01 janeiro 2019

«faltas-me» - Susana Duarte

na insubmissa saudade que me traz névoas,
falta-me o ângulo solar do teu sorriso.
habituei-me à ausência dos lábios,
nunca me habituando à ausência
do que pressinto. faltas-me.

é longa a lisura dos braços que me acolhem
saudades mansas, despidas da bruma antiga,
onde habitas todos os recantos breves
das palavras que dissemos.

faltas-me no ar que me respira e vive.

faltas-me, sobretudo, onde a noite
se faz longa estrada percorrida
pela cadência agreste das silvas
que entoam cantos de coruja, nos locais
onde a lua interpela os amantes.

faltas-me nas ondas do cabelo,
que dantes revolvias com dedos seguros.

faltas-me onde me sabes, e sabes-me
onde o mundo se oculta de mim e eu,
dele me escondo. faltas-me.

na insubmissa saudade dos mares
outrora atravessados de carícias, falta-me
o ângulo solar dos teus dedos. habituei-me
à ausência dos beijos, nunca me habituando
à ausência do que pressinto e sei. faltas-me.

todos os dias.

Susana Duarte
Blog Terra de Encanto
Facebook

Sem comentários:

Publicar um comentário

Uma por dia tira a azia