05 julho 2017

É tão bom fazer parte de um projecto fixe!

O blog «a funda São» dá-me o privilégio de conhecer malta interessantíssima, em várias áreas de saberes e de sabores.
Um dos muitos amigos [M/F] que conheci no mundo virtual e cuja amizade foi - e mantém-se - muito real, é o Jorge Castro. Comandante do blog Sete-Mares, o OrCa foi um dos amores (eróticos) à primeira vista, recíproco, com a malta deste blog, a quem chamamos, há muitos anos, a fundiSão.
Além dos vários Encontra-a-Funda em que o OrCa nos maravilha com as suas odes (tão bem que ele ode), também já participámos em eventos organizados por ele. É o caso do projecto «Noites com poemas», que o Jorge Castro organizou e realizou na Biblioteca Municipal de Cascais, em São Domingos de Rana.
Uma dessas noites com poemas foi em 20 de Maio de 2011 teve como temas o erotismo, com a Miss Joana Well e a sátira, com o Carlos Pedro (Cápê). Como não posso ouvir falar em erotismo que fico logo toda molhadinha, lá esteve presente nessa noite a malta do blog «a funda São». E isso ficou registado no livro «100 noites com poemas», da Apenas Livros.
É um luxo, ter amigos assim!










E nada como aproveitar qualquer ocasião para... oder.

Chama a Mamãe! -
"Tu mereces todas as vezes que o OrCa te homenageou...
Eu queria uma ode com o OrCa.
Mas o Orca não ode de tão longe.
Ah, se o Orca quisesse... eu também lhe faria um DeclaraSão de Princípio e de IntenSão...
Eu nadaria por sete, dez... mil mares... só para oder com OrCa."

Jorge Castro (OrCa) -
"E cá estou, Chama a Mamãe! e demais povo:

Oder como eu odi (e odo, às vezes) perdidamente
oder este, aquela, a outra, aqui e além
oder até aquém e além do mar ingente
que mais não seja para poder oder à Chama a Mamãe!
pois qu'oder deixa sempre alguém contente
o filho, a filha, o pai e a mãe...
odei, pois, com ardor, ó minha gente,
que oder demais nunca faz mal a ninguém!"

Chama a Mamãe! -
"Oder com OrCa deve ser uma uma delícia.
Deve ser ato com esmero... requintado.
Se tu, OrCa, queres ver o meu oder,
Que nem é tanto como o teu, rebuscado.
Se me deixas ardendo quando podes...
Nem me importa se somente às vezes...
Odes!?
Mas cá te peço, de forma urgente,
Não vás oder aquela, a outra,
Em alguma margem à frente,
Reserve um tanto dessa ode
E deixa a Chama a Mamãe contente."


Jorge Castro (OrCa) -
"Oh, como oder ao longe é tão ingrato
que secura, senhores, e quão perverso
‘inda assim, assim odo, caricato
no belisco incontinente de algum verso

e se a Chama me suscita o quanto chamo
de perverso ou caricato e tão incerto
eu mato e morro e barafusto e reclamo
por não ter o ser que quero aqui mais perto…

oderei, entretanto, de alma aflita
haja então por amor quem mais me ature
e que a ode seja enfim ária infinita
como diz o poeta, enquanto dure…

Deixarei, pois, de mim um pouco de estro
dedicado, ansioso e indigente
alegrando - quem dirá – algum maestro
que da Vida tem concerto bem presente

será ela ou ele ou eles ou tu ou vós
nessa arte que se faz rica em mistério
e se a tantos nos pudermos juntar nós
então sim, há-de ser oder a sério!"

Como diz o povo, "oder e contar, o que custa é começar"!

Chama a Mamãe! -
"Esta Chama, com apetite aguçado,
Quando falas em oder de todo lado,
Imagina nossa pele, nua e crua...
Fetiches que me levam até a Lua,
Odendo contigo...
Ao som de um belo fado.
E, enquanto dura, ode!
Ode tanto que a Chama não apaga.
Mas nisso não se vê nenhum mistério!
Se OrCa oder comigo,
Fincar, em mim, o estro poético,
Sucumbirei aos seus poemas
Num oder extasiante...
E movimentos frenéticos."

Jorge Castro (OrCa) -
"Olha, tocaram-me numa veia romântica:

frenéticos no redemoinho
nalgum trâmite quântico?
enfim, eu cá vou devagarinho
em lance, digamos, tântrico…
estou assim mais com o Sobral
Salvador de jazz ao peito
que a pressa já me faz mal
descuido-me… e dou um jeito…!
amor só apaladado
desfrutando as iguarias
buscando por todo o lado
sabores de mil malvasias
e sempre bem devagar
que a pressa tudo arrefece
como apurar gosto a mar
se o corpo nem estremece?
nu e cru, também lavado
ou temperado a preceito
ah, amar e ser amado
gota a gota, peito a peito…"

Chama a Mamãe! -
"Conduz-me como tu gostas,
E eu te farei explodir.
Não! Não quero nada fugaz,
No tempo certo também quero conduzir.
Cavalgando, devagar,
Que a pressa ao orgasmo confunde,
Agarro-me, desnuda, em teus flancos,
Entre gemidos que tu mesmo me respondes.
Vem, chega-te a mim! Nada a temer.
Esse braseiro que me incendeia é teu prazer.
Toca essa carne, a pulsar e te querendo.
Carne crua, temperada a teu gosto,
Para suprir onde achares mais urgente...
E depois, esgotados...
Se, ainda assim, desfrutares as iguarias,
Responder-te-ei entre beijos,
Quando me perguntares se novamente tudo eu faria."

Jorge Castro (OrCa) -
"Isso sim, voltemos à carne,
que não ao cherne de dúbia e pífia memória...
Voltemos à carne sem Temer
pois oder com temor é fraca história.

E como me chama a Mamãe e eu, sem apelo,
me pelo pelo pêlo apetecido...
seja pêlo ou penugem e só me acaba
essa urgência... se afinal for piaçaba.

Mas não é, não será - assim o creio -
poderás pois contar comigo em tal anseio...

Ah... se não houvesse tanto mar cá pelo meio!


;-)» (nunca mais criam um sorriso com barba!)"

Chama a Mamãe! -
"Então, aceitas oder sem algum receio?
Como fêmea a devorar, quando no cio?
Esse mar é alcova estendida,
Nada obsta às nossas peles aquecidas.
Põe teu corpo, nu,
Sobre o meu, acasalado...
Teus pelos, como os meus,
Arrepiados.
Minhas coxas a te envolverem,
Como um abraço sensual.
Então, entre beijos e murmúrios vem o gozo.
Ainda trêmula, sobre teu peito eu repouso.
Apelas-me para que tudo eu recomece,
Imploras-me por mais carinhos, excitado.
Atendo-te, sem fazer-me de rogada.
Dizendo-me que meu cheiro é teu afrodisíaco!
Quem ode assim...
Nem precisa de Viagra.

Ah! Se cá tu viesses apreciar o que uma índia tem “pelo” meio.

hehehehehe"

Jorge Castro (OrCa) -
"Isto de fabricar odes p(h)ode ser um pouco como as cerejas que, em se puxando por uma, vêm logo mais atrás... E pode entender-se este acto de «vir mais atrás» em toda a sua plenitude literal...

pelo meio
pêlo e meio?

pêlo sim
ou pêlo não
pelo meio da questão
pelo avesso
controverso
novo acesso descoberto
mais acima
mais abaixo
que se estima quanto encaixo
sai de cima
sai de baixo
mas não saias de tão perto
para que acerte o incerto
que o desacerto lá vem
num vaivém
que assim convém
fora e dentro e dentro e fora
noite adentro
até à aurora
do nosso contentamento

ora bem -
estás bem
agora?
ainda bem
porque eu também…

e quando chegam as luzes
senhores
quanta dor nas cruzes
mas que bem se está de amores…"

28 comentários:

  1. Tu mereces todas as vezes que o OrCa te homenageou...
    Eu queria uma ode com o OrCa.
    Mas o Orca não ode de tão longe.
    Ah,se o Orca quisesse...eu também lhe faria um DeclaraSão de Princípio e de IntenSão...Eu nadaria por sete, dez...mil mares...só para oder com OrCa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O OrCa ode a qualquer distância. Só precisas de lhe pedir com meiguice.

      Eliminar
  2. E cá estou, Chama a Mamãe! e demais povo:

    Oder como eu odi (e odo, às vezes) perdidamente
    oder este, aquela, a outra, aqui e além
    oder até aquém e além do mar ingente
    que mais não seja para poder oder à Chama a Mamãe!
    pois qu'oder deixa sempre alguém contente
    o filho, a filha, o pai e a mãe...
    odei, pois, com ardor, ó minha gente,
    que oder demais nunca faz mal a ninguém!

    ResponderEliminar
  3. Oder com OrCa deve ser uma uma delícia.
    Deve ser ato com esmero...requintado.
    Se tu, OrCa queres ver o meu oder,
    Que nem é tanto como o teu, rebuscado.
    Se me deixas ardendo quando podes...
    Nem me importa se somente às vezes...
    Odes!?
    Mas cá te peço, de forma urgente,
    Não vá oder aquela, a outra,
    Em alguma margem à frente,
    Reserve um tanto dessa ode
    E deixa a Chama a Mamãe contente.

    ResponderEliminar
  4. E já lá moram (na publicação).

    ResponderEliminar
  5. Oh, como oder ao longe é tão ingrato
    que secura, senhores, e quão perverso
    ‘inda assim, assim odo, caricato
    no belisco incontinente de algum verso

    e se a Chama me suscita o quanto chamo
    de perverso ou caricato e tão incerto
    eu mato e morro e barafusto e reclamo
    por não ter o ser que quero aqui mais perto…

    oderei, entretanto, de alma aflita
    haja então por amor quem mais me ature
    e que a ode seja enfim ária infinita
    como diz o poeta, enquanto dure…

    ResponderEliminar
  6. (continuando...)

    Deixarei, pois, de mim um pouco de estro
    dedicado, ansioso e indigente
    alegrando - quem dirá – algum maestro
    que da Vida tem concerto bem presente

    será ela ou ele ou eles ou tu ou vós
    nessa arte que se faz rica em mistério
    e se a tantos nos pudermos juntar nós
    então sim, há-de ser oder a sério!

    ResponderEliminar
  7. Esta Chama, com apetite aguçado,
    Quando falas em oder de todo lado,
    Imagina nossa pele, nua e crua...
    Fetiches que me levam até a Lua,
    Odendo contigo...
    Ao som de um belo fado.
    E, enquanto dura, ode!
    Ode tanto que a Chama não apaga.
    Mas nisso não se vê nenhum mistério!
    Se OrCa oder comigo,
    Fincar, em mim, o estro poético,
    Sucumbirei aos seus poemas
    Num oder extasiante...
    E movimentos frenéticos.

    hehehehehe

    ResponderEliminar
  8. Respostas
    1. Tu irias adorar conhecer a Miss Joana Well ;O)

      Eliminar
  9. Olha, tocaram-me numa veia romântica:

    frenéticos no redemoinho
    nalgum trâmite quântico?
    enfim, eu cá vou devagarinho
    em lance, digamos, tântrico…
    estou assim mais com o Sobral
    Salvador de jazz ao peito
    que a pressa já me faz mal
    descuido-me… e dou um jeito…!
    amor só apaladado
    desfrutando as iguarias
    buscando por todo o lado
    sabores de mil malvasias
    e sempre bem devagar
    que a pressa tudo arrefece
    como apurar gosto a mar
    se o corpo nem estremece?
    nu e cru, também lavado
    ou temperado a preceito
    ah, amar e ser amado
    gota a gota, peito a peito…

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vocês, de vez em quando, tirem para sair o fumo :O)

      Eliminar
  10. Conduz-me como tu gostas,
    E eu te farei explodir.
    Não!Não quero nada fugaz,
    No tempo certo também quero conduzir.
    Cavalgando, devagar,
    Que a pressa ao orgasmo confunde,
    Agarro-me, desnuda, em teus flancos,
    Entre gemidos que tu mesmo me respondes.
    Vem, chega-te a mim! Nada a temer.
    Esse braseiro que me incendeia é teu prazer.
    Toca essa carne, a pulsar e te querendo.
    Carne crua, temperada a teu gosto,
    Para suprir onde achares mais urgente...
    E depois,esgotados...
    Se, ainda assim, desfrutares as iguarias,
    Responder-te-ei entre beijos,
    Quando me perguntares se novamente tudo eu faria.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nada a Temer? Acho bem.

      Eliminar
    2. Coitado do OrCa. Era somente um ...Oder rapidinho.

      Eliminar
    3. É só chamar-me que eu... levo-vos um balde com gelo.

      Eliminar
  11. Nada a Temer, nada a Lula, nada a Dilma, Nada, nada...que o mar não está pra peixe.

    ResponderEliminar
  12. Isso sim, voltemos à carne,
    que não ao cherne de dúbia e pífia memória...
    Voltemos à carne sem Temer
    pois oder com temor é fraca história.

    E como me chama a Mamãe e eu, sem apelo,
    me pelo pelo pêlo apetecido...
    seja pêlo ou penugem e só me acaba
    essa urgência... se afinal for piaçaba.

    Mas não é, não será - assim o creio -
    poderás pois contar comigo em tal anseio...

    Ah... se não houvesse tanto mar cá pelo meio!


    ;-)» (nunca mais criam um sorriso com barba!)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vocês pausam mas não param. Quereis que vos traga uns suplementos vitamínicos?

      Eliminar
  13. Gostei - entretanto pelo sim pelo não, ponho as barbas de molho! Saudações! - cpf

    ResponderEliminar
  14. Então, aceitas oder sem algum receio?
    Como fêmea a devorar, quando no cio?
    Esse mar é alcova estendida,
    Nada obsta às nossas peles aquecidas.
    Põe teu corpo, nu,
    Sobre o meu, acasalado...
    Teus pelos, como os meus,
    Arrepiados.
    Minhas coxas a te envolverem,
    Como um abraço sensual.
    Então, entre beijos e murmúrios vem o gozo.
    Ainda trêmula, sobre teu peito eu repouso.
    Apelas-me para que tudo eu recomece,
    Imploras-me por mais carinhos, excitado.
    Atendo-te, sem fazer-me de rogada.
    Dizendo-me que meu cheiro é teu afrodisíaco!
    Quem ode assim...
    Nem precisa de Viagra.


    Ah! Se cá tu viesses apreciar o que uma índia tem “pelo” meio.

    hehehehehe

    ResponderEliminar
  15. Isto de fabricar odes p(h)ode ser um pouco como as cerejas que, em se puxando por uma, vêm logo mais atrás... E pode entender-se este acto de «vir mais atrás» em toda a sua plenitude literal...

    pelo meio
    pêlo e meio?

    pêlo sim
    ou pêlo não
    pelo meio da questão
    pelo avesso
    controverso
    novo acesso descoberto
    mais acima
    mais abaixo
    que se estima quanto encaixo
    sai de cima
    sai de baixo
    mas não saias de tão perto
    para que acerte o incerto
    que o desacerto lá vem
    num vaivém
    que assim convém
    fora e dentro e dentro e fora
    noite adentro
    até à aurora
    do nosso contentamento

    ora bem -
    estás bem
    agora?
    ainda bem
    porque eu também…

    e quando chegam as luzes
    senhores
    quanta dor nas cruzes
    mas que bem se está de amores…

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu não quereria mesmo estar nas vossas cruzes...

      Eliminar

Uma por dia tira a azia