08 setembro 2019

«arredio» - Susana Duarte

passar a curva suave das asas
e permanecer orvalho sobre
as sombras fósseis
do olhar,

(arredio como as aves),

seria ostentar a suavidade clara
de manhãs antigas,
circunscrevendo
os limites

da água,

e despojando dela
a sombra oculta do sorriso
nunca dado,
quimera ou totem de um tempo
que foi, apenas, na mente.

Susana Duarte
Blog Terra de Encanto
Facebook


Sem comentários:

Publicar um comentário

Uma por dia tira a azia