23 janeiro 2018

«procura» - Susana Duarte

procura.
trago-te em mim, como trago as nódoas das outras vidas
e as partidas todas, de todos os portos do mundo. revejo-te,
como a uma mirabolante caminhada sobre as traves de madeira dos ossos,
e neles inscrevo a tua presença,
anónima, arqueada e inocente. trago-te em mim, todas as noites,
aceso como as luzes e os sons que já povoaram a terra, castanha e húmida como as nozes da existência feminina. és, de todos os motivos, o mais perecível,
e o mais eterno, como as maçãs
perpetuadas numa tela. as maçãs, são os seios que seguras
na linha que antecede a noite, e o perímetro dos sonhos
onde encontrarás, de novo, a realidade e o ser. perdes-te, tragicamente,
onde se agitam as nuvens. a nesga de céu que abominas
é a mesma onde me passeio, despida, sôfrega de sol e de vento,
aurora desfolhada de todas as luas que me nascem dentro. e permaneces cera,
e permaneces voo antecipado, Ícaro naufragado com a força das asas sepultas.

procura. serás a mão que antecipa as marés.

Susana Duarte
Blog Terra de Encanto
Facebook

Sem comentários:

Publicar um comentário

Uma por dia tira a azia