22 março 2019

#porqueeeeeeeê - Ruim

Eu nunca violei mas...

Tinha eu os meus 16 anos quando andava perdido de amores por uma rapariga da escola. Ela tinha tudo o que eu queria numa rapariga. Mamas. Fim. Fiz de tudo para lhe chamar à atenção: ficava a olhar para ela nos intervalos grandes atrás de um poste, ia assistir às aulas de educação física dela atrás de um poste e observava o poste escondido atrás dela. Ofereci-lhe uma cassete com as minhas músicas preferidas que gravei da Rádio Cidade e que por coincidência eram as músicas que todas as raparigas ouviam na altura, redigi uma carta ao som de Savage Garden onde abri o meu coração e expus todos os meus sentimentos e escrevi o nosso nome no poste que abraçava e beijava todos os dias a pensar nela. Tudo o que eu queria era algum tipo de resposta - boa ou má, tanto faz- e tocar-lhe nas mamas.

Nunca me disse nada, a p#ta. Começou a andar com um gajo de 20 anos, daqueles cheios de pinta e que paravam a scooter à porta das escolas secundárias a engatar miúdas porque eram rejeitados pelas raparigas da idade deles. Chorei agarrado ao poste de onde costumava espiá-la, rasguei todas as cartas que nunca cheguei a entregar e gritei bem alto "porqueeeeeeeeê?" Anos mais tarde encontrei-a. Desgastada, envelhecida e com 3 crias de várias cores. Nunca conheceu o amor.

Pensei para mim "meteu-se a jeito e teve o que merecia".

Só para verem que aqui o menino também tem um passado negro.

Ruim
no facebook

Sem comentários:

Publicar um comentário

Uma por dia tira a azia