22 setembro 2019

«foste» - Susana Duarte

agora que o silêncio permite ver
o tamanho das mágoas,
segue-se uma nova
madrugada.

foste a aurora prometida, onde
hoje reside apenas a memória.
foste a abertura dos olhos,
onde as aves dispersas
pediam voos novos;

foste, na manhã, a promessa
antiga. ao silêncio de hoje,
entrego as promessas
e os passos perdidos.

agora que o silêncio permite ver
o tamanho dos corpos,
sigo o caminho
desenhado pela deserção
dos braços. permaneces onde
as sombras caminham.

desapareces dos dias
como, nas noites, transformaste
a tua presença na névoa
ambígua das bocas
sem voz. o silêncio
de hoje desenha a amplitude
de um céu novo-

quimera desenhada
num corpo por cumprir.

Susana Duarte
Blog Terra de Encanto
Facebook


Sem comentários:

Publicar um comentário

Uma por dia tira a azia