04 julho 2019

PODCASTigo bom!...


Já não bastava o miminho que o Marco António me deu de fazer uma reportagem sobre a minha colecção e entrevistar o meu secretário para a TVI e ainda se deu (não, não cedeu!) ao trabalho de gravar este podcast com ele, que publicou agora nas suas «Histórias de Portugal»:


Deixou-me tão molhadinha com isto tudo que estou que nem poço!

Visita o podcast, que tem um vídeo como bónus e um delicioso texto, de que aqui transcrevo um excerto:

"Portugal não tem um Museu Erótico. Mas a São Rosas tem. A maior coleção de arte erótica do país está guardada numas águas-furtadas em Coimbra.
A coleção “A Funda São” é, muito provavelmente, a maior coleção de arte erótica em Portugal. Tem mais de 5000 artigos (mais de 3000 são objetos variados e de todo o mundo, mais de 1500 são livros e coleções de livros). Um inventário impressionante que (...) juntou (e continua a juntar) ao longo de três décadas… nas águas-furtadas de casa.
A coleção, no entanto, “nunca saiu do armário”, que é como quem diz, nunca saiu do sótão onde está guardada. Podia ser mas não é um museu erótico (ou museu de arte erótica, ou museu do erotismo,…)
Não que o “secretário” da “proprietária” da coleção (Maria da Conceição Rosas – São Rosas, para os amigos) não queira expor este acervo ao público. Bem pelo contrário. Uma das razões de existir desta coleção é mostrar como há uma grande diferença entre a pornografia e o erotismo (a primeira é o sexo pelo sexo, o segundo é o amor pelo sexo – diz Paulo Moura). Mas até hoje nunca foi possível encontrar o parceiro ideal para uma relação feliz e duradoira que permita mostrar “A Funda São” ao público.
AH! E começou tudo com um simples (mas também complexo) baú."

Visita, comenta e partilha, que o Marco António, o meu secretário e eu agradecemos.

A tua podcastigada
São Rosas

Sem comentários:

Publicar um comentário

Uma por dia tira a azia