25 agosto 2017

«Perigo» - Luísa Demétrio Raposo

"Um Ser que não fode e que não se masturba é um perigo para todas as espécies que habitam o mundo.
Homossexual, bissexual, são rótulos, carimbos, e induzem à separação.
Existem Seres Humanos que amam e expressam a sua forma de amor ao amar através da sua própria escolha, e que deve ser sempre, mas sempre de forma livre.
É incrível como em pleno séc. XXI ainda exista tanta ignorância e uma distância tão profunda entre o Ser e a Alma. Há um desconhecimento profundo abismal, os Seres não reconhecem que dentro de cada um de nós existem energias masculinas e femininas, nós somos Seres plurais. Vagina e pénis são órgãos reprodutores, a forma como nós expressamos através deles é uma escolha de cada um, e quando temos esse reconhecimento e o conseguimos expressar a nossa própria divindade, ligamo-nos ao Infinito, à energia-Amor.
A sexualidade não é somente uma fabrica de fazer crianças, é sobretudo evolução espiritual. É ligação às estrelas e aos Astros dos quais somos todos filhos e filhas. É sagrado. É divino.
Quem não ama de forma livre é um Ser mal amado, e um Ser mal amado é um Ser que só reconhece o vazio dentro de si, o escuro, porque não consegue alcançar a Luz da sua Alma. É um Ser doente, precisa de ajuda urgente antes que se transforme num monstro. E os monstros são perigosos, destroem tudo à sua passagem.
Faz-me confusão as pessoas não se questionarem acerca destes assuntos, e outros relacionados com a sexualidade, parece tudo tão infantil, demente. Quem não ama a si próprio não conseguirá jamais a capacidade de amar o outro e saber que eu não existo sem o outro, independentemente do órgão reprodutor exibido. Nós somos Unos, uns aos outros, uns nos outros, não existe divisão.
É altura de entender que a divisão é uma invenção do Homem para separar o outro Homem e assim dominar através do que nunca deve ter domínio porque é sagrado e o sagrado é divino e sem entender isto a humanidade está condenada. Toda."
Luísa Demétrio Raposo

Sem comentários:

Publicar um comentário

Uma por dia tira a azia