21 julho 2018

«Antítese» - Susana Duarte

(ouvindo Aesthesys, “Dreams are only real as long as they last”)

sou a antítese dos mares. escondo-me das flores onde a luz não chega,
e da luz, onde as flores desmaiam ante o bater de asas das borboletas azuis. escondo-me
onde as luas me navegam. sou um exoplaneta frutado de luas sonoras, e a veia
onde os teus passos criaram a sede. sou a antítese de mim mesma, e o contrário de tudo.

persigo as ondas onde os mares se afundam em areias prístinas, e acendo os grânulos
de silício das praias com os passos dados em auroras distantes. nessas auroras vives
tu, ser flávio das noites antigas. és a antítese de mim, e aquele que me completa.

interrogas-me onde a estranheza se instala. escondes-me de mim onde me perdes e me tens.

é por ti que sou a antítese do ventre, e a demora das manhãs frutadas, e das noites vivas.

Susana Duarte
Blog Terra de Encanto
Facebook

Sem comentários:

Publicar um comentário

Uma por dia tira a azia