15 março 2019

#cuntismo - Ruim

A expressão “cunt” não possui uma congénere na nossa língua dada a sua natureza e poder. A palavra que mais se aproxima é “coninhas”, mas “cunt” possui força de “filho da p#ta” e é essa – a meu ver – a definição mais aproximada por duas razões:

- Provoca o mesmo tipo de reacção no ofendido.
- É usada da mesma forma entre amigos (ex: “My mate Nick? He’s a jolly cunt!” e “Gosto mesmo daquele filho da p#ta do João!”

Tive a oportunidade de debater o “cuntismo” com uma senhora australiana durante o último voo (de 4!) até Sydney durante bastante tempo. A conversa começou da seguinte forma, ao comentar o choro incessante de um bebé:

Eu: Now that’s a cunt baby if I ever saw one.
Ela: No. Please don’t use that word.
Eu: Baby?
Ela: NO. THE OTHER ONE!
Eu: You mean cunt?

Eu encaro a palavra “cunt” com a mesma descontração dos australianos, pois a mesma possui uma conotação bastante negativa juntos dos americanos (muito por culpa do embaixador da “cunt”, Jim Jefferies). Além disso, inglês não é a minha língua materna, logo, tenho carta verde para a dizer sob o pretexto de não saber o que significa.

- You should never use that word in any circumstance.
- Really? If I go to the toilet and someone takes my seat and says “this is mine now, fuck of!”… what do I do?
- Call the cabin crew to help you.
- Call him a cunt is far better. And funnier.
- Promise me you won’t call anyone that. Please.
- That’s a cuntsy request…
- Really? You’re going to get in trouble.

Acedi e prometi à senhora que não ia chamar isso a ninguém.

MAS…

Estava eu na fila dos serviços fronteiriços australianos para declarar uma caixa de Zyrtec e tabaco de enrolar, quando duas “não cunts” tentaram fazer os restantes de parvos e resolvem meter-se na fila mesmo à minha frente. Senti-me um pouco comido, como se tivessem enfiado um das Caldas na minha cunt e fiz questão de dizer à senhora “excuse me, you´re passing all these people in line. The end of over there” e apontei para o ass of Judes porque a fila era mesmo enorme. Para surpresa minha, levei uma sapatada na mão e ouvi “mind your own business”. Ora, eu não sou gajo de reagir a quente, mas pensei mesmo em lhe espetar um pontapé em cheio na cunt. Começou o que posso descrever como uma semi-escandaleira em inglês e quando vi que aquilo não ia dar em nada, gritei “YOU CUNT!”. Uuuuuuuuuui, silêncio no cuntódromo que agora é que a cunt estava entornada.

- HOW DARE YOU?
- Vão mas é para o c#ralho, ainda agora aqui cheguei já me estou a chatear? Quer passar, que passe, f#da-se. Mas agora estou para aturar atrasados mentais quando devia estar a divertir-me? Vão-se f#der. PASSE, MINHA SENHORA. SEJA FELIZ.
- ?????????

Estão a ver? Cunt é fixe, mas nada bate um tuga a armar um pé de vento.

Está a chover em Sydney. São Pedro is a cunt!

#cuntismo #ruimgoesdownunder

Ruim
no facebook

Sem comentários:

Publicar um comentário

Uma por dia tira a azia