao lado: - Trloc! Trloc! – Caneco cum caneco que inté estala, caralho!
Benhe, e agora que estou outra vez sentado, de goela refrescada e corpo em descanso, posso contar cumo foi. O filha da puta do prior aqui da freguesia desde aqui há atrasado que me andava a querer fazer o ninho atrás da orelha. Bem sabeis se destes uma olhadela ao texto que vos indiquei.
Mas adiante...
Veio outra vez a altura duma excursão a Fátima e o filha da puta do padre veio ter cumigo. Assim sobranceiro e o caralho: Que sou o presidente da Junta, presidente da Comissão Frabiqueira, presidente da comissão de Festas e Arraiais e presidente do Clube de Futbol e da Malha da Freguesia de Santa Inácia do Vale da Penha Maior de Cima, e que nessa qualidade de homem público cum responsabilidades, tenho de presidir às excursões e romagens religiosas.
E o filha da puta fez-me uns olhos do caralho cumo se eu Manuel Falcão, rei das bouças e perdido por pito, tivesse medo dele.
Disse-lhe logo, - Escutai senhor padre, num me venha cum sermões mais o caralho, que num me mete medo e se vos lembrais de aqui há atrasado, também tendes telhas de vidro, por isso....
Bem, murcões e murconas: O filha da puta abriu-me os olhos e disse-me quase a gritar:
- Cuidais que num sei que fostes vós a fazer a tramóia e pusestes lá aquilo? Cuidais que alguém aqui no povo acreditaria se vós fosses espalhar essa calúnia? Uma peça de roupa de mulher na sacristia? O contrário é que talvez fosse pior e se o povo viesse a saber que vós, homem casado, andais em pecado mortal com a filha do Toino, vosso vizinho-
Calou-se olhando para minhe cum os olhos cheios de fogo e abalou portão do barraco afora que nem uma sombra.
Logo logo fiquei todo fodido, e andei fodido uns dois dias ou três cumo podeis calcular, mas depois cismei, cismei e disse cá para mim: - Ah... Cum filha da grande puta que já te fodo. Num há nenhum filha da puta que faça o ninho atrás da orelha ao Falcão, o rei das bouças! Eu que me bato de varapau cum um bando de lobos, tenho lá agora que aturar isto!-
E assim foi, caralho, que só de lembrar-me me rebento a rir, ehehehehee... cum filha da grande puta (deixa-me lá emborcar mais um caneco deste verdasco que está de estalo, caralho! Ahhhh, que este é mesmo do bâoe.....)
Cumo ia dizendo, num queiram saber a cara de fodido que o padre fez pra minhe quando a Miquelina, uma cachopa da minha roda de conhecidas do Porto e que vive do pito, a troco de duas notitas de 50, se dispôs a aligeirar-se de algumas peças de roupa por altura do confessionário no exacto instante em que eu e algumas beatas entrávamos na Igreja supostamente para combinar com ele pormenores da excursão a Fátima.
Caralhos que me fodam, se agora num o fodi cum uma pinta do caralho e que ele nunca mais me faz essas cunversas de pecados e assim, por causa do pito da filha do Toino que eu ande a comer! Só queria que o visses, embasbacado e a Miquelina a vestir a blusa à pressa, cuidando que num me conhecia... heheheheh. As velhas cum cara de espanto, o padre saindo do confessionário, todo fodido cum olhar para minhe que parecia que me comia e eu, olhando para ele cum filha da puta; que te fodi, abelhudo filho da grande puta, padre do caralho! Agora calai-vos e ide-vos foder...
Sou Manuel Falcão, o rei das bouças. Tenho um barraco cum verdasco e enchidos, e um sofá onde como com gosto o pito, cum filha da puta. A mim ninguém faz o ninho atrás da orelha, nem padres nem o caralho mais velho!

Falcão; Manuel Falcão