16 junho 2019

«trago nozes» - Susana Duarte

trago nozes, centros nacarados do mundo,
e trago vozes. tragos cardos
como se fossem árvores,
e ondas suaves
onde os xamãs
desnudam
a lei.

sou, das árvores, a intempérie
que nasce onde as flores
fenecem, e as luzes
de uma aurora
desfolhada

[mulher]

onde os dias de antes escrevem
palavras estranhas, raras, justapostas
à sombra onde, esquálidos,
espreitam os teus ossos,
sombra da sombra
do que foste

quando o corpo se erguia
sobre os poros. trago neles o sal
e o suor, as lágrimas e a paixão dos dias.

eram dias de estar só, sem o saber,
acompanhada pelo corpo ausente
com que presenteavas
as noites fingidas
de uma chuva
trazida
pelos dedos.

soubesse eu dos teus dias,
e teriam sido curtas as noites
da água e do movimento milenar
dos braços. soubesse eu das tuas noites,
e teriam sido esculpidas em água
as curvas que, todavia, te desenhei
nos lábios, urgentes como a vida
que parecias ter

dentro.

Susana Duarte
Blog Terra de Encanto
Facebook


Sem comentários:

Publicar um comentário

Uma por dia tira a azia