25 setembro 2019

«O Louva-a-Deus» - Rui Felício


A alcunha de “Louva-a-Deus” assentava-lhe que nem uma luva.
Na verdade, os dois berlindes esbugalhados que lhe sobressaiam das órbitas quando tirava os óculos de lentes grossas, em tudo se assemelhavam aos olhos do conhecido insecto.
A imagem compunha-se quando foi para Mafra e lhe vestiram a farda verde militar.
Fizeram-no alferes e mandaram-no, como tantos outros, para a Guiné.
Integrado na sua Companhia, estacionou em Farim e passou a frequentar a casa comercial do Sr. Pompeu, comerciante branco que na sua loja, vendia tecidos, arroz, tabaco, açucar e variados enlatados. Num anexo à loja funcionava um bar onde os militares e população bebiam cerveja, whisky e petiscavam moelas em molho picante e frango assado à cafreal.
O Louva-a-Deus, aliás, o Alferes Eduardo Oliveira, tinha sempre no Bar, por sua conta, uma garrafa de whisky que ia parcimoniosamente vertendo no copo, sob o olhar sorridente e amável da Leonor, mulher do Sr. Pompeu que se afadigava em servir os clientes.
A Leonor era uma apetitosa mulher beirã, de trinta e poucos anos, de seios fartos, ancas largas e coxas robustas, que o Eduardo não parava de seguir nas suas deambulações atrás do balcão tosco de madeira, deixando galopar a imaginação à medida que os vapores do álcool lhe iam ampliando os sonhos.
Um dia perguntou-lhe porque é que ele, a partir do segundo copo, tirava sempre os óculos antes de voltar a deitar mais whisky no copo. O Louva-a-Deus explicou-lhe que sem óculos não via quase nada e que assim, tirando-os, não sabia se estava a deitar muito ou pouco.
O riso dela mostrou uma fiada de dentes alvos na boca carnuda entreaberta, cheia de promessas que um concupiscente piscar de olho alimentou no Eduardo a esperança de maiores avanços futuros.
A sintonia entre os dois aumentava de dia para dia.
Distraídos toques de mãos sobre o balcão eram o inegável sinal do desejo mútuo que ambos claramente nutriam um pelo outro.
O Sr. Pompeu de vez em quando, aproveitava colunas militares para ir a Bissau negociar a compra de mercadorias para a sua loja, ficando lá de um dia para o outro.
Nessas noites, o Eduardo subia ao 1º andar por cima da loja onde a Leonor ansiosa o esperava para noites insaciáveis de amor.
Um mês antes de terminar a sua comissão e regressar a Lisboa, sucedeu o inesperado.
Daquela vez, a coluna militar em vez de regressar na manhã seguinte, voltou a Farim durante a noite e, no quarto, a Leonor e o Louva-a-Deus, ouviram o ferrolho da porta ranger e o Sr. Pompeu, cá de baixo, gritar:
- Leonor, meu amor, vim mais cedo. Estás acordada ainda?
O Eduardo, aflito, precipitou-se da janela, saltando na escuridão da noite.
Tão desastradamente o fez que bateu com o joelho numa pedra fracturando a rótula.
Esgueirou-se, seminu, para o quartel, a gemer baixinho e a coxear, com os olhos fora das órbitas de susto e de dores.
Um mês depois, já na sua terra natal em Vinhais, ainda claudicando do joelho, era respeitosamente cumprimentado pelos conterrâneos, admirado como herói da guerra da Guiné, onde, como fizera constar, tinha sido ferido em combate...

Rui Felício
Blog Encontro de Gerações
Blog Escrito e Lido

Sem comentários:

Publicar um comentário

Uma por dia tira a azia