20 setembro 2019

Com sentimento - Ruim

Toda esta questão do "consentimento" está a ser liderada precisamente pelo grupo que menos f#de e experiência tem em relações humanas (contudo, líderes nas relações humanos/felinos). Portanto, precisamos de ter previamente a total e absoluta certeza de que podemos fazer "avanços" para cima de uma mulher antes de pensarmos sequer em fazer. Não há problema, porque todos sabemos que as mulheres são um grupo bastante directo ao assunto e simples de perceber, caso contrário, estaríamos metidos numa embrulhada de problemas de comunicação. Mas vamos assumir que existe pelo menos uma senhora bastante complicada de se perceber o que ela quer e o que ela não quer, alguém que quer que seja o homem a adivinhar o que lhe vai na cabeça como se estivesse num encontro com um gajo que dobra colheres com a mente, alguém cuja resposta "sim, acho que esse vestido te fica bem" gera uma nova série de perguntas em tom acusatório, uma pessoa cujas unhas pesam mais que o resto do corpo e pergunta "achas que estou gorda?", no fundo, um unicórnio, pois todos sabemos que 99% das mulheres são totalmente o oposto disto.

Dado que vivemos na era da hiperbolização da sensibilidade individual, queria pegar neste contexto totalmente fantasioso de que a maioria das vezes não percebemos um c#ralho do que elas querem e dirigir-me a esta mulher totalmente fictícia que acabei de descrever.

Está tudo a correr bem num encontro (para as líderes do povo felino, é o que as mulheres atraentes fazem na companhia de homens), ele pagou a conta do jantar de forma opressiva e patriarcal e ela como mulher forte e independente não o contrariou, vão os dois para o carro, ele abre-lhe a porta de forma machista e medieval como se ela tivesse os braços amputados, dirigem-se ao apartamento da rapariga e entram. Vamos parar neste ponto muito importante: como é que vocês, accionistas maioritárias da Whiskas, acham que a coisa se desenrola?

Na vossa cabeça, a coisa acontece assim:

- Gostaria de lhe colocar uma questão: teria a sua permissão para inserir o meu pénis opressor na sua vagina forte e independente?
- Agradeço a sua questão e louvo o respeito que mostrou ter na sua condição de género privilegiado. Permita-me retorquir que darei o meu consentimento a tal acto, salvaguardando a minha integridade anal. Temos acordo?
- Após este salutar aperto de mão, minha cara senhora. Desculpa. Fui incorrecto.
- Exacto. "Cara, pessoa!". Agradeço a correcção. Podemos então proceder às relações consensuais.

Deixem-me esclarecer-vos, minhas limpa caixas de areia a full-time, como é que as coisas são no mundo real e de como "consentimento" é algo bastante subjectivo:

- A tua casa é bem porreira... quanto é que... (vou f#der, é hoje... eu sabia!)
- Ah, por acaso foi um bom negócio, através de uma amiga minha que trabalha numa imobiliária (ainda não sei se vou f#der com este gajo, deixa lá ver como isto se desenrola!)
- Tem bons acabamentos, sim senhor. Aquilo ali é uma placa de indução? Tens placa de indução? Sempre quis ter isso... (c#ralho, mas esta gaja não me dá sinais de nada?)
- Sim... eu não cozinho muito (mas este gajo quer-me comer ou alugar-me a casa? Faz qualquer coisa, homem...)
- Pois... vou-me sentar aqui no sofá. Confortável. Tens qualquer coisa que se beba? (é melhor começar a fazer qualquer coisa... concentra-te...)
- Tenho Martini Bianco, Baileys...
- Ah, qualquer coisa serve (só bebidas de gaja, f#da-se. Deixa-a sentar aqui no sofá ao pé de mim que eu já lhe mostro quem é o "boss").
- Vamos sentar aqui e beber um copo os dois. À nossa.. (Engatei um gay. Que raio de heterossexual é que bebe Baileys com tanto gosto?)
- Fala-me de ti. Do teu emprego... do que andas a ler... (c#ralho, estou com medo de levar um corte desta gaja. Estou bloqueado...)
- Olha... sei lá... (este gajo é o maior panilas que alguma vez encontrei, vou ter de ser eu...)
*gaja salta-lhe para cima e enfia-lhe a língua no esófago*
- Só uma coisa antes de isto acontecer...
- Diz, princesa!
- Duas coisas: não me chames de princesa porque isso é totalmente parolo e a outra é que vou pedir-te que me sufoques ligeiramente, me comas com força e quando eu disser "pára, estás a aleijar-me", aumentes a intensidade e me chames nomes. Percebido, "princesa"?
- Sim, chefe.

Está entendido? No fundo, a minha sugestão é deixar tudo nas mãos delas porque são quem tem a faca e o queijo na mão (e convençam-se que elas decidem antes do jantar se vai ou não haver sexo no final da noite!). Assim ninguém é alvo de processos judiciais ou acusações difamatórias. Estejam descansadas que nenhum homem vos vai acusar de alguma coisa que seja.

Ruim
no facebook

Sem comentários:

Publicar um comentário

Uma por dia tira a azia