27 agosto 2017

«Amamos mulheres!»

Texto cuja autoria desconheço, partilhado pela Luísa Demétrio Raposo e traduzido por mim do Brasilês:

"Amamos mulheres! Desde que elas se depilem totalmente a ponto de parecerem crianças. Sim, vaginas "infantis" são ovacionadas. Nenhum pêlo! Que nojo, mulher com pêlo! Mulher tem pêlo?! A sério?! Depilação com cera, por favor! E finja que não dói.
Amamos mulheres! Essas divas. Mas parto normal, não. Vai estragar o brinquedinho?! Vagina de menininha, certo? Vagina de menininha não é capaz de colocar uma criança no mundo. Cirurgia, por favor!
Amamos mulheres! Com peitos durinhos. Ponha silicone, ora essa! Uma cirurgia a mais, uma a menos, não faz diferença. Peitos que jorram leite para alimentar um bebé?! Isso existe?! Com tanta latinha na farmácia... Não, amamentar, não. Que pretensão é essa de poder produzir o alimento do seu filho? Seca, leite. Você não consegue. Peito é para fins sexuais. Apenas. Servidão.
Amamos mulheres! Que nojo de menstruação... Mulher menstrua?! Sangue?! Ai, vou desmaiar. Esconda esse absorvente. Chiu! Ninguém pode saber que sai sangue de si todos os meses. Tem forma de não menstruar. Vá! Faça isso! Que nojo! Hormonas para dentro. Tá tudo bem.
Amamos mulheres! De barriga chapada: por que razão a sua não é?! Lipoaspiração. Abdominoplastia. Cinta que tira o fôlego. Tudo a seu favor. O que não vale é ter a sua própria barriga. Onde já se viu?! Que audácia, amar os seus pneuzinhos!
Amamos mulheres! Mas essa vagina não é igual à dos filmes porno. Vá lá! Existe cirurgia íntima! O Brasil é recordista mundial em cirurgias íntimas femininas [felizmente, Portugal tem escapado a esta moda... até ver]. Uma cirurgia a mais, uma a menos... Mais uma dose de cirurgia, por favor. Labioplastia ou ninfoplastia. Ninfo. Aproveite, que também existe clareamento anal. Tudo rosinha. Ninfo. Rosinha. A sua vagina não serve. Nem o seu ânus.
Amamos mulheres! De sobrancelha feita, cabelo pintado, escovado, maquilhada, com esmalte, depilada, vagina e ânus rosadinhos, salto, sem menstruação, sem leite a jorrar do peito, sem ver um filho a passar na sua vagina. Mulheres... Cirurgias. Produtos para maquilhar. Naturalidade feminina?! Nojo!
Amamos mulheres! Doces. Já tomou o seu Rivotril hoje? Gritou?! Está louca! The mad woman in the attic. Mulheres. Jovens. Eternamente. Um fio de cabelo branco é sinal de desleixo. Compre tinta, maquilhagem, faça cirurgia, toma hormonas, Rivotril, sinta a dor de cada pelinho a ser arrancado com cera quente. Vá em frente!
Amamos mulheres! Jovens, maquilhadas, moldadas, dormentes, lipoaspiradas, siliconadas, alisadas, clareadas, refinadas, "limpas", de salto - nem a sua altura serve! - desumanizadas, anestesiadas para a próxima cirurgia. São tantas Galateias...
Amamos mulheres! Já viu o 'the perfect V'? Novidade no mercado. Iluminador para a vagina. Rosa. Iluminada. Ninfa. Menininha. Depilada. Infantil.
Amamos mulheres! Desde que elas não sejam mulheres. Apenas estátuas moldadas. Apenas Galateias esculpidas por Pigmaleão. Sem vida. Estão todas dopadas. Seja por remédios ou pelos media.
"Gostamos de mulheres femininas": mentira! Porque vocês odeiam tudo o que é feminino: pêlos, sangue, parto, leite, cheiro natural de vagina, cores e sabores. Vocês não gostam de fêmeas. Vocês gostam que mulheres performem feminilidade. A qualquer custo. Que não sejam elas mesmas. Chora, Galateia. Em silêncio, para não incomodar."

Sem comentários:

Publicar um comentário

Uma por dia tira a azia