18 novembro 2017

«a última sílaba, do último poema» - Susana Duarte

não serás mais do que a última sílaba,
do último poema
que em mim escreveste,

língua de fogo sobre a pele,
língua com que descobriste o oculto
que, sob a pele, se movimenta,

sangue líquido do desejo,

ave líquida

transformada em mão lenta
sobre o corpo,
onde a última sílaba do poema
é a manhã reencontrada,

a vida solta que extingue as lágrimas:

poema reescrito
na pele.

Susana Duarte
Blog Terra de Encanto
Facebook

Sem comentários:

Publicar um comentário

Uma por dia tira a azia